'Desemprego alto não possibilita repasses instantâneos' - Economia - Estadão

@EstadaoEconomia 'Desemprego alto não possibilita repasses instantâneos'

10/10/2019 10:30:00

EstadaoEconomia 'Desemprego alto não possibilita repasses instantâneos'

Para economista do Ibre, deflação é pontual, mas inflação continuará baixa nos próximos meses devido à debilidade econômica

09 de outubro de 2019 | 18h26Adeflação de setembroé pontual e não indica um enfraquecimento mais grave da economia brasileira, segundo o economista André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV). “Não há expectativa de novas quedas, mas de que a inflação continue baixa.”

Polícia conclui inquérito contra ex-BBB Felipe Prior sem indiciamento e família comemora: 'Verdade sempre vai prevalecer' Gabo, a biblioteca de um viajante Cachorro morre trancado em porta-malas de carro enquanto dono fazia compras em mercado em MT

LEIA TAMBÉMFocus reduz expectativa de inflação e mantém previsão de Selic a 5%Segundo ele, a inflação na casa dos 3%  reflete a economia lenta e com alto nível de desemprego, um cenário que não permite nem o repasse da alta do dólar. “O repasse  fica limitado pela questão da demanda (baixa), desemprego alto não possibilita repasses instantâneos.” A seguir, trechos da entrevista.

A deflação é pontual ou há uma tendência?É pontual. Os números estão baixos, mas, estatisticamente, nem negativo foi (em setembro). Se a gente considerar esse número (0,04%) com uma casa decimal, seria zero. É um número muito baixo influenciado por alimentos in natura. A deflação está concentrada em produtos cuja oferta é forte. Produtos que não toleram estoque e que, se a quantidade (ofertada) é maior do que a demandada, há uma queda no preço. O perigo da deflação é quando há um processo persistente e generalizado em vários outros produtos importantes, como serviços médicos, bens duráveis e alimentos industrializados. Aí é um processo revelando uma economia muito mais enfraquecida. Agora, não há expectativa de novas quedas, mas de que a inflação continue baixa. Há mecanismos em curso para fazer com que a economia se aqueça. O Banco Central tem reduzindo a Selic (a taxa básica de juros) gradualmente. Tem movimentos na economia que podem fazer com que ela se recupere mais rapidamente, mas é um cenário mais para 2020. Uma parte dessa inflação baixa também está relacionada ao nível de desemprego. Quando a economia está crescendo pouco – a previsão de PIB para este ano é 0,8% –, com um nível de desemprego de 11%, não há chance de alta de preço de outros produtos, como bens duráveis.

Já tivemos casos de deflação no ano passado. Esses episódios não costumavam se repetir...Tivemos deflação em agosto do ano passado, de 0,09%, e em novembro, de 0,21%. Também foram pontuais. Às vezes a deflação acontece, por exemplo, quando se muda a bandeira vermelha na energia para verde. Como a queda no preço é nacional e em cima de uma despesa importante no orçamento, acaba levando a inflação para um patamar negativo, mas é um efeito transitório, não generalizado. No caso de agora, a causa é uma queda no preço de alimentos in natura. Eles subiram muito no primeiro semestre, com problemas de oferta. Como os últimos meses têm sido de clima mais favorável à oferta desses alimentos, isso tem permitido quedas nos preços. Como já estamos na primavera, o desafio climático é maior para esses produtos, que passarão de mocinhos para bandidos rapidamente.

O dólar tem se desvalorizado e, mesmo assim, temos deflação. O que acontece que os preços não estão sob pressão?O repasse é gradual. Essa desvalorização aconteceu há pouco tempo. Ela chega primeiro ao consumidor encarecendo derivados de grandes commodities agrícolas, como milho, soja e trigo. O trigo contamina toda a família de pães. A soja é basicamente ração animal, então frango e suíno costumam subir de preço. Assim, quanto mais tempo a taxa de câmbio continuar nesse patamar, maior a probabilidade de contaminar alguns preços. Sem contar a gasolina. A Petrobrás também movimenta o preço da gasolina tanto pela variação cambial como pelo preço do petróleo. Mas existem outras questões que diminuem a possibilidade de repasse cambial. Você pode ter uma desvalorização cambial afetando commodities, mas, por outro lado, safras boas favorecendo a queda do preço desses grãos em bolsas internacionais.

