Falta de avanço no combate à corrupção é perigo para democracias - Renascença

25/01/2022 10:47:00

Falta de avanço no combate à corrupção é perigo para democracias

Falta de avanço no combate à corrupção é perigo para democracias

No topo da tabela figuram a Dinamarca, Finlândia e Nova Zelândia (todos com 88 pontos, enquanto no extremo oposto figuram a Somália e Síria e a Síria.

Após dois anos de devastação provocada pela pandemia, o combate à corrupção no mundo estagnou em 2021, enquanto aumentaram os ataques aos sistemas democráticos e às garantias de direitos humanos, indicou a Transparência Internacional (TI).

O relatório de 2021 sobre Corrupção no Mundo, divulgado pela organização com sede em Berlim, destaca ainda que, em 2021, 27 dos 180 países analisados desceram para níveis históricos no Índice de Perceção da Corrupção e que, na última década, 131 Estados (86%) revelaram “poucos ou nenhuns avanços”.

Consulte Mais informação:
Renascença »

Helena Laureano arrasa jornalista: 'Falta de educação e uma falta de profissionalismo'Helena Laureano não foi branda nas palavras e arrasou a atitude de um jornalista com um candidato às eleições. Porém, a comentadora não referiu o nome do

Mais de 130 mortos em combates na Síria nos últimos quatro dias - SIC NotíciasConfrontos entre jihadistas e forças curdas puseram em fuga milhares de civis numa altura em que se fazem sentir temperaturas gélidas na região.

Combates provocam 136 mortos em quatro dias na SíriaCombates entre jiadistas e forças curdas apoiadas pela coligação internacional prosseguem este domingo, pelo quarto dia, no nordeste da Síria, com um balanço de 136 mortos.

IGF alerta para “falta” de publicitação | Jornal EconómicoAuditoria sinaliza falta de rigor e transparência, sinalizando também falhas de comunicação nas subvenções como pontos críticos.

British Medical Journal critica falta de acesso a dados brutos de testes a vacinasO British Medical Journal diz que falta transparência na informação sobre os testes às vacinas contra a Covid. A revista aponta o dedo à Pfizer e já entrou em guerra com o Facebook por causa disso. Quando a BMJ denunciou a fraude que foram os ensaios clínicos, Quando o acesso aos dados da experimentação só seria possível, para daqui a 75 anos, O observador ficou calado. Agora, sai um artigo, de um calibre menor, e fazem disso notícia. Realmente, alguma coisa mudou. Vocês são cúmplices espero que um dia os jornalistas sejam condenados por crimes contra a humanidade e por o medo que meteram nas pessoas, muitas pessoas já mais vão sair desse medo que vocês criaram. E então como é que se protege o negócio agora e desde sempre que corre tão bem?

Legislativas: Comunidade em França queixa-se da falta de campanha e representatividade - SIC NotíciasA covid-19 não deve ser desculpa para a falta de campanha nos círculos da Europa e fora da Europa, considera a dirigente da Associação Cultural Portuguesa de Estrasburgo.

Somália está no fim da tabela.Helena Laureano não foi branda nas palavras e arrasou a atitude de um jornalista com um candidato às eleições.Lusa Combates entre jihadistas e forças curdas apoiadas pela coligação internacional prosseguem hoje, pelo quarto dia, no nordeste da Síria, com um balanço de 136 mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).O grupo jiadista Estado Islâmico (EI) atacou a prisão de Ghwayran, na região de Hassaké, para libertar os seus companheiros amotinados, provocando a morte a 84 membros desta fação e 45 combatentes curdos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Foto: Feisal Omar/Reuters Após dois anos de devastação provocada pela pandemia, o combate à corrupção no mundo estagnou em 2021, enquanto aumentaram os ataques aos sistemas democráticos e às garantias de direitos humanos, indicou a Transparência Internacional (TI). O relatório de 2021 sobre Corrupção no Mundo, divulgado pela organização com sede em Berlim, destaca ainda que, em 2021, 27 dos 180 países analisados desceram para níveis históricos no Índice de Perceção da Corrupção e que, na última década, 131 Estados (86%) revelaram “poucos ou nenhuns avanços”. “Eu, ontem, vi uma coisa que francamente foi de uma falta de educação e uma falta de profissionalismo – não vou dizer em que canal é que foi – de um jornalista que estava a entrevistar vários candidatos agora para as legislativas “, começou por dizer, referindo o facto desta ter interrompido um candidato várias vezes. “Isto não é coincidência. “A prisão está agora sob o controlo das nossas forças e tomaram-se medidas que frustraram as intenções de fuga dos terroristas [do EI], enquanto as nossas forças também estão a trabalhar para impor o seu controlo dentro da prisão”, informaram as FDS em comunicado. A corrupção permite abusos aos direitos humanos, desencadeando uma espiral crescente e viciosa .. À medida que os direitos e liberdades sofrem erosão, a democracia diminui e o autoritarismo toma o seu lugar, que, por sua vez permite maiores níveis de corrupção”, lê-se no relatório. Desencadeada em março de 2011 pela repressão às manifestações pró-democracia, a guerra na Síria tornou-se mais complexa ao longo dos anos com o envolvimento de potências regionais e internacionais, e a ascensão dos jiadistas.

