O desmanche da ciência - Opinião - Estadão

Redução de recursos para o Ipen compromete a produção de remédios contra o câncer

21/09/2021 18:00:00

OPINIÃO: 'Redução de recursos para o Ipen compromete a produção de remédios contra o câncer'

Redução de recursos para o Ipen compromete a produção de remédios contra o câncer

21 de setembro de 2021 | 03h00Com a informação de que suspenderá temporariamente a importação de insumos para a produção de medicamentos utilizados em diagnóstico e tratamento de câncer por falta de recursos orçamentários, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) é mais uma vítima da asfixia financeira que o governo Bolsonaro vem promovendo na área de ciência, pesquisa e educação desde sua posse.

A nova estratégia que Bolsonaro ‘roubou’ de Lula | Matheus Leitão Oposição aciona Bolsonaro no STF por fake news sobre Aids e vacina | Radar Bolsonaro dá munição à oposição ao espalhar fake news e associar vacina e Aids, dizem aliados

A informação foi divulgada pelo Ipen menos de dois meses após dois acontecimentos lamentáveis. O primeiro foi o colapso da Plataforma Lattes, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que reúne informações sobre trabalhos realizados por todos os pesquisadores brasileiros. O segundo acontecimento foi a advertência feita pela comunidade científica brasileira para o risco de um apagão, também decorrente de cortes orçamentários, das atividades do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que atua na área de tecnologias de exploração espacial e meio ambiente, de desenvolvimento de programas de previsão meteorológica por meio de satélites e de monitoramento de queimadas e emissão de alertas climáticos. 

No caso do Ipen, a paralisia de suas atividades e serviços de medicina nuclear afetará não só a fabricação de remédios contra o câncer, mas, também, a elaboração de estudos e diagnósticos de diversas outras doenças, num momento em que o País enfrenta uma das mais graves crises de saúde pública de sua história. A paralisia também dificultará o funcionamento de hospitais e clínicas especializadas e causará problemas em famílias que têm algum de seus membros fazendo quimioterapia. Segundo previsões da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), a suspensão na distribuição dos radiofármacos do Ipen prejudicará cerca de 1,5 milhão de pessoas. headtopics.com

Atualmente, o órgão produz 25 diferentes radiofármacos, o que corresponde a 85% do fornecimento nacional. Além disso, os remédios produzidos pelo Ipen representam cerca de 10% dos medicamentos usados para tratar diversas doenças graves. “A crise do Ipen causará um apagão no tratamento do câncer no País”, adverte o presidente da Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares, Celso Cunha. “O Ipen é produtor quase exclusivo no Brasil dos isótopos radioativos que são utilizados na medicina nuclear. Por exemplo, no diagnóstico de cintilografia óssea para procurar metástase óssea em pacientes com câncer e na cintilografia miocárdica para avaliar pacientes infartados e com doenças coronarianas”, afirma o presidente da SBMN, George Coura Filho. 

Há duas semanas, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada publicou um estudo chamando a atenção para o preço que o País está pagando pelo desprezo demonstrado pelo governo Bolsonaro à ciência e à pesquisa. O estudo mostrou que, no ano passado, a União investiu em ciência um volume de recursos inferior ao que destinou em 2009. Apesar da importância das pesquisas num período de pandemia, em 2020 foram repassados R$ 7,2 bilhões, ante R$ 18 bilhões em 2009, em valores corrigidos pela inflação. Entre outros órgãos, além do Ipen, do Inpe e do CNPq, essa redução prejudicou o Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o Centro de Pesquisa em Energia e Materiais, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. 

No campo econômico, a asfixia orçamentária da ciência acarreta perda de competitividade do País, num momento em que as disputas no âmbito de um comércio globalizado são cada vez mais acirradas. No campo político, o menosprezo pela produção do conhecimento dificulta a formação de uma política científica capaz de subsidiar um projeto de futuro para o País, ao mesmo tempo que o torna um mero figurante nas discussões nas relações internacionais e na geopolítica mundial. 

Esse é o preço que o Brasil está pagando por ter um governo incapaz de compreender que ciência é progresso e poder.  Consulte Mais informação: Estadão »

O Assunto #565: CLIMA - a parte do agro na crise e na solução

No mundo, o sistema de produção de alimentos responde por aproximadamente um quarto das emissões de gases do efeito estufa. No Brasil, a parcela é ainda mais significativa, superada apenas pela do desmatamento. Num círculo vicioso, agricultura e pecuária são diretamente afetadas pelo aumento da temperatura global, em produtividade e qualidade.

Só tem dinheiro pra comprar “leite condensado “

Brasil chega a evento climático pré-COP 26 com a pior imagem possível, diz professor - Sustentabilidade - EstadãoMarcelo Furtado, que participa da Climate Week paralelamente à agenda da Assembleia Geral da ONU, vê o País fora do radar da geopolítica ambiental e reconhecido por 'negar a ciência' Pra um desgoverno genocida que tem um ministério especializado em queimadas, desmatamento e trabalhar pra grileiros isso é mais do que esperado 'diz o professor', 'dizem os especialistas', 'dizem as pesquisas', otário quem acredita.. Parabéns aos envolvidos

O saldão de Paulo Guedes no Rio de JaneiroCariocas estão desafiados a defender o Gustavo Capanema, o campus da Praia Vermelha, a Casa da Ciência, as escolas e bibliotecas

Privatizações à Bolsonaro - Opinião - EstadãoOPINIÃO: 'O governo que prometia desestatizar tudo precisa criar uma estatal para começar a privatizar' Boris Johnson disse que está “encantado” com Bolsonaro: “estou muito feliz em conhecê-lo” BolsonaroUN2021 É a lei não é culpa dele, falem a verdade E os lobistas que financiam a imprensa deixam os políticos fazer algo em proveito da população ? ! Tomem vergonha na cara de vocês, cínicos

34ª edição da Casacor São Paulo tem recorde de novos nomes da arquitetura - Emais - EstadãoDos 58 ambientes espalhados pelo Parque Mirante, 28 participam, pela primeira vez, do evento paulista

Beatrice, neta da rainha Elizabeth II, da à luz uma menina - Emais - EstadãoBeatrice, neta da rainha Elizabeth II, da à luz uma menina (via Emais_Estadao)

Jogador dos Packers perde pingente com as cinzas do pai durante partida da NFL - Esportes - EstadãoAaron Jones usava o adereço na vitória desta segunda-feira, por 35 a 17, sobre o Detroit Lions. Melhor do jogo, atleta de 26 anos anotou quatro touchdowns no futebol americano Esporte Um verdadeiro idiota Esporte pablomariz eita, o cara perdeu a aposta kkkkkk os Packers ganharam Esporte XeuleBot xeule