É falso que mortalidade por covid na Suíça tenha aumentado após restrição a hidroxicloroquina

Alegação foi feita por site francês com base em post de redes sociais, mas dados oficiais mostram o contrário

15/05/2021 02:00:00

estadaoverifica É falso que mortalidade por covid na Suíça tenha aumentado após restrição a hidroxicloroquina

Alegação foi feita por site francês com base em post de redes sociais, mas dados oficiais mostram o contrário

, referência no acompanhamento da pandemia no mundo.Os dois bancos de dados possuem números diferentes, mas nenhum dos dois aponta que a taxa de letalidade suíça atingiu as marcas sugeridas por Naomi nem apresentou o aumento citado. Segundo

Lázaro Barbosa fugiu pelo teto da cela da cadeia de Águas Lindas de Goiás e foi o único a não ser recapturado, em 2018 Copa América: 10 trabalhadores do Mané Garrincha e 3 funcionários de hotéis testam positivo para Covid em Brasília Lula diz que vai acabar com teto de gastos | Radar Econômico

dados do Escritório Federal de Saúde Pública da Suíça, a taxa de letalidade variou entre 5,54% e 5,58% no período. Utilizando-se os dados disponibilizados pela universidade Johns Hopkins, o índice variou de 6,15% a 6,24%.

Olhando-se os gráficos do órgão de saúde suíço, é possível ver que o país europeu chegou a ter uma média móvel de 55 mortes por dia no começo de abril de 2020. Esse número ficou em queda constante até atingir 0 mortes no último dia de maio. Esta média móvel se manteve estável e abaixo de 1 até o final de agosto. headtopics.com

Dados oficiais do governo suíço mostram que novos óbitos por covid-19 se mantiveram estáveis em níveis baixos de junho a setembro de 2020. Foto: FOPH/ReproduçãoOu seja, no período citado por Naomi, a Suíça registrava zero morte por dia e se manteve em níveis baixos posteriormente. A mesma tendência é observada nos dados da universidade Johns Hopkins.

Dados da universidade Johns Hopkins mostra que novos óbitos por covid-19 se mantiveram estáveis em níveis baixos de junho a setembro de 2020. Foto: FOPH/ReproduçãoSobre a diferença entre os números suíços e os da Universidade Johns Hopkins, o órgão de saúde federal disse que contabiliza os casos de morte confirmadas em laboratório registrados pelas 26 regiões administrativas do país. Tentamos contato com a universidade norte-americana, mas não obtivemos resposta até a publicação desta checagem.

O texto original no France SoirO France Soir foi um jornal francês de destaque nos anos 1950, mas perdeu tamanho e hoje existe apenas em forma de site. Com a pandemia, sua versão digital ganhou destaque ao dar voz a conteúdos negacionistas e anti-vacina. Em

ao jornal francêsLe Monde, o diretor do site se disse satisfeito por “publicar textos que vão contra o pensamento generalista”.Em 13 de julho, o site publicou um texto com o título “Covid-19: a hidroxicloroquina funciona, uma prova sólida?” Ele cita um dado postado em redes sociais que faz uma comparação entre o número de óbitos e o número de casos recuperados. Este índice, chamado de “taxa de letalidade sobre novos casos recuperados”, foi cunhado pelo próprio internauta e não é utilizado por nenhum órgão de saúde pública. Os índices comumente utilizados são a taxa de letalidade e de mortalidade. headtopics.com

Oposição diz que 180 cidades preparam protestos pelo ‘Fora Bolsonaro’ | Radar Rio: Polícia prende suspeito branco por furto bicicleta no Leblon Globo antecipa saída de Faustão e Tiago Leifert assume tardes de domingo - Emais - Estadão

Segundo este usuário de redes sociais, este índice seria de cerca de 3% quando a Suíça permitia o uso de hidroxicloroquina e teria subido para mais de 10% no período de “banimento” do medicamento. O internauta afirma usar os dados da Universidade Johns Hopkins, que não mede o índice.

Hidroxicloroquina é ineficaz contra a covid-19 Consulte Mais informação: Estadão »

G1 Ouviu #144 - Pop-punk: como a mistura de guitarras com refrões colantes volta às paradas

Podcast mostra como a união com o rap, a nostalgia no TikTok e o fenômeno Olivia Rodrigo revitalizaram o estilo. Lucas Silveira, da Fresno, dá a visão da geração 2000 sobre a turma de 2021.

estadaoverifica Quem acredita é muito burro mesmo se esse remédio fosse bom não tinha tantos mortos estadaoverifica Ainda tem imbecil que acredita nisso? estadaoverifica Só os crentes lunáticos acredita em cloroquina estadaoverifica Nem precisa desmentir. E só o gado que acredita nessas burrices. E pra eles não adianta desmentir mesmo.