Google volta a questionar proposta de entidades sobre remuneração por conteúdo jornalístico - Política - Estadão

Google volta a questionar proposta de entidades sobre remuneração por conteúdo jornalístico (via @EstadaoPolitica)

18/09/2020 11:15:00

Google volta a questionar proposta de entidades sobre remuneração por conteúdo jornalístico (via EstadaoPolitica)

Em agosto, entidades de comunicação protocolaram na Câmara uma carta pedindo apoio a aspectos do PL das Fake News e em defesa do jornalismo profissional; a coalizão é formada por 27 associações, incluindo ANJ, Abracom e Abert

17 de setembro de 2020 | 15h58O Google publicou nesta quinta-feira, 17, um um novo questionamento aodocumento que uma coalizão de 27 entidades de comunicação protocolaram na Câmara, em agosto. Nele, as entidades pedem a inclusão dos serviços de busca no PL das Fake News e defendem a remuneração de conteúdos jornalísticos pelas plataformas, junto com maior transparência no financiamento de publicidade na internet. 

Cinco anos depois da maior tragédia ambiental do país, que matou 19 pessoas em Mariana, ninguém foi punido Seca faz nível de rio baixar e revela ponte 'escondida' há mais de 40 anos no interior de SP Venda de vinhos dispara no Brasil durante a pandemia e produtores tentam segurar o novo consumidor

Leia TambémEntidades pedem a Maia apoio à valorização do jornalismo profissional e no combate às fake newsAs entidades afirmam que “a remuneração dos conteúdos jornalísticos se justifica não apenas pelo uso e monetização dos conteúdos sem a devida contrapartida, mas pela relevância desta atividade para o combate à desinformação e para a democracia”.

O Google questionou as proposições e, ainda em agosto,enviou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), uma cartacriticando a inclusão das ferramentas de busca no projeto de lei das Fake News e rebatendo  alegações de que seus serviços tenham prejudicado o trabalho das redações de jornalismo profissional. A organização afirmou, entre outros, que seu serviço de busca ajudava a trazer audiência para os veículos, e que isso poderia ser monetizado por eles.

Agora, o Google busca trazer dados para a discussão."A pesquisa do Google direciona cerca de 24 bilhões de cliques por mês para sites de notícia em todo o mundo”, diz texto publicado nesta quinta pela organização. Apesar disso, segundo o documento, o valor gerado com a publicidade que é exibida acima dos resultados de notícias na ferramenta de busca é pequeno em relação ao total, uma vez que a maior parte da receita de anúncios na busca viria das pesquisas com intenção de compra, e não das pesquisas por notícia. 

A empresa diz ainda que, por meio de suas plataformas de propaganda - como o AdSense -, o Google distribui publicidade que é exibida nos próprios sites de notícia, que, segundo o comunicado, ficam com a maior parte das receitas geradas por esses anúncios."Em 2019, os veículos de mídia ficaram, em média, com 69% da receita gerada pela publicidade adquirida por anunciantes usando as nossas plataformas, como Google Ads e Display & Video 360", diz o texto.

O sistema do buscador, diz a nota, elenca os resultados de acordo com a relevância das páginas, e não por “parcerias comerciais”. Os anúncios vendidos, por exemplo, são devidamente identificados e ligados apenas ao termo pesquisado, além de não garantirem melhores posições nas buscas orgânicas. Este é, segundo a empresa, um dos motivos pelos quais não pagam pelos cliques em links: “Operar de qualquer outra forma promoveria um tratamento desigual, incompatível com a natureza da Busca, e reduziria o poder de escolha e a relevância para nossos usuários."

Presidente da Associação Nacional de Jornais (),Marcelo Rechquestiona este argumento. Segundo ele, os mecanismos pelos quais se daria a remuneração do conteúdo jornalístico ainda não estão definidos, mas eles não devem seguir o critério de audiência. “Não se trata só de uma questão de direitos de autor nem de uso de link pelas plataformas, é muito mais do que isso”, diz ele. 

Tsunamis no Ártico: a mais nova e perigosa ameaça das mudanças climáticas EUA registram 91 mil casos de coronavírus em 24 horas, maior número diário desde início da pandemia Brasil terá vacina contra Covid-19 no 1º semestre de 2021, estima diretor-presidente da Anvisa

Rech cita como exemplo positivo o caso da República Checa, onde, segundo ele, “não é a (remuneração sobre a) audiência dos veículos de comunicação que está em discussão, é uma porcentagem do faturamento das plataformas”. 

