Madeira: Bloco de Esquerda acusa governo de direita de querer privatizar Segurança Social

Madeira: Bloco de Esquerda acusa governo de direita de querer privatizar Segurança Social

29/01/2022 05:58:00

Madeira: Bloco de Esquerda acusa governo de direita de querer privatizar Segurança Social

Luísa Santos refere que uma das questões que se coloca é o que vai acontecer à Segurança Social caso a direita vença as eleições de 30 de janeiro.

“A recuperação de rendimentos e a criação de emprego permitiu equilibrar o sistema previdencial da Segurança Social e a receita com as contribuições é hoje superior à despesa que temos com as pensões. A direita diz que não há dinheiro e que as nossas propostas são impossíveis. As pessoas repetem aquilo que ouvem, mas não dizem por mal, estão é mal informadas”, vincou.

Luísa Santos deu como exemplo que a proposta do Bloco de Esquerda para retirar os cortes do fator de sustentabilidade a quem se reformou entre 2014 e 1018, bem como o alargamento do acesso ao Complemento Solidário para Idosos (CSI), podem ser pagos com apenas um terço do imposto Mortágua, pago pelos proprietários de imóveis com um Valos Patrimonial Tributário elevado, representando uma receita de 500 milhões de euros para a Segurança Social.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Ultrapassados por bicicletas e trotinetes, buzinados no fim: fomos andar de carro a 30km/h com a vereadora de Lisboa que o propõe

CNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo. Consulte Mais informação >>

“António Costa parou no tempo” na Segurança SocialBagão Félix diz que 'Costa parou no tempo' por dizer que não se pode 'descaracterizar' a Segurança Social com a criação de um sistema misto. Propostas dos partidos 'são mais do mesmo'.

Segurança Social termina ano com excedente de 2.254 milhões de euros - SIC NotíciasSegurança Social termina ano com excedente de 2.254 milhões de euros

Segurança Social lança concurso para operacionalizar cartões de ajuda alimentar'Com este procedimento pretende-se dar o primeiro passo para a operacionalização do projeto piloto que pretende atribuir apoio alimentar a famílias carenciadas', indica o Ministério do Trabalho.

Segurança Social lança concurso para operacionalizar cartões de ajuda alimentarO concurso vai selecionar a empresa que vai ser associada ao cartão de ajuda alimentar, prevendo-se que este entre em funcionamento 'no quarto trimestre deste ano'. Os governos deste país só se especializaram em pôr os portugueses em fila com a taca de alumínio na mão... Como a Europa na 2a°guerra...uma sopinha por favor! Caras de pau!

CDS-PP quer ″complemento social de pensão″ para os idososFrancisco Rodrigues dos Santos lamentou que 'muitos idosos morrem ao frio porque não têm dinheiro para aquecer as suas casas'. Vocês todos políticos sabem disso, e aqueles q teem braseira tentam aquecer os ossos e ver nas notícias TODOS OS Dias, homem, mulher cai nas braseira e virá CHURRASCO'!

A dinâmica da vitória está do lado do PSD, mas tudo é possívelApesar da campanha errática, em que a descolagem da realidade foi evidente, António Costa pode beneficiar de algum voto útil da esquerda – nomeadamente de antigos votantes do Bloco de Esquerda.

A candidata do Bloco de Esquerda pelo círculo eleitoral da Madeira à Assembleia da República, Luísa Santos, acusou, esta sexta-feira, 28 de janeiro, que um governo de direita, liderado por Rui Rio, quer privatizar a Segurança Social. “A recuperação de rendimentos e a criação de emprego permitiu equilibrar o sistema previdencial da Segurança Social e a receita com as contribuições é hoje superior à despesa que temos com as pensões. A direita diz que não há dinheiro e que as nossas propostas são impossíveis. As pessoas repetem aquilo que ouvem, mas não dizem por mal, estão é mal informadas”, vincou. Luísa Santos deu como exemplo que a proposta do Bloco de Esquerda para retirar os cortes do fator de sustentabilidade a quem se reformou entre 2014 e 1018, bem como o alargamento do acesso ao Complemento Solidário para Idosos (CSI), podem ser pagos com apenas um terço do imposto Mortágua, pago pelos proprietários de imóveis com um Valos Patrimonial Tributário elevado, representando uma receita de 500 milhões de euros para a Segurança Social. “Infelizmente os madeirenses parecem querer um governo liderado pelo PSD de Rui Rio que, por acaso, no seu programa de governo não tem uma única linha sobre a Madeira. Ao contrário do programa do Bloco de Esquerda que é o que apresenta mais propostas para a Região”, destacou. “Nós sabemos como é que alguns partidos de direita, potenciais aliados do PSD, querem investir o dinheiro dos contribuintes, o dinheiro que neste momento garante a sustentabilidade da Segurança Social, querem investir como se investe num banco. Querem privatizar a Segurança Social”, destaca. Luísa Santos salienta que “a Iniciativa Liberal defende isto como se se tratasse de uma ideia inovadora, mas na verdade é uma ideia velha e falhada em outros países como o Chile ou EUA, onde, em 2008, os reformados viram as suas reformas estoiradas em investimentos na bolsa e ficaram sem nada”. “Os madeirenses e porto-santenses podem escolher à esquerda, com impostos como o que taxou as casas de luxo (imposto Mortágua), ou à direita, com o PSD e outros, que querem promover a existência de seguros privados que nunca atendem às doenças graves ou investimentos dos nossos impostos em bancos e em ações, que podem desaparecer num segundo. São estes os cenários que existem e que distinguem um governo de esquerda de um de direita”, frisou, por fim.