Caixa prepara mudanças na alta cúpula, de olho em IPOs de seguros e cartões

A Caixa Econômica Federal prepara uma reestruturação na alta cúpula, a primeira na gestão de Pedro

20.1.2020

Caixa prepara mudanças na alta cúpula, de olho em IPOs de seguros e cartões (via EstadaoEconomia)

A Caixa Econômica Federal prepara uma reestruturação na alta cúpula, a primeira na gestão de Pedro

Guimarães, escolhido para presidir o banco público no governo de Jair Bolsonaro, apurou o Broadcast com três fontes na condição de anonimato. A dança das cadeiras, que depende da aprovação do Conselho de Administração, tem como objetivo reforçar o time para as aberturas de capital dos negócios de seguros e cartões, esperadas para este ano, e soa como uma avaliação de desempenho dos executivos nomeados para as 12 vice-presidências da instituição. O anúncio das mexidas é esperado para os próximos dias. Amanhã, dia 20, o Conselho de Administração da Caixa tem um encontro marcado, de acordo com fontes. A expectativa é de que as mudanças na alta cúpula do banco sejam debatidas nesta reunião e que, posteriormente, o anúncio o novo clã do banco público seja feito. Uma das principais mudanças, apurou o Broadcast , será na Caixa Seguridade, que concentra os negócios de seguros da instituição. Depois de capitanear a negociação das joint ventures com futuros sócios no segmento, o presidente da holding, Marco Barros, deve assumir o comando do Conselho de Administração da companhia. Deixará, assim, o dia a dia e passará a atuar como consultor por conta da experiência que acumulou no cargo. Vindo da Brasilprev, empresa de previdência privada do Banco do Brasil, ele foi trazido para Caixa pelas mãos de Guimarães justamente por ter atuado na reorganização do negócio de seguros do BB. A ida de Barros para o Conselho teria sido, de acordo com fontes, acertada entre o próprio executivo e o banco após o trabalho de negociação das joint ventures ter sido concluído. Para seu lugar, foi escolhido o até então vice-presidente de atacado da Caixa, Eduardo Dacache. Braço direito de Guimarães, ele foi selecionado após o trabalho que fez na área, que capitaneou a venda de ativos do banco, e é tido como um dos mais qualificados para tocar a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de seguros. A abertura de capital da Caixa Seguridade é a primeira na história do banco público e também no governo Bolsonaro. Portanto, há um esforço pessoal de Pedro Guimarães, que construiu sua carreira em bancos de investimento, para que a operação seja bem-sucedida. A operação é esperada para movimentar R$ 15 bilhões, creditando à Caixa Seguridade um valor de mercado de até R$ 60 bilhões na bolsa. Além do tamanho, a abertura de capital do negócio de seguros servirá de espelho para as demais, que incluem ainda as operações de cartões, lotéricas e gestão de recursos. Ao menos dois desses IPOs eram esperados para 2019, mas o processo de preparação da Caixa para listar seus ativos atrasou em meio à aprovação junto a órgãos de fiscalização e controle. Agora, o mais provável, conforme fontes, é de que o banco público emplaque a abertura de capital de seguros em abril próximo e a de cartões em junho, sob o risco de ficar para o segundo semestre. Já as outras duas operações devem chegar na bolsa brasileira apenas no ano que vem. Com a ida de Dacache para a Caixa Seguridade, a vice-presidência de atacado do banco deve ficar vaga. O substituto deve ser escolhido por meio de um processo de seleção com headhunter, de seleção de executivos, em linha com as novas regras de governança adotadas pela atual gestão no intuito de coibir indicações políticas. Dentre os potenciais candidatos, um dos nomes mais comentados é o do atual vice-presidente de habitação da Caixa, Jair Mahl, por conta da sua experiência anterior neste segmento. Já para tocar o IPO da operação de cartões, o escolhido teria sido o vice-presidente de varejo do banco, Júlio Cesar Volpp Sierra. Nos moldes do movimento feito em seguros, a Caixa está reestruturando sua operação de meios de pagamentos eletrônicos para levá-la à bolsa. Até lá, contudo, o banco precisa selecionar os parceiros que vão ajudar a Caixa a reforçar a posição em cartões, processo este que conta com o apoio de um assessor financeiro. O banco público já teria selecionado um player para criar uma segunda bandeira de cartões e estaria perto de bater o martelo quanto a um sócio na área de adquirência, segmento que ficou popularmente conhecido como ‘maquininhas’. O vice-presidente de agente operador (do FGTS) da Caixa, Paulo Henrique Ângelo, também será reconhecido em meio às mudanças no banco, passando a responder pela área de distribuição. Ex-vice-presidente de riscos do banco, Ângelo ficou a frente de uma área que esteve nos holofotes no primeiro ano da gestão de Bolsonaro. Na esteira de um movimento já feito pelo ex-presidente Michel Temer, o governo estabeleceu novas regras para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com a ampliação do limite de saque e ainda da modalidade saque-aniversário, que entrou em vigor neste ano. Além disso, a gestão dos recursos FGTS, nas mãos da Caixa, também teve destaque. Para manter seu monopólio, o banco publicou aceitou cortar a taxa que cobra pela metade, de 1% para 0,5%. Com a redução, conforme cálculos do governo, a perda do banco público ficou em torno de R$ 2,5 bilhões por ano, que deve ser compensada com o corte de custos que a gestão atual tem feito e ainda o pagamento dos chamados instrumentos híbridos de capital e dívida (IHCD), emitidos durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff para apoiar a política de crédito adotada na época. O atual vice-presidente de distribuição da Caixa, Válter Gonçalves Nunes, por sua vez, deve assumir um lugar em uma empresa do conglomerado Caixa. As mudanças na Caixa não devem se restringir às vice-presidências, apurou o Broadcast . Também estão previstas, conforme fontes, alterações nas diretorias do banco e em suas respectivas subsidiárias como, por exemplo, áreas de cartões e seguros, que serão listadas na bolsa neste ano. Assim como o a vice-presidência de atacado, as demais vagas que ficarem abertas por conta da reestruturação da alta cúpula da Caixa devem ser preenchidas após processo de seleção. O movimento ocorre após o Banco do Brasil também ter anunciado, no fim do ano passado, uma mexida na diretoria executiva que culminou em uma troca de posições e ainda na extinção de duas vice-presidências com a integração de áreas que tinham sinergia. Procurada, a Caixa não se manifestou. Notícia publicada no Broadcast no dia 19/01/2020, às 14:11:00 Consulte Mais informação: Estadão

