Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro - Política - Estadão

@EstadaoPolitica Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro

25.8.2019

EstadaoPolitica Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro

Preocupação de setores representativos da comunidade judaica no Brasil é ter imagem associada às políticas do atual governo

“É um reducionismo identificar o Estado de Israel com bandeiras da extrema-direita. O presidente tem uma admiração sincera pelo que Israel fez nessas décadas. Ele faz isso constantemente, mas não há necessariamente uma identidade entre a comunidade e o governo”, afirma o advogado

O uso de símbolos judaicos pelos evangélicos tem raízes profundas na doutrina cristã, mas ganhou ênfase nas igrejas neopentecostais do Brasil nos últimos anos, mais visivelmente a partir da inauguração do Templo de Salomão pela Igreja Universal do Reino de Deus, em 2014, quando o bispo

A associação vem de um conceito teológico conhecido como dispensacionalismo que, em resumo, significa a crença de que Jesus Cristo vai voltar à Terra e, para isso, depende de pré-condições como a retomada de Israel pelo “povo escolhido”, os judeus (o que aconteceu em 1948); e a expulsão dos “gentios” de Jerusalém (conquistada por Israel em 1967).

Pentecostais dos Estados do meio-oeste garantiram a eleição de Trump

Outro motivo de desconforto para parcela dos judeus é a impressão de que Bolsonaro recebeu apoio unânime da comunidade, reforçada pela ida de Fabio Wajngarten para a Secretaria de Comunicação do governo e a proximidade do presidente com empresários como Meyer Nigri, dono da Tecnisa.

) que se colocam a favor do Bolsonaro têm uma visibilidade excessiva. São mais enxergadas. Há um processo de construção do imaginário de que não se pode ser judeu e de esquerda”, disse Michel Gherman, historiador e coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos da UFRJ, que em 2017 organizou uma manifestação contra a presença de Bolsonaro no clube Hebraica do Rio.

procurou Wajngarten, que preferiu não se manifestar. O Palácio do Planalto também não se pronunciou sobre o assunto. A Igreja Universal não respondeu às perguntas enviadas. Procurada, a Embaixada de Israel também não se pronunciou.

Os únicos países que transferiram suas embaixadas para Jerusalém até agora são os EUA e a Guatemala, onde 40% do eleitorado é evangélico.

, armamentistas, eleitores do Nordeste interessados nas tecnologias israelenses para enfrentamento das secas, antipetistas que ligam o partido de Lula à causa palestina, anti-globalistas etc. “O tema de Israel sempre foi potencialmente politizável”, disse Casarões.

Consulte Mais informação: Estadão

Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro - ISTOÉ IndependenteDesde a vitoriosa campanha eleitoral do ano passado, a bandeira de Israel se tornou peça constante nos eventos com o presidente Jair Bolsonaro. Depois da posse, o país do Oriente Médio ganhou status inédito de aliado prioritário do Brasil e a transferência da embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém entrou no centro do debate político. … Va lavar as teta com k suco

Judeus reclamam do uso de símbolos por BolsonaroPreocupação de setores representativos da comunidade judaica no Brasil é ter imagem associada às políticas do atual governo

Judeus reclamam do uso de símbolos por BolsonaroPreocupação de setores representativos da comunidade judaica no Brasil é ter imagem associada às políticas do atual governo

Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro - ISTOÉ IndependenteDesde a vitoriosa campanha eleitoral do ano passado, a bandeira de Israel se tornou peça constante nos eventos com o presidente Jair Bolsonaro. Depois da posse, o país do Oriente Médio ganhou status inédito de aliado prioritário do Brasil e a transferência da embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém entrou no centro do debate político. … Va lavar as teta com k suco

Por críticas a Bolsonaro, manifestantes expulsam humorista de ato contra Lei de Abuso - Política - EstadãoMarcelo Madureira teve que sair escoltado pela PM de ato organizado pelo Movimento Vem Pra Rua no Rio

Carlos Bolsonaro critica Macron e o chama de 'Doria francês' - CartaCapitalO filho 02 de Bolsonaro saiu em defesa do pai, criticado por líderes mundiais pelas políticas referentes às queimadas na Amazônia.

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

25 agosto 2019, domingo Notícia

Notícias anteriores

Elio Gaspari: Guedes vende o sonho da privatização

Próxima notícia

Raúl estreia como técnico do Real Madrid B e diz que não conta com Rodrygo: 'Jogador do time principal'