Papa doa 200 mil euros para migrantes na fronteira polaca e vítimas de tufão nas Filipinas

Papa doa 200 mil euros para migrantes na fronteira polaca e vítimas de tufão nas Filipinas

18/01/2022 17:47:00

Papa doa 200 mil euros para migrantes na fronteira polaca e vítimas de tufão nas Filipinas

As doações do Papa fazem parte 'da ajuda que está a ser ativada em toda a Igreja Católica e que envolve, além de várias conferências episcopais, inúmeras organizações de caridade'.

ALESSANDRO DI MEO/EPAMais de 400 pessoas morreram e 1.100 ficaram feridas pela passagem do Rai pelas FilipinasALESSANDRO DI MEO/EPAO Papa Francisco enviou uma ajuda financeira de 200 mil euros para os migrantes retidos na fronteira entre a Bielorrússia e a Polónia e para as vítimas do tufão Rai nas Filipinas, anunciou esta terça-feira o Vaticano.

O Papa “decidiu enviar uma contribuição de 100 mil euros para ajudar grupos de imigrantes retidos entre a Polónia e a Bielorrússia e para que a [organização humanitária católica] Caritas Polónia consigalidar com a crise migratória na fronteira

Consulte Mais informação: Observador »

Secalhar já podem ir ao McDonald's com a euro poupança. É para os Santos que aqui passarem? Não, não sou eu que moro num palácio onde os bancos são feitos de ouro. Não sou eu que tenho igrejas a pedir esmola para alimentar este de pão e vinho. Vamos lá fazer contas. Quantas pessoas é que sofreram do tufão e quantos migrantes havia na fronteira. Já está? Agora dividam essa 'doação feita por parte de organizações de caridade' por toda a gente afetada. Quanto dá a cada uma? Ainda mais, o valor vai primeiro para a igreja.

Como?

Papa envia ajuda às Filipinas e aos migrantes na fronteira Polónia-Bielorrússia - RenascençaSão 200 mil euros divididos em partes iguais. O contributo do Papa destina-se a ajudar as vítimas da catástrofe que se abateu sobre as Filipinas e a Cáritas da Polónia que acompanha os migrantes na “terra de ninguém”.

Dois oficiais próximos do Papa Francisco testam positivo à Covid-19Cardeal Pietro Parolin e o arcebispo Edgar Pena Parra reúnem-se regularmente com o Papa.

Papa envia ajuda às Filipinas e aos migrantes na fronteira Polónia-Bielorrússia - RenascençaSão 200 mil euros divididos em partes iguais. O contributo do Papa destina-se a ajudar as vítimas da catástrofe que se abateu sobre as Filipinas e a Cáritas da Polónia que acompanha os migrantes na “terra de ninguém”.

Famalicão ganha terminal ferroviário de mercadorias no início de 2023Construção de complexo, com 220 mil metros quadrados, arranca na segunda metade de 2022 graças a investimento estimado de 63 milhões de euros.

Legislativas: Perto de 69 mil inscritos até às 19h00 de hoje para voto antecipado em mobilidade - RenascençaPerto de 69 mil pessoas inscreveram-se até às 19h00 de hoje para votar antecipadamente em mobilidade, em 23 de janeiro, nas eleições legislativas, segundo dados do Ministério da Administração Interna.

Melgaço faz upgrade tecnológico de 15 milhões para indústriaAutarquia reforça cobertura 5G e aposta na produção e armazenamento de energia renovável para autoconsumo e postos de abastecimento elétricos e a hidrogénio para pesados na Zona Industrial de Penso.

Mais de 400 pessoas morreram e 1.100 ficaram feridas pela passagem do Rai pelas Filipinas ALESSANDRO DI MEO/EPA Mais de 400 pessoas morreram e 1.100 ficaram feridas pela passagem do Rai pelas Filipinas ALESSANDRO DI MEO/EPA O Papa Francisco enviou uma ajuda financeira de 200 mil euros para os migrantes retidos na fronteira entre a Bielorrússia e a Polónia e para as vítimas do tufão Rai nas Filipinas, anunciou esta terça-feira o Vaticano. O Papa “decidiu enviar uma contribuição de 100 mil euros para ajudar grupos de imigrantes retidos entre a Polónia e a Bielorrússia e para que a [organização humanitária católica] Caritas Polónia consiga lidar com a crise migratória na fronteira entre os dois países”, avançou em comunicado o dicastério (ministério) para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral. Milhares de iraquianos, sírios e iemenitas, entre outras nacionalidades, estão concentrados nas fronteiras entre a Bielorrússia e a Polónia, Lituânia e Letónia – membros da União Europeia – desde agosto, quando o regime do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, liberalizou o regime de vistos para vários países do Médio Oriente. Os países europeus têm respondido com um reforço da proteção das fronteiras e com a expulsão daqueles que conseguem passar, o que deixou muitas pessoas presas em ‘terra de ninguém’, já que o exército bielorrusso os continua a “empurrar” para a Europa. PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR Embora não haja um número definitivo de quantos migrantes estão nesta situação – muitos deles a viver nas florestas da região, sob temperaturas negativas e sem alimentação ou roupa quente -, fontes do Governo da região autónoma curda do Iraque avançaram, em novembro, que 7 mil a 8 mil curdos estavam entre os migrantes retidos nas fronteiras europeias. O Papa decidiu por outro lado doar também 100 mil euros para as vítimas do tufão Rai, “que atingiu as Filipinas com extraordinária força, afetando, segundo fontes da ONU, cerca de 8 milhões de pessoas em 11 regiões e causando enormes danos materiais”, segundo o dicastério. Francisco decidiu enviar “uma primeira contribuição nesta fase da emergência para ajudar a população”, acrescentou a mesma fonte, referindo que “esta quantia de dinheiro será enviada à Igreja local e distribuída, em colaboração com a nunciatura apostólica das Filipinas, às dioceses mais afetadas pela calamidade para ser usada em obras de socorro”. Mais de 400 pessoas morreram e 1.100 ficaram feridas pela passagem do Rai pelas Filipinas, em dezembro. O tufão, que provocou rajadas de vento de até 240 quilómetros por hora, obrigou também a que mais de 500 mil pessoas fossem deslocadas das suas casas, num total de 4,4 milhões de pessoas afetadas de alguma forma. A contribuição do Papa “faz parte da ajuda que está a ser ativada em toda a Igreja Católica e que envolve, além de várias conferências episcopais, inúmeras organizações de caridade”, concluiu o dicastério. Leia também: