Covid-19. Cerco aperta-se em Nova Iorque e foi dia de pagar a renda

01/04/2020 23:17:00
Covid-19. Cerco aperta-se em Nova Iorque e foi dia de pagar a renda

Estados Unidos Nova Iorque Pandemia Epidemia Covid-19 Coronavírus Novo Coronavírus

O pior ainda está para vir. Não é um mote, é um alerta tenebroso. E tem sido constantemente repetido nos Estados Unidos, nos últimos dias, para que entre nos ouvidos dos cidadãos: mesmo que tudo corra de forma perfeita, as mortes provocadas pelo novo coronavírus vão cifrar-se entre as 100 mil e 240 mil no país, avisam os responsáveis pela coordenação da resposta à pandemia da administração norte-americana. E os governadores não aparentam estar nada satisfeitos com o seu Presidente, principalmente o de Nova Iorque, que enfrenta o pior surto da pandemia no país. 

Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Uma Povoação isolada para “apertar o cerco” à covid-19Cordão sanitário no concelho da Povoação, na ilha de São Miguel, foi decidido após confirmação de três doentes com covid-19 que, entretanto, passaram a quatro. Região regista 47 casos positivos e aplica medidas “restritivas” para conter o surto da p

Adolescente de 13 anos é a vítima mais nova de covid-19 no Reino UnidoRapaz foi internado na sexta-feira passada e morreu na segunda no King's College Hospital de Londres. Família diz que não sofria de nenhuma outra doença.

Pivot da CNN e irmão do governador de Nova Iorque infetado com covid-19Chris Cuomo anunciou que tem coronav\u0026237;rus. N\u0026250;meros de mortos nos EUA superior aos registados no 11 de Setembro.\r\n

Covid-19: ARCOlisboa adiada e organização procura nova dataFeira de arte de Lisboa deveria realizar-se em Maio. Direcção espera anunciar novo calendário nos próximos dias.

Covid-19: BCP promete pagar a fornecedores numa semanaO BCP vai passar a pagar aos seus fornecedores, não a 30 dias, mas a uma semana depois de a fatura ser emitida e validada pelos serviços do banco. Esta decisão começa já este mês de abril

Por que é que a covid-19 afecta as pessoas de forma diferente?O novo coronavírus parece estar a afectar com menor gravidade as crianças. A pneumonia causada por este vírus também é diferente das outras. Eis alguns enigmas.

novo coronavírus O pior ainda está para vir.São Jorge e nove na Terceira – Corvo, Flores e Graciosa não registam qualquer caso.e receba as informações em primeira mão.Chris Cuomo anunciou que tem coronavírus.

Não é um mote, é um alerta tenebroso. E tem sido constantemente repetido nos Estados Unidos, nos últimos dias, para que entre nos ouvidos dos cidadãos: mesmo que tudo corra de forma perfeita, as mortes provocadas pelo novo coronavírus vão cifrar-se entre as 100 mil e 240 mil no país, avisam os responsáveis pela coordenação da resposta à pandemia da administração norte-americana. Ao volante, Fábio Sousa diz estar autorizado a passar o cerco para transportar mantimentos para as padarias. E os governadores não aparentam estar nada satisfeitos com o seu Presidente, principalmente o de Nova Iorque, que enfrenta o pior surto da pandemia no país."Foi colocado sob assistência respiratória e coma induzido, e infelizmente morreu ontem (segunda-feira)", acrescentaram.  Comparando, a gripe influenza matou, em 1918, 675 mil pessoas nos EUA - a população do país era muito menor na altura.” Passou. O chefe da Casa Branca já reconheceu que a covid-19 não é uma mera gripe e o seu tom já foi mais soturno na terça-feira. Entretanto, o número de mortos nos Estados Unidos devido à pandemia de coronavírus ultrapassa já os três mil e supera assim os registados nos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001 em Nova Iorque e na Virgínia.

“Não é uma gripe”, admitiu. Entre os residentes, Miguel Pimenta é dos que concorda com a medida, como explica ao telefone. O Reino Unido registou 381 mortes na terça-feira por causa do novo coronavírus, um recorde para o país, que já conta com 1. “É cruel”. Mas a asserção de Trump de que o país estava bem preparado e tinha stock suficiente para testar os norte-americanos e fornecer material para tratar os pacientes mais doentes fez com que um coro de governadores desafiassem publicamente o ocupante da Casa Branca. Inicialmente, não queria regressar à terra, mas voltou porque em Lisboa partilhava o apartamento com uma pessoa que continuava a sair para trabalhar. Andrew Cuomo, governador de Nova Iorque, onde a pandemia está a ter os seus contornos mais negros - tem cerca de metade dos casos confirmados do país -, deu uma imagem na terça-feira: é como “estar no eBay com 50 estados a licitar por um ventilador”. Algo que repetiu esta quarta-feira. Até agora, nada de anormal. A falta de meios obrigou já Donald Trump a aceitar a oferta de ajuda feita pelo presidente russo, Vladimir Putin.

