Da velhice \u00e0 morte: uma louquice de sorte?

29/09/2020 02:12:00

Da velhice à morte: uma louquice de sorte?

29 Setembro 2020, 00:07Somos um país muito envelhecido não somente no seu tecido substancial, as pessoas, mas também na perceção e gestão de como lidar com esta realidade crescente.“A velhice o que é senão a morte estagiando em nosso corpo?”

Cristiano Ronaldo mostra como treina e deixa mensagem motivacional Carlos Carvalhal: «A pressão sobre um clube como o Sp. Braga é sempre a de vencer» Gaitán convocado para a estreia europeia do Sp. Braga

(Mia Couto).Dia após dia, semana após semana, a questão dos idosos e dos lares tem tido algum barulhar. E provoca-nos muito baralhar. Como é possível tanto desleixo, ainda mais em ocasião pandémica, nos descuidados para com os seniores, anciães da vida? Leio um pensamento de Lin Yutang, acutilante, e não encontro aí a tal resposta aspirante: “Amamos as catedrais antigas, os móveis antigos, as moedas antigas, as pinturas antigas e os livros antigos, mas esquecemo-nos por completo do enorme valor moral e espiritual dos anciãos”.

Sinto que este tem sido um eco oco, quando há dois anos se noticiou em massa que Portugal é um dos cinco piores países europeus no trato para com os idosos, no seu não investimento na saúde dos mesmos. E, ainda por cima, somos o 4.º da UE ora em maior proporção de idosos ora em rácio de dependência de idosos (subida em flecha daqueles com mais de 80 anos)! Ou seja, somos um país muito envelhecido não somente no seu tecido substancial, as pessoas, mas também na perceção e gestão de como lidar com esta realidade crescente.

Passam os anos e o nosso país continua a assobiar para o lado, como se nada fosse. Os idosos continuam a ser maltratados, tanto pelo Estado como por certos lares para onde são despachados. Como se fossem um estorvo. A senilidade não está em alguns dos visados, mas na insensibilidade de quem não sabe nem quer cuidar deles. Assim como “a arte de envelhecer consiste em conservar a esperança” (A. Maurois), também a arte de acompanhar e estar com os que envelhecem consiste em reforçar a bonança da temperança.

E já nem alego a existência de tantos lares ilegais ou de condições trogloditas, e outros por descobrir, que conseguem manter os subsídios da Segurança Social, impávidos e isentos de quaisquer fiscalizações… É inegável que os países onde os idosos são valorizados na sua velhice – meta para a qual todos caminhamos – sofrem menos em termos de depressão e em risco de demência. De que esperamos?!

Consta que tantos idosos têm morrido, no nosso país, devido à Covid e não a outros problemas de saúde ou da idade, já que impossibilitados – todos nós – de acorrer naturalmente ao hospital ou centro de saúde quando necessitados. Por isso, será mesmo assim? E por que não choramos coletivamente os nossos mortos?

Noutros países europeus são divulgados – nos noticiários dos media – os nomes das pessoas que falecem devido ao vírus, para conhecimento geral. E, tantas vezes, sem o brio duma cerimónia fúnebre. Não são estranhos nem desconhecidos. São evocados, ou não fossem heróis – à sua medida – que sucumbiram nesta tamanha fragilidade da vida afeta à saúde pública. Por isso, merecem essa saudação publicada face à saudade antecipada. Independentemente da idade. Mas por uma questão de princípio, de comoção, de verticalidade.

Nobel da Literatura: Relógio D'Água publica obras de Louise Glück ainda este ano Cabeça de porco e três crucifixos no relvado: adeptos do Livorno ameaçam direção Trump tem conta em banco chinês, onde pagou impostos durante anos

Cá não se faz nada disso, como se a dignidade da velhice fosse surripiada… Transviada… Onde está o sentido comum e o dever de consciência cívica? Não está – pelo menos cá –, porque vivemos numa prosápia de apatia. É forte como a morte, matando a tão singela empatia! Mais uma vez se comprova que, nem sempre, o ser ou fazer diferente é melhor. Nada disso.

Neste âmbito, recordo um agradável debate com o cientista M. Sobrinho Simões, que considera estarmos perante um triplo problema atual: 1. há mais um “vazio de empatia”, do que a falta dele; 2. “as pessoas têm mais ansiedade do que medo”, infelizmente; 3. e perdemos, no mundo em geral, a “hierarquia de saberes”. Todos sabem tudo, assim julgam, achando que na internet está toda a informação necessária, retirando ou diminuindo a capacidade de reflexão e de conhecimento. Isto sucede com a aceleração e o consumismo constantes na nossa vida, espoletados pela globalização tecnológica.

Consulte Mais informação: Jornal Económico »

Deputado Miguel Matos candidato \u00fanico \u00e0 lideran\u00e7a da Juventude SocialistaPara que é que estudaste,,,? Tens agora carreira... E diuturnidades? ... só aqui neste retângulo xuxialista

Empresa qu\u00edmica Solvay vende Solvay Portugal \u00e0 Algora

Homem moderno chegou \u00e0 Europa ocidental h\u00e1 cinco mil anosLoveIsNotTourism A EU_Commission recomendou os países a abrirem fronteiras para casais não casados binacionais. antoniocostapm SEF_Portugal ainterna_pt JornalNoticias RTPNoticias Publico

Dívidas da SAD inviabilizam inscrição da equipa de futsal do AvesFutsal - Dívidas da SAD inviabilizam inscrição da equipa de futsal do Aves

PSP recebida a tiro no Bairro da Cova da MouraUma patrulha da PSP foi recebida a tiro, na madrugada de sábado, no Bairro da Cova da Moura, na Amadora. Foi detida uma pessoa e apreendidas duas viaturas. Uma operação musculada neste caso seria desejável e compreensível , ou já temos favelas por aqui ? Parece que sim , deve se cortar o mal pela raiz Escandinavos, no seu melhor! Espero que numa próxima vez que sejam chamados a um bairros desses, a polícia leve os que estão sempre a criticar a polícia. Podem fazer de escudo humano...

″Papa pôs na ordem do dia o drama da maior parte da humanidade, a pobreza″Neste domingo em que se celebram os 480 anos da bula papal que oficializou a Companhia de Jesus, o DN republica a entrevista a Arturo Sosa, superior-geral dos Jesuítas. A entrevista ao padre venezuelano foi feita em janeiro de 2017 na Cúria dos Jesuítas no Vaticano.