José Mendes, Opinião

José Mendes, Opinião

O duplo puzzle do OE

O duplo puzzle do OE

17/10/2021 11:11:00

O duplo puzzle do OE

Construir e aprovar um orçamento do Estado é talvez a mais crítica de todas as tarefas de um sistema político democrático. Quando um governo é minoritário, o exercício é ainda mais complexo, transformando-se num puzzle duplo - financeiro e político - e interdependente, de difícil resolução. É o que está a acontecer em Portugal, que procura ainda a peça mágica que fechará o puzzle.

Com o perímetro financeiro determinado, passa-se à respetiva distribuição, entrando no domínio das políticas. Aí, as rubricas de despesa são as peças do puzzle. A maior parte são grandes e geralmente incomprimíveis, correspondentes a salários e à manutenção das funções do Estado, incluindo o Estado Social. As opções nestas grandes parcelas são muito limitadas porque qualquer pequeno acréscimo em alta faz disparar a despesa pública permanente para níveis insustentáveis. Por isso, o verdadeiro exercício de opção acontece nas peças mais pequenas do puzzle, as quais correspondem a novidades e incentivos que, pelo seu carácter diferenciador, dão uma assinatura personalizada ao orçamento.

Investigadora portuguesa na África do Sul não percebe alarme em torno da Ómicron Benfica x FC Dínamo Kiev - Record Jogos em Direto Mais 61.874 pessoas vacinadas com dose de reforço em 24 horas

Os partidos com assento parlamentar disputam o espaço de opção do orçamento, na tentativa de chamar a si a tal assinatura, fazendo depender disso o seu voto na aprovação na generalidade e a sua estratégia nas negociações em sede de especialidade. É onde entra o segundo puzzle, o político.

Também aqui, o jogo está parcialmente viciado. PSD e CDS decidiram votar contra ainda antes de o orçamento nascer. Fica muito bem apregoar a responsabilidade política, o valor da estabilidade e o interesse do país, mas na hora da verdade, os requisitos de sobrevivência interna das lideranças dos partidos sobrepõem-se a tudo o mais. O sonho pós-autárquico de Rui Rio e de Rodrigues dos Santos não durou mais do que três semanas. Foram já desafiados e, no caso do PSD, a copiosa derrota sofrida pelo seu líder esta semana no Conselho Nacional é uma prova inequívoca de que perdeu o partido. headtopics.com

Assim, abdicaram do puzzle financeiro e marcaram um"não" no puzzle político do orçamento.Também o BE deve votar contra, mas a sua líder Catarina Martins demonstra que não perdeu o jeito para o teatro. Gorada a sua aspiração de em 2019 entrar no governo, adotou uma espiral de divergência, simulando uma negociação cujo resultado final bem conhece, pois apresenta propostas de despesa pública irrealistas, que atirariam o país de novo para os braços de uma qualquer troika.

Restam o PCP, o PEV e o PAN, que sabem que são as peças mais importantes do puzzle político e, como se esperaria, esticam a corda. Porém, as suas propostas não têm o caráter definitivo das do BE e estão genuinamente interessados em que o governo encontre a peça mágica do puzzle financeiro que viabilizará o fecho do puzzle político. Os comunistas precisam duma vitória orçamental porque sabem que, caso contrário, se abrirá uma crise política e entrarão em terreno eleitoral desconhecido. E perigoso.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

OE 2022: ainda é possível chegar a entendimento com os partidos à esquerda?Ministro das Finanças fecha a porta ao diálogo com o PSD, por entender que o bloco central não é uma alternativa 'saudável'.

Costa já admite acordo escrito mas chumbo do OE mantém-seDiz ser 'irracional' falar de eleições. PCP sem evolução e BE não vê 'passo negocial'. PAN 'mais perto' de votar contra. Não se esqueçam de voltar a entregar o país ao GANG CAVAQUISTA PSD-CDS para voltarem a assaltar Bancos, roubarem as nossas empresas mais lucrativas, comprarem submarinos, deixando, mais uma vez, o país em ruinas e o povo na miséria !!! Tudo show off... O OE já está aprovado, pelos mesmos de sempre... Mais um Jogo Sujo, só nos Combustíveis vão arrecadar o suficiente para dar de comer à esquerda e mais funcionário público para lá do Requisito da Troika / UÉ, depois caberá ao próximo Governo apertar o cinto a todos e ser mal visto pelo Povo, os SocioComunas são “Experts” nisso

OE 2022: Marcelo antecipou audiências para a generalidade e ouviu todos os partidosPCP admite que ainda não houve avanços nas negociações do Orçamento do Estado.

OE 2022: BE afirma que continua o impasse negocial com o GovernoPartido considera que não existe uma 'verdadeira aproximação' nas áreas da saúde, segurança social ou do trabalho.

JP acusa Costa de ″vender valores essenciais da democracia a troco de votos″ para o OEA idade mínima para assistir a uma tourada em Portugal vai passar de 12 para 16 anos, decidiu o Conselho de Ministros na quinta-feira. Em comunicado, a estrutura que representa os jovens do CDS-PP manifestou-se contra esta decisão, argumentando que 'a educação compete aos tutores legais das crianças e existem liberdades de escolha, tanto dos pais, como individuais, em Portugal, um país democrático.

Melo critica líder do CDS por admitir adiar congresso em caso de chumbo do OECandidato a presidente do CDS-PP, Nuno Melo defende que, 'sejam quais forem os cenários do Orçamento de Estado, na generalidade ou na especialidade', o partido 'tem de mudar', argumentando que 'se já era desejável, agora é imperativo'.