“Estou a telefonar a toda a gente que conheço”, disse, referindo-se à sua tentativa de comprar ventiladores, lamentando a dependência destes em relação à China. “Não sei como chegámos a este ponto”, queixou-se, dizendo necessitar de 37 mil ventiladores. “Vai servir como abre-olhos, vejo muita gente a pensar que não vai acontecer nada aqui porque somos um território pequeno. Neste estado, onde o número de vítimas mortais não para de subir, tendo já ultrapassado as 1500, estão a ser mobilizados recursos, materiais e humanos, de todos os EUA para o combate à covid-19.  Estão a chegar à região metropolitana, segundo o New York Times , mais de 2 mil enfermeiros e 500 paramédicos e técnicos de emergência, além de 250 ambulâncias, para se juntarem à Guarda Nacional e à Marinha na assistência aos profissionais de saúde. É agricultor e continua a ir todos os dias tratar das vacas. Entretanto, o Central Park, no coração de Manhattan, está a ser convertido em hospital de campanha.

Mas pode ser preciso mais: Cuomo tem repetido nas últimas semanas o apelo ao Governo federal para mais e maior auxílio. Estando o abastecimento de ração e adubo assegurado e a circulação do leite garantida, o cerco sanitário não vai trazer “grandes condicionantes” à sua vida. Vários governadores o têm feito, como o governador republicano de Maryland, mas Cuomo tem sido o mais audível nesse sentido - o que mereceu uma resposta de Trump, que se mostrou insatisfeito com as queixas frequentes do líder do estado de Nova Iorque: “Para algumas pessoas, não interessa quanto se dá, nunca é suficiente”. Os casos confirmados em Nova Iorque - 31 dias depois de ter sido detetado o primeiro - têm subido exponencialmente nos últimos dias e esta quarta-feira estiveram a um milímetro dos 84 mil, anunciou Cuomo - morreram de terça para quarta-feira quase 400 pessoas e o estado está prestes a ultrapassar as 2 mil mortes. “Não podes parar a ilha toda durante um ano, porque o vírus está no início. A curva de infeções em Nova Iorque ainda não chegou ao seu pico. “Vocês vêm uma curva, eu vejo uma montanha”, disse Cuomo na conferência de imprensa diária de atualização do estado da pandemia, citando também uma projeção de 16 mil mortes no estado, realizada pela Fundação Gates. “Não podes parar a ilha toda durante um ano.

Na mesma ocasião, Cuomo admitiu que podia mobilizar recursos do resto do estado para auxiliar a cidade de Nova Iorque - que tem mais de metade dos casos da região - e enfatizou a cooperação com os estados vizinhos, como Connecticut e Nova Jérsia. Na preparação para o pior, foram oferecidos a parte da população prisional de Rikers Island seis dólares por hora - muito mais do que os padrões laborais desta população, mas bem menos que o salário mínimo estatal - para fazerem covas, segundo o Intercept . O presidente da Câmara Municipal da Povoação Pedro Melo diz que foi “a medida correcta a tomar”, porque se está a actuar a “pensar na saúde, no presente e no futuro” dos povoacenses, começa por dizer ao PÚBLICO. Esta informação foi confirmada pelo gabinete de Bill de Blasio, presidente da Câmara de Nova Iorque, que, no entanto, disse que a medida não é “específica para a covid”.  A cidade de Nova Iorque é proprietária do cemitério público em Hart Island, que tem sido mantido pela mão-de-obra dos encarcerados. Ainda assim, não há motivo para alarme. Segundo a mesma publicação, a ilha foi identificada, no ano de 2008, como um potencial local de enterramento de cadáveres numa eventual pandemia, citando um relatório de uma autoridade de saúde local.

  Hoje, o desastre económico provocado pela covid-19 fez-se sentir ainda mais na pele dos nova-iorquinos, que já têm a sua vida completamente virada do avesso: foi dia de pagar a renda.” Também Sandro Ferreira, presidente da Junta de Furnas, uma das seis freguesias do concelho — as outras são Água Retorta, Faial da Terra, Nossa Senhora dos Remédios, Povoação e Ribeira Quente — concorda com o cerco, que entende ser “necessário para proteger as pessoas”. “Chegou ao ponto de não poder pagar a renda porque fazê-lo significaria comprometer a minha capacidade de comprar comida ou, basicamente, de sobreviver”, disse ao New York Times Henry True, 24 anos, que paga 600 dólares mensais por um quarto num apartamento partilhado, em Brooklyn. No fecho desta edição, os números da Casa Branca sobre a covid-19 ainda não tinham sido anunciados. O isolamento da freguesia irá deixar o presidente da junta menos preocupado. Mas, segundo a Universidade John Hopkins, os EUA já contabilizam mais de 190 mil casos. Leia Também . Vinham pessoas de outras localidades passear, o que é impensável”, explica.