Golpe do motoboy cresce na pandemia e usa até música que imita call center - Brasil - Estadão

Golpe do motoboy cresce na pandemia e usa até música que imita call center:

18/09/2021 14:00:00

Golpe do motoboy cresce na pandemia e usa até música que imita call center:

Só neste mês, foram deflagradas ações que prenderam integrantes de quadrilhas especializadas no crime do 'cartão clonado' em São Paulo e no Distrito Federal

golpe do motoboycrime que envolve a chamada engenharia socialpara ludibriar principalmente idosos a passarem dados pessoais e entregarem cartões bancários para supostas averiguações das instituições em que têm conta. Para criar senso de urgência, quadrilhas especializadas, que contam com informações prévias das vítimas e usam até efeitos sonoros das

Pacheco é ‘lançado’ à Presidência em jantar festivo na casa de Ibaneis Rocha - Política - Estadão Bolsonaro sanciona lei que proíbe eliminação de cães e gatos por órgãos públicos, diz Planalto Quase 50 cachorros de raça, como akita e spitz alemão, são resgatados de canil clandestino e sob maus-tratos em SC; VÍDEO

, dizem que os cartões foram clonados.Leia TambémGolpe do motoboy cresce na pandemia e usa até call center com música de esperaAo receberem essa informação, as vítimas costumam entrar em desespero e acabam passando dados sensíveis, como senhas de contas bancárias para que o bloqueio seja feito o mais rápido possível. Além disso, mesmo quem desconfia e tenta ligar para o número da central de atendimento do banco está sujeito a ser enganado, já que as quadrilhas usam softwares para reter as ligações. Especialistas ouvidos pelo

Estadãodão algumas dicas de como se prevenir do crime, e até de como agir ao se tornar uma vítima:Ative serviços de notificação disponibilizados pelos bancosO delegado de Polícia da 1ª Seccional deSão Paulo headtopics.com

, Roberto Monteiro, destaca que um primeiro ponto para se precaver é ativar serviços de notificação, que costumam ser notificados pelos bancos. Assim, o cliente pode receber informações por mensagem de possíveis transações, o que permite tomar atitudes mais pertinentes e acionar o banco até de forma proativa caso algo atípico seja observado.

Ao receber uma ligação suspeita, fique na defensivaAinda segundo o delegado, ao receber uma ligação de número desconhecido, é fundamental ficar na defensiva, principalmente se o assunto envolver movimentações bancárias. “Quando você é o sujeito passivo dessa comunicação, ou seja, quando o banco te liga, o que não é normal, o cuidado tem de ser redobrado”, diz o delegado. Ele reforça ainda a importância de não clicar em links suspeitos que possam ser recebidos e de não informar senha, e-mail ou outros dados pessoais.

Tome cuidado para não complementar dados apontados pela quadrilhaOutro aspecto é que, ao ligar para aplicar o golpe, as quadrilhas costumam já ter alguns dados pessoais das vítimas nas quais tentam aplicar o golpe, até para desenvolver uma narrativa pertinente. É importante lembrar, nesse contexto, que o fato de essas informações serem passadas não garante a credibilidade do interlocutor. Além de que, mesmo que determinados dados estejam de posse de terceiros, as abordagens são feitas para obter informações adicionais que permitam a aplicação do golpe. Então, deve-se tomar cuidado para não passar ainda mais detalhes, como o código de segurança do cartão de crédito, por exemplo, que permitiria a aplicação dos golpes.

Não 'baixe a guarda' mesmo após a ligaçãoPara se certificar de que não há nada errado com a conta bancária após ter recebido uma chamada suspeita, o recomendado é não entrar em contato com a central de atendimento do banco por meio do mesmo telefone. Isso porque quadrilhas especializadas em aplicar o golpe do motoboy costumam utilizar um software de central de atendimento que se chama URA, capaz de reter a linha após um primeiro atendimento.  headtopics.com

Bolsonaro acusado de crimes contra humanidade é destaque na imprensa estrangeira - BBC News Brasil Israel detecta mutação da variante delta do coronavírus 'Verdades secretas 2' estreia nesta quarta no Globoplay; conheça a trama e novos personagens

Dessa forma, ao desligar o telefone e tentar ligar para um número oficial do banco, a vítima pode ser desviada para a mesma linha que estava anteriormente, não desconfiando que continua como alvo do golpe. Em resumo, não é recomendado que possíveis alvos “baixem a guarda” mesmo quando estiverem ligando de forma proativa aos bancos.

Evite ligar para a central de atendimento por meio do celular pelo qual recebeu a ligaçãoRecomendações disponíveis em uma página do site da Caixa Econômica Federal que trata especificamente do golpe do motoboy apontam que, ao desconfiar de uma ligação, deve-se desligar o telefone e retornar para o banco “ligando de outro número de telefone ou preferencialmente 5 minutos após a ligação suspeita”. Isso evita que a ligação fique retida pela quadrilha, que, em tese, consegue fazer isso por no máximo alguns minutos. As mesmas recomendações são dadas por vídeo sobre o golpe do motoboy feito pelo Banco Central.