“Os veículos devem ser remunerados por relevância social, e não por audiência”, defende Rech, que destaca o papel do jornalismo profissional na democracia. “Quando as plataformas levam seus produtos para o mercado, um efeito colateral é a difusão da desinformação e a ampliação de discursos de ódio. Quem tem a técnica para fazer o saneamento dessa poluição social é o jornalismo profissional.”

InvestimentoO Google diz ainda que está “investindo milhões de reais para apoiar o jornalismo e os veículos brasileiros”, citando a cifra de R$ 17 milhões destinados a um fundo emergencial para manter mais de 400 veículos brasileiros afetados pela pandemia. Outro ponto levantado pela empresa diz respeito ao novo programa de licenciamento que pagará por conteúdo jornalístico de diversos veículos no Brasil - entre eles, o Estadão - e resultará em uma “nova experiência de notícias”. 

Para Marcelo Rech, as iniciativas como esta são bem-vindas, mas ainda “limitadas”."O Google tem feito uma série de iniciativas em favor do jornalismo, que são meritórias e bem-vindas, mas são uma gota no oceano do efeito colateral produzido pelas plataformas.”

Consulte Mais informação: Estadão »

O mistério das praias intocadas da Rússia que ficaram tóxicas de repente - BBC News Brasil

No fim de setembro, surgiram relatos de uma estranha doença na costa de Kamchatka, paraíso de surfistas no extremo leste da Rússia; mas a causa ainda é um mistério.

Politica mais olha ja jornalistas querendo mamata no Google kkkkkk espero que o Google simplesmente excluar vcs jornalistas do motor de buscar deles e que não faça mais negocios com vcs kkkk a audiencia de vcs vai despencar sem o google kkkkkkkkkkkkk

Dicionário parceiro do Google muda definições de 'patroa' e 'mulher solteira' - Emais - EstadãoDepois das publicações de Anitta e Luísa Sonza sobre os significados, empresa de buscas informou: 'não refletem mais o uso moderno da língua portuguesa falada pelos brasileiros' Emais_Estadao agora vai Emais_Estadao quero saber qnd a Luiza sonza vai pesquisar a definição de responsabilidade afetiva 😂 Emais_Estadao Como se isso fosse mudar algo no mundo,vivem de mostrar a bunda

Tire dúvidas sobre a volta às aulas na cidade de São Paulo - Educação - EstadãoEstadaoEdu Quando as escolas reabrem? Preciso mandar meu filho? Tire dúvidas sobre a volta às aulas na cidade de São Paulo

Bruno Covas: “Padre Lancelotti é incômodo necessário para a prefeitura não perder o foco”Entrevista | “Não fazia sentido escolher uma mulher só por ser mulher', afirmou Bruno Covas quando questionado sobre o fato de sua chapa ser uma das poucas com um homem no posto de vice. Por gil_alessi e Marcelo Cabral gil_alessi zzzzzzzzz gil_alessi Tá errado? gil_alessi Isso é ser tucano, tenho asco a todos políticos do atual e antigo PSDB, imenso incômodo é ter de aturar um bosta desses falando essas asneiras! Tucano bom, seria tucano preso, mas....

Lago de jacaré e gasolina a R$ 10: os bastidores da reportagem que revelou o Pantanal em chamas - Sustentabilidade - EstadãoLago de jacaré e gasolina a R$ 10: os bastidores da reportagem que revelou o Pantanal em chamas é difícil explicar pra uma pessoa que pra aumentar a produção não é preciso aumentar o tamanho das terras? eu acho que não Triste realidade pantaneira. Uma escolha muito difícil ...

Fifa prevê perdas de R$ 74 bilhões com pandemia e tem plano de ajuda a federações - Esportes - EstadãoSegundo a entidade, 150 dos 211 membros acionaram o projeto de apoio por causa do novo coronavírus Esporte E estão chutando por baixo ainda Esporte Deviam ajudar a população, esses cartolas bandidos. Esporte Galvão?

Tereza Cristina será a entrevistada desta quinta em série sobre retomada econômica - Economia - EstadãoMinistra da Agricultura falará sobre os desafios do setor em meio à pandemia e sobre as turbulências provocadas pela alta nos preços de alimentos; série é uma parceria com a Tendências Consultoria A rainha do agrotóxico Em outros tempos vocês estariam fazendo séries sobre 'conjunto da obra' Essa senhora é outra cuja incompetência parece estar se pronunciando. A crise do arroz, ovos, carne e outras que virão deveriam ser previstas e contornadas por ela. Para que serve afinal um ministro da agricultura ? Defender negócios especulativos e altamente lucrativos ?