O índice analisa 180 países e territórios sobre perceção da corrupção no setor público, tendo como base uma escala de 0 (altamente corrupto) a 100 (totalmente limpo), registando-se uma média global inalterável de 43 países pelo décimo ano consecutivo e com dois terços dos Estados abaixo dos 50 pontos. Desencadeada em março de 2011 pela repressão às manifestações pró-democracia, a guerra na Síria tornou-se mais complexa ao longo dos anos com o envolvimento de potências regionais e internacionais, e a ascensão dos jihadistas. No topo da tabela figuram a Dinamarca, Finlândia e Nova Zelândia (todos com 88 pontos, enquanto no extremo oposto figuram a Somália e Síria (ambas com 13) e a Síria (11). A TI realça que 27 países, entre eles Chipre (53 pontos), Líbano (24) e Honduras (23), atingiram mínimos históricos e que, na última década, 154 países viram diminuir a respetiva pontuação ou não registaram quaisquer progressos no combate à corrupção Mais sintomático é o facto de 23 países terem visto descer a classificação pontual no Índice, incluindo as grandes economias como o Canadá (74 pontos), Austrália (73) e os Estados Unidos (67), com este último a sair da lista dos 25 países com melhores resultados. Em sentido contrário, 25 países melhoraram significativamente os resultados , incluindo a Estónia (74 pontos), Seychelles (79) e Arménia (49).000 pessoas de acordo com a OSDH, devastou a infraestrutura do país e deslocou milhões de pessoas. Mas os esforços para combater a corrupção, acrescenta a TI, têm os seus custos nas tabelas das liberdades civis, com o registo, em 2020, do assassínio de 331 ativistas dos direitos humanos, 98% deles mortos em países com um índice de perceção de corrupção abaixo de 45 pontos.

Segundo a organização, 2021 trouxe exemplos “perturbadores”, como o “assassínio” de defensores dos direitos humanos, o encerramento de meios de comunicação social e os escândalos de espionagem com o programa Pegasus. “Cada vez mais, o ‘deve e haver’ está a ser prejudicado não só nos países com corrupção sistémica e instituições fracas, mas também entre democracias estabelecidas. Por isso, respeitar os direitos humanos é essencial para controlar a corrupção porque cidadãos informados e com poder têm espaço para desafiar a injustiça”, acrescenta-se no documento. A Transparência Internacional salienta também que a pandemia global de Covid-19 também tem sido usada em muitos países como “desculpa para reduzir liberdades básicas”. A TI apela aos governos maior eficácia nos compromissos de combate à corrupção e na defesa e promoção dos direitos humanos, exortando a população a que se una “para exigir mudanças”.

“Em contextos autoritários, onde o controle sobre o Governo, os negócios e a imprensa é de poucos, os movimentos sociais continuam a ser o derradeiro controlo do poder. É o poder detido por professores, lojistas, estudantes e pessoas comuns de todas as esferas da vida que acabarão por exigir responsabilidades”, concluiu Daniel Eriksson, diretor executivo da TI. Tópicos .