Navio perdido de Shackleton é encontrado na Antártida

09/03/2022 21:58:00

Navio, Descoberta

 O Endurance, nome pelo qual é conhecido o navio “perdido” do explorador antártico Ernest Shackleton, foi encontrado no fim de semana no fundo do Mar de Weddell, na Antártida.Segundo a BBC, o navio foi “esmagado pelo gelo e afundou em 1915, forçando Shackleton e os seus homens a fazer uma fuga surpreendente a pé e em pequenos barcos”.

Os vídeos dos cientistas mostram que o navio se encontra em condições “notáveis”. Mesmo estando a 3 km, o equivalente a 10 mil pés de água, há mais de um século, parece exatamente como no dia de novembro em que se afundou.

Consulte Mais informação: ionline »

Navio Endurance de Ernest Shackleton descoberto ao largo da Antártida 107 anos depois - SIC NotíciasEmbarcação naufragou em 1915.

Descoberto navio de Ernest Shackleton, que naufragou há mais de 100 anosEm 1914, o explorador embarcou no navio Endurance para a sua terceira viagem à Antártida. Contudo, em 1915, o barco encalhou e afundou-se ao fim de 10 meses, ao ser esmagado pelo gelo.

Navio que naufragou em 1915 foi descoberto ao largo da AntártidaO navio Endurance do explorador Ernest Shackleton , que naufragou em 1915, foi descoberto ao largo da Antártida, no Mar de Wedell a 3000 metros de profundidade.

Navio desaparecido reaparece 130 anos depois - SIC NotíciasUma embarcação com 52 metros de comprimento.

Navio com 600 toneladas de combustível está a arder no mar Negro desde finais de fevereiro, quando foi bombardeado por militares russosSe não for vigiada, a embarcação pode ser um risco tóxico para o Mar Negro. Navio Millennial Spirit foi bombardeado no dia 25 de fevereiro e continua a arder na costa de Odessa

Navio que naufragou em 1915 foi descoberto ao largo da AntártidaO navio Endurance do explorador Ernest Shackleton , que naufragou em 1915, foi descoberto ao largo da Antártida, no Mar de Wedell a 3000 metros de profundidade.

107 anos depois os investigadores encontraram e filmaram o navio “perdido” do explorador antártico Ernest Shackleton.March 9, 2022 A expedição Endurance22 usou tecnologia de ponta, incluindo dois drones submarinos, para explorar a área, que Shackleton descreveu na altura como “a pior parte do pior mar do mundo” devido às suas condições de gelo.e receba as informações em primeira mão."Estamos muito emocionados por termos localizado e capturado imagens do Endurance", disse Mensun Bound, diretor da expedição de exploração organizada pela Falklands Maritime Heritage Trust.

  O Endurance, nome pelo qual é conhecido o navio “perdido” do explorador antártico Ernest Shackleton, foi encontrado no fim de semana no fundo do Mar de Weddell, na Antártida. Segundo a BBC, o navio foi “esmagado pelo gelo e afundou em 1915, forçando Shackleton e os seus homens a fazer uma fuga surpreendente a pé e em pequenos barcos”. Contudo, em 1915, o barco encalhou e afundou-se ao fim de 10 meses, ao ser esmagado pelo gelo. Os vídeos dos cientistas mostram que o navio se encontra em condições “notáveis”. A expedição Endurance22 usou tecnologia de ponta, incluindo dois drones submarinos, para explorar a área, que Shackleton descreveu na altura como"a pior parte do pior mar do mundo" devido às suas condições de gelo. Mesmo estando a 3 km, o equivalente a 10 mil pés de água, há mais de um século, parece exatamente como no dia de novembro em que se afundou. Ernest Shackleton e seus companheiros partiram em pequenas embarcações para a ilha Elefante, ao largo da Península Antártica. As suas madeiras, embora partidas, ainda se encontram estáveis, e o nome - Endurance - gravado, é “claramente visível”. Em 1914, o explorador anglo-irlandês Ernest Shackleton (1874-1922) embarcou no navio Endurance para a sua terceira viagem à Antártida e planeava atravessar a região via Pólo Sul.

"Sem nenhum exagero, este é o melhor naufrágio de madeira que eu já vi de longe", disse o arqueólogo marinho, Mensun Bound, que está na expedição da descoberta e agora cumpriu uma “ambição” da sua carreira de quase 50 anos.300 quilómetros até à ilha de Geórgia do Sul, com o barco “James Caird”, tendo chegado ao seu destino 16 dias depois, corria o ano de 1916. A expedição tornou-se lendária por causa das condições de sobrevivência da tripulação, ao todo eram 28 elementos e todos sobreviveram, que acampou por meses no gelo antes deste derreter. "Está vertical, intacto! Num estado de preservação brilhante!", acrescentou à BBC News. O projeto para encontrar o navio perdido foi projetado pelo Falklands Maritime Heritage Trust (FMHT) - instituição de caridade registada no Reino Unido, que se dedica a preservar a variada história marítima das Malvinas e daqueles que estão associados a elas - e foram utilizados um “quebra-gelo sul-africano” e “aparelhos submersíveis operados remotamente”.. O líder da missão, o geógrafo polar, John Shears, descreveu o momento em que as câmeras pousaram no nome do navio como "de cair o queixo".300 quilómetros até à ilha de Geórgia do Sul, com o barco"James Caird", tendo chegado ao seu destino 16 dias depois, corria o ano de 1916. "A descoberta do naufrágio é uma conquista incrível", sublinhou. JN/Agências.

"Concluímos com sucesso a busca do naufrágio mais difícil do mundo, lutando contra o gelo marinho em constante mudança, tempestades e temperaturas que caíram para -18°C. Conseguimos o que muitas pessoas diziam ser impossível”, reforçou.  Endurance foi avistado no Mar de Weddell a uma profundidade de 3.008 metros. Durante mais de duas semanas, os submarinos vasculharam uma área de busca pré definida, investigando vários alvos, antes de finalmente descobrirem o local do naufrágio no sábado – o 100º aniversário do funeral de Shackleton.

  Os dias desde a descoberta foram passados a realizar um registro fotográfico detalhado das madeiras e dos detritos. Segundo a BBC, o naufrágio “é um monumento designado sob o Tratado Internacional da Antártida e não deve ser perturbado de nenhuma forma”. Ou seja, nenhum artefato físico pode ser trazido à superfície. Ler Mais .