Na dúvida, peça ajuda a pessoas de confiançaAo desconfiar que se é alvo de um golpe, mas ainda assistir persistir com dúvidas de como agir, uma dica é procurar ajuda, principalmente de pessoas de confiança e que tenham mais familiaridade com tecnologia. Às vezes, a visão de alguém que está de fora da situação e, por conta disso, menos aflita com os ataques da quadrilha, pode auxiliar a se proteger da situação.

Não deixe de informar a situação ao seu bancoMesmo que a abordagem não tenha evoluído para um golpe, o recomendado é informar o ocorrido ao banco para que a instituição possa realizar possíveis checagens de vazamento de dados e, a depender, solicite um novo cartão, provendo mais segurança. headtopics.com

Lembre-se que efeitos sonoros e outros detalhes não garantem credibilidadeFontes ouvidas peloEstadãoapontaram que quadrilhas que aplicam o golpe do motoboy se especializaram em emular efeitos sonoros, músicas de espera de diferentes bancos e criar roteiros elaborados. Segundo o delegado Jacques Alberto Ejzenbaum, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), um exemplo é que as quadrilhas costumam citar detalhes como o nome da loja onde as supostas transações com o cartão clonada foram feitas, o que tem o objetivo de tornar a situação mais crível. Em meio a isso, é fundamental lembrar que recursos do tipo não asseguram credibilidade.

Não entregue cartões, mesmo que danificadosComo a solicitação de cartões não é um procedimento padrão de instituições financeiras, não ​é recomendado entregar cartões de banco a terceiros, mesmo que eles estejam picotados. Em alguns casos do golpe do motoboy, é comum que as quadrilhas solicitem que as vítimas danifiquem os cartões previamente e mantenham apenas o chip preservado para entregar ao motoboy, o que passa uma falsa sensação de segurança. Ainda assim, por conta de os criminosos já terem os dados necessários das vítimas para fazer as transações, eles conseguem, por meio apenas do chip, realizar as transações.

Guedes afirma que governo usará R$ 30 bi fora do teto para Auxílio Brasil STF determina que pessoas pobres não devem arcar com honorários caso percam ações trabalhistas STF decide que pobre não tem de pagar advogado se perder ação trabalhista

Se for necessário descartar um cartão, corte todas as partes deleDe acordo com o delegado Roberto Monteiro, ao precisar descartar um cartão, o ideal é recortar todas as partes dele, incluindo o chip. Além disso, se possível, deve-se descartar as partes do cartão em lixeiras diferentes, impedindo que os objetos possam ser encontrados em conjunto. Isso evita que informações sensíveis sejam passadas a terceiros.

Não fale ou digite senhas a terceirosQuando não há segurança sobre quem é o emissor, uma indicação é não falar ou digitar senhas. Dados sensíveis só devem ser informados quando isso for expressamente indicado pelos bancos dos quais se é cliente ou, mais especificamente, pelos gerentes e atendentes pelos quais se tem confiança.

Caso seja vítima do golpe, faça um boletim de ocorrênciaAo se perceber vítima ou alvo do golpe do motoboy, é fundamental fazer um boletim de ocorrência para que a polícia possa conduzir as investigações. Isso permite combater o crime de forma pontual e dá fomento aos agentes para, com base nas informações disponíveis, desmantelar quadrilhas especializadas. De acordo com o delegado-chefe da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) da Polícia Civil do

, Adriano Valente, parte das vítimas nem sequer registra boletins de ocorrência, o que acaba dificultando o combate às quadrilhas.Entre em contato com o banco o mais rápido possívelSe entrar em contato com o banco já era importante mesmo sem ter caído no golpe, uma vez que foi enganada pela quadrilha, a vítima deve entrar acionar o banco o mais rápido possível para solicitar o cancelamento do cartão. Em posse do boletim de ocorrência, além disso, pode-se abrir procedimento para buscar ressarcimento dos valores. Em nota, a Febraban (

Federação Brasileira de Bancos) informou que “cada instituição financeira tem sua própria política de análise e devolução”, considerando as evidências apresentadas pelos clientes e informações das transações realizadas. A depender dos casos, pode haver ressarcimento. Não havendo, há outras alternativas.

Se necessário, acione o Procon que atende seu municípioCoordenador do Procon da Assembleia Legislativa deinas Gerais(ALMG), Marcelo Barbosa explica que é importante informar a situação ao Procon do município em que o golpe do motoboy ocorreu, principalmente em casos em que as agências bancárias ficam na defensiva. Segundo ele, alguns acordos podem ser feitos nesse estágio, permitindo diminuir o prejuízo das vítimas. Se não funcionar, ainda há a possibilidade da vítima entrar com uma ação na Justiça.

Como última alternativa, considere entrar na JustiçaAssim comocasos de crimes envolvendo o Pix, os bancos costumam se defender com base na súmula 479, que foi adotada em 2012 pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e indica que “as instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias”. 

Em tese, isso significa que os bancos acabam arcando com o prejuízo em casos de invasão de hackers e fraude nos sistemas, por exemplo. Ao passo que quando a vítima disponibiliza a senha, há o que se chama de “fortuito externo”, que são elementos que fogem das margens de controle que as instituições financeiras. Ainda assim, há outros fatores em jogo que podem terminar que a vítima vença a ação, mesmo se tiver passado a senha voluntariamente. 

A depender dos casos, por exemplo, as vítimas só são convencidas a comunicar as informações confidenciais porque os golpistas já tinham alguns de seus dados bancários, passando uma falsa credibilidade. Com isso, advogados de defesa costumam se valer do artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor, que diz que a não proteção dos dados dos consumidores pode ser considerada uma falha na prestação do serviço.

“De onde vieram esses dados? O golpista recebeu de quem?”, questiona o coordenador do Procon da ALMG, Marcelo Barbosa. Segundo ele, mesmo com desfechos variáveis, a jurisprudência em Minas Gerais parece ser favorável às vítimas por conta do vazamento de informações. Em São Paulo, também já houve decisões a favor de clientes. Assim como no Distrito Federal, local em que, segundo o delegado Adriano Valente, o juizado especial teve o entendimento de que os bancos são responsáveis pelo golpe do motoboy. Em meio a isso, ainda que as jurisprudências possam variar de acordo com as regiões do País, entrar na Justiça para tentar ressarcimento não deve ser uma opção descartada.

Consulte Mais informação: Estadão »

O Assunto #561: Aula presencial - hora de reverter a evasão

A partir desta segunda-feira (18), os alunos das redes estaduais de São Paulo, Bahia e Mato Grosso voltam às aulas 100% in loco - além deles, mais 11 Estados optaram pelo presencial. Urgência no retorno às escolas é para garantir acesso a mais de 5 milhões de estudantes privados à educação durante a pandemia.

Enquanto um pequeno percentual dos vagabundos for preso e, desse pequeno percentual, a maioria não permanecer presa por muito tempo, o crime prosperará !! CNJ_oficial PCERJ Policia_Civil MP_RJ DPGE_RJ JusticaGovBR Defensoriasp OGlobo_Rio GOOGLE BOY DA SOFRÊNCIA BANCÁRIA Golpe do motoboy: confira dicas de como se prevenir do crime

Brasil 🇧🇷 o país dos golpes, país da injustiça XeuleBot Como funciona ?

'Perdi R$ 3,6 milhões em golpe com bitcoin' - BBC News BrasilEmbora dirigisse seu próprio negócio e tivesse diploma universitário em computação, Naveed Saghir foi persuadido por golpistas a entregar seu dinheiro a eles. alguém mais esperto ganhou! os gulosos sempre acabam tendo diarreia.

Governo federal erra e Brasil deve se reposicionar no debate ambiental, diz Roberto Waack - Sustentabilidade - EstadãoBiólogo e presidente do conselho do Instituto Arapyaú defende diálogo entre sociedade, governos e empresas para buscar soluções conjuntas a fim de conter desastres ambientais

Brasil tem 36,47% da população completamente imunizada contra o coronavírus - Saúde - EstadãoTotal de brasileiros que receberam as duas doses ou imunizante de aplicação única chegou a 77,7 milhões nesta quinta-feira Lentidão dapoha... Itália 83% Com o Haddad já teria 80%! Escolha difícil né ?

Fitness+: saiba tudo sobre a plataforma de exercícios da Apple que chega ao Brasil - Link - EstadãoAplicativo de exercícios e meditação da empresa inclui 11 atividades e playlists de podcasts e músicas feitas por famosos

Milicianos incendeiam vans em guerra na zona oeste do Rio - Brasil - EstadãoCom a morte de Ecko, bando rachou e disputa à bala o transporte  na região; ônibus desviam dos seus itinerários 'Uma Milícia muito difícil' ForaBolsonaro O time do presidente ganhou ou perdeu? Jajá chega algum funcional falando do Bolsonaro

Briga pelo Cristo Redentor entre Igreja Católica e governo federal vira caso de polícia - Brasil - EstadãoArquidiocese do Rio, que cuida do monumento, acusa ICMBio de barrar acesso de forma ilegal; motivo do órgão federal seria segurança e conservação HistoriaLuiza Já manda pra CPI os supostos contratos de segurança e conservação, com certeza tem irregularidades, se pudermos julgar por todo o resto que já vimos desse desgoverno. Ou é realmente 'só' um caso de intolerância, como milhões de outros motivados pelo mito. Onde entra o governo federal dá m.! Incrível! Alguns órgãos federais estão contaminados por Boçalnaríase! Um mal que os impede de pensar de maneira inteligente.