Cultura. Conversas com Alexandre O'Neill, nos 35 anos da morte do poeta

Cultura. Conversas com Alexandre O‘Neill, nos 35 anos da morte do poeta

31/07/2021 14:36:00

Cultura. Conversas com Alexandre O‘Neill, nos 35 anos da morte do poeta

Cobrindo um arco temporal de mais de quatro décadas, “Diz-lhe que Estás Ocupado” reúne as conversas, nem sempre lineares, que o poeta de “Feira Cabisbaixa” foi concedendo aos jornais portugueses

textoEm 1944, aos 19 anos, Alexandre O’Neill deu a primeira entrevista a um jornal (“O Castelovidense”) na qualidade de poeta. O tom é sério, talvez até demasiado sério, mas, no formalismo algo rígido das respostas, encontramos muitos dos elementos que permanecerão no seu discurso público durante as quatro décadas seguintes. Sobre a poesia portuguesa: “Julgo que, de um modo geral, nos faltam disciplina e lucidez. Não venho negar, é claro, as tais ‘superiores qualidades poéticas’ do português — seria absurdo — mas insisto em denunciar (não se esqueça de que conto com as exceções) a ausência daquela disciplina que torna possível o maravilhoso equilíbrio de um Rilke, por exemplo.” Mais à frente, antes de “reafirmar” que vê em Vitorino Nemésio “um grande poeta, bastante esquecido”, proclama: “Aqueles que, invertendo a posição dos problemas, continuam a considerar o movimento modernista como ‘o quebrar da férrea tradição formal’ e outras coisas semelhantes, ignoram ou esquecem o que significa revolução.” Estávamos, é bom lembrar, a quatro anos do surgimento do Grupo Surrealista de Lisboa, de que o muito jovem O’Neill fez parte com Mário Cesariny, António Pedro e José-Augusto França, entre outros.

Portugal vence Espanha e apura-se para as meias-finais do Mundial Movimento 'Benfica Bem Maior' recomenda o voto em Rui Costa As nossas crianças vão viver três vezes mais desastres climáticos do que os seus avós

Ao longo dos anos, O’Neill responderá a muitas perguntas sobre a sua participação, e precoce afastamento, da tardia aventura surrealista portuguesa, que o próprio definiu como “uma reação à chateza da poesia neorrealista”. Assumindo que o “destino comum de todos os surrealismos” é a “dissidência”, o autor de “A Ampola Miraculosa” (1948) questiona até se terá chegado a ser, de facto, um verdadeiro poeta surrealista. Logo depois de admitir que em muitos dos seus poemas encontramos “uma certa exploração do absurdo e uma desarticulação do discursivo que estão próximas das

démarchesdo surrealismo”, acrescenta um perentório “e nada mais”. Consulte Mais informação: Expresso »

Brasil totaliza 555 460 mortes e supera 19,8 milhões de casos de Covid-19Média móvel de mortes dos últimos sete dias está em 1017 e a de contaminações em 35 404.

Poeta e tradutor Pedro Tamen morre aos 86 anosA ministra da Cultura, Graça Fonseca, lamentou a morte do escritor e tradutor Pedro Tamen, que classificou de 'figura maior da literatura portuguesa'.

Qual é a população no meu concelho ou freguesia? Subiu ou desceu na última década?Pesquise nos gráficos interactivos a evolução da população em todos os concelhos e freguesias de Portugal, comparando os valores dos Censos 2021 com os de 2011.

Inquérito da FNE: maioria dos professores ouvidos regista excesso trabalho no último ano letivoEntre os 1295 inquiridos, 60,3% revelaram que o excesso de trabalho foi um dos aspectos que mais os preocuparam, seguido da sua saúde mental e bem-estar.

Poeta e tradutor Pedro Tamen morre aos 86 anosPedro Tamen morreu esta quinta-feira em Setúbal.

Petroleiro atacado ao largo de Omã já navega sob controlo da tripulaçãoO petroleiro, cujo ataque ao largo de Omã provocou duas mortes, está já a navegar sob controlo da tripulação, escoltado pela marinha dos Estados Unidos, anunciou o armador, Zodiac Maritime.