Economia A Caixa poderia ser uma poderosa arma na redução dos juros bancário no Brasil, mas prefere ser apenas mais um banco no mercado. Economia Mais uma fake?

Operação com Caixa Seguridade pode render R$ 15 bilhões - Economia - EstadãoExpectativa é listar a empresa na B3 com um valor entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões Economia Hahaha tá bastante parcial o rapaz

Irã afirma ter enviado caixa preta de avião derrubado para a UcrâniaPaís também concordou em receber especialistas de França e Estados Unidos Alguém acredita em barbudo com toalha na cabeça? Certeza que estarão inalteradas.

Governo prevê alta de até 4% na movimentação em portos públicos em 2020 - Economia - EstadãoMovimentação geral de cargas nos terminais aumentou apenas 1,1% ante 2018, com recuo em 21 dos 40 portos considerados Economia Muito bom. 😊🎶💕 STFVergonhaNacional Economia Se essa previsão foi feita igual à correção do Enem...

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações - Economia - EstadãoAfastado desde março de 2018, o ex-presidente Fabio Schvartsman contratou sua própria equipe de defesa; expectativa é de que possíveis denúncias criminais sejam apresentadas nos próximos dias Economia Esses assassinos da valenobrasil devem ser julgados e presos ... trabalhos forçados... sei lá! Cretinos ! Brumadinho Economia Sorte deles não serem petistas, ou estariam todos presos. Economia Foram 270 mortos em Brumadinho e ninguém foi preso. Não quero justificar um erro por outro, mas a cervejaria de BH está acabada (empresa pequena) e a Vale foram duas tragédias e está firme e forte... e aí

Dois tempos distintos: a análise do Botafogo na derrota para o EstrelaCom manhã de treinos e onze mudanças entre as etapas, equipe de Alberto Valentim esbarra em velhos erros em resultado negativo no jogo-treino realizado no China Park

Trump e Apple se preparam para batalha por desbloqueio de iPhones - Internacional - EstadãoEmpresa se prepara para uma disputa legal com o Departamento de Justiça para defender a criptografia dos seus iPhones mesmo em casos de atiradores em massa



Nunca um presidente foi tão vulgar com uma mulher. Espere o efeito bumerangue

Bolsonaro pode sofrer impeachment por xingar repórter, diz Miguel Reale Jr

Huck: Bolsonaro ultrapassou fronteira da decência com ofensa a repórter

‘Oito horas sem comer, só consegui tomar água’: o cadeirante que entrega comidas por aplicativos na avenida Paulista

'Tem mais assassinatos no Brasil por mês do que mortes por coronavírus no mundo', diz brasileiro que decidiu ficar na China

Huck: ‘As fronteiras da decência foram ultrapassadas hj’

Ataque de Bolsonaro a repórter é 'tentativa de calar mulheres e prejudicar imprensa', diz organização internacional

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

20 janeiro 2020, segunda-feira Notícia

Notícias anteriores

Entenda todas as alterações pela nova lei de trabalho temporário - CartaCapital

Próxima notícia

Caso Heloá: um mês após o crime, família não tem pistas do paradeiro do suspeito: 'Não pode ficar impune'
Morre o criador do 'copiar e colar' (o CTRL C, CTRL V) ‘Tô aqui desarmado e vou enfrentar’, avisou Cid antes de ser baleado | Radar A mando de Moro, PF avalia enquadrar Lula na Lei de Segurança Nacional por fala sobre Bolsonaro e milícia Petrobras registra lucro de R$ 40,1 bilhões — o mais alto da história Cratera com 5 metros de profundidade se abre em gramado do setor de embaixadas, em Brasília IML do RJ informa à Justiça que corpo do miliciano Adriano está apodrecendo 'Inaceitável a extrema violência com Cid Gomes', diz Camilo Santana - CartaCapital A paciente que tocou violino durante a própria cirurgia cerebral Eduardo Bolsonaro diz que Cid não teve ‘o mínimo de inteligência’; Ciro responde - Política - Estadão Policial militar da PB relata homofobia em rede social após usar fantasia em bloco Vovó alemã constrói rampas de Lego para combater falta de acessibilidade O que se sabe — e o que falta saber — sobre o caso de Adriano da Nóbrega, miliciano do Rio morto na Bahia
Nunca um presidente foi tão vulgar com uma mulher. Espere o efeito bumerangue Bolsonaro pode sofrer impeachment por xingar repórter, diz Miguel Reale Jr Huck: Bolsonaro ultrapassou fronteira da decência com ofensa a repórter ‘Oito horas sem comer, só consegui tomar água’: o cadeirante que entrega comidas por aplicativos na avenida Paulista 'Tem mais assassinatos no Brasil por mês do que mortes por coronavírus no mundo', diz brasileiro que decidiu ficar na China Huck: ‘As fronteiras da decência foram ultrapassadas hj’ Ataque de Bolsonaro a repórter é 'tentativa de calar mulheres e prejudicar imprensa', diz organização internacional Senador Cid Gomes tenta entrar em batalhão da polícia com retroescavadeira e é baleado com tiro de bala de borracha Quebra de decoro - Política - Estadão Lula é investigado a pedido de Moro com base na Lei de Segurança Nacional Homem mais rico do mundo, dono da Amazon doa US$ 10 bi para combater aquecimento global O que se sabe sobre tiros que atingiram senador Cid Gomes em protesto de PMs no Ceará