Mas esse é o caso agora?É o caso para milho e trigo, mas não para a soja, que teve um probleminha de expectativa de safra ruim nos Estados Unidos. O repasse cambial fica também limitado pela questão da demanda, desemprego alto não possibilita repasses instantâneos. Tudo é mais lento. Mas, se a taxa de câmbio continuar nesse patamar por muito tempo, com certeza vai haver algum repasse.

A deflação é pontual, mas, mesmo assim, a inflação está abaixo da meta de 4,25% para 2019. O Banco Central demorou para reduzir a taxa de juros?Não. Mexeu na hora certa. A inflação não está abaixo do intervalo da meta (2,75% a 5,75%). Ela vai se recuperar a partir de novembro e a taxa de 12 meses vai avançar. Devemos encerrar o ano com uma inflação de 3,3%. Uma inflação baixa, sim, que reflete o PIB de 0,8% aguardado para o ano e uma economia com desemprego ainda elevado. O ideal é que estivéssemos terminando o ano com a inflação mais na meta, o que provavelmente indicaria um nível de desemprego menor e um PIB maior.

O dia seguinte da explosão em Beirute; FOTOS Oxford: Maioria dos voluntários recebeu a vacina, sem efeitos colaterais graves Médico que atendeu adolescente que morreu com tiro acidental em Cuiabá diz à polícia que não viu arma: 'Algo muito estranho aconteceu' Consulte Mais informação: Estadão »

Economia Pior q Inflação, é a DESINFLAÇÃO! Economia poderia me falar onde é o supermercado dessa imagem ?

Deflação de setembro no país reflete economia lenta e desemprego altoÍndice que mede a inflação oficial brasileira foi negativo em 0,04% no mês passado e mostra lentidão na retomada econômica, segundo especialistas Como destorcem! O desemprego vem caindo e a economia recuperando... Desemprego caindo, economia subindo e Veja falindo!! Desculpa bolsominions não vai haver dinheiro para ir para Disney kkkkkk

Senado aprova PEC dos precatórios, mas mantém prazo de dívidas alimentícias - Economia - EstadãoAs mudanças feitas no plenário, devem diminuir o alívio financeiro a Estados de R$ 7 bilhões para R$ 3,8 bilhões por ano Se fosse o contrário, o 'bandido' e 'vagabundo' do empresário iria preso A aprovação de Emendas que aliviam dívidas, criadas pelos mesmos parlamentares que outrora as criaram, é o mesmo que hipotecar apoio a todos os caloteiros.

'Crescimento global deve ser o menor da década', diz nova chefe do FMI - Economia - EstadãoEm seu primeiro discurso no cargo, Kristalina Georgieva afirmou que perto de 90% do PIB mundial deve desacelerar em 2019 e destacou que 'todos perdem com uma guerra comercial' Economia Eu quero que o FMI exploda. Lixo capitalista que mantem os países pobres em seu lugar de miséria. Vai cair FMI e vai cair BIS. Bancos mandam no mundo enquanto o povo morre pela opressão e pela fome.

Senadores americanos pedem ao governo dos EUA investigação sobre a JBS - Economia - EstadãoCarta enviada ao secretário do Tesouro cita ilícitos da empresa brasileira no Brasil e relação com o governo de Nicolás Maduro, na Venezuela Economia Ihhhhh..... E agora, LulaOficial ? Economia Vão achar merda atrás de merda? Economia Agora o chicote estrala.

Congresso quer ampliar emendas obrigatórias - Economia - EstadãoRelator da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020, Cacá Leão (PP-BA), inclui brecha que pode engessar ainda mais o Orçamento da União Politica A classe política podre quer destruir o país. INÚTEIS. Politica Congresso área de CORRUPTOS. Politica Os bandidos do Congresso querem engessar o Bolsonaro e vão acabar engessando os outros presidentes. Logo o Brasil será inviável. Graças a este Congresso do crime, comandado por criminosos.

Caixa reduz juros do financiamento imobiliário para até 7,5% - Economia - EstadãoNovas taxas passam a valer no dia 14 de outubro; seguindo a Selic, a taxa básica de juros, que está em seu nível mais baixo, bancos privados também anunciaram recentemente cortes nos juros para compra de imóvel