Colaboração de Marrocos com Israel agrava risco de guerra com a Argélia

16/01/2022 15:00:00
Colaboração de Marrocos com Israel agrava risco de guerra com a Argélia

Rtp, Notícias

Uma fonte militar argelina admitiu a preocupação reinante no país com o reforço de meios militares do reino vizinho, obtido mediante a acrescida colaboração de Marrocos com Israel, sobretudo desde o pacto assinado em 24 de novembro entre os dois países.

DRUma fonte militar argelina admitiu a preocupação reinante no país com o reforço de meios militares do reino vizinho, obtido mediante a acrescida colaboração de Marrocos com Israel, sobretudo desde o pacto assinado em 24 de novembro entre os dois países.

VER MAISJá depois da assinatura desse pacto, um drone marroquino abateu três camionistas argelinos no Sahara ocidental e, embora o equipamento fosse neste caso de origem turca, o ataque não deixa de ser visto como um efeito colateral da protecção que o reino de Marrocos passou a sentir a nível militar, por parte de um Estado israelita encarado até aqui como inimigo pela generalidade dos países árabes.

Consulte Mais informação: RTPNotícias » Covid-19: Risco de morte com vacinação completa é três a seis vezes menor –linhas...

Covid-19: Risco de morte com vacinação completa é três a seis vezes menor –linhas...Objetivos cada vez mais difusos para o efeito das vacinas, ainda vamos assistir a conclusões que dão razão aos negacionistas. Melhor era os supostos especialistas não inventarem conclusões, se não sabem deviam ficar calados e não imporem teorias às cegas. Me engana que eu gosto! Tudo mentira, nós cobaias a custo zero porquê, antes picavam os ratos , nem se responsabilizam de nada ,se algo correr mal, somos abandonados nem a dgs faz estudos ,nem há reuniões de médicos a discutir ,tipo prós e contra nas televisões, só gente das vacinas com con

Risco de morte com vacinação completa é até seis vezes menor

Risco de morte com vacinação completa é até seis vezes menorO risco de morte nas pessoas com a vacinação completa foi, em dezembro, três a seis vezes menor em relação às não vacinadas ou sem o esquema completo, avança a análise de risco da pandemia. E se comerem salada ao jantar sobe para 10!

Risco de morte por covid-19 com vacinação completa é três a seis vezes menor

Risco de morte por covid-19 com vacinação completa é três a seis vezes menorEm Portugal, mais de 8,7 milhões de pessoas têm a vacinação primária completa e cerca de 3,6 milhões já receberam a dose de reforço. Daqui a 6 meses: 'Risco de morte por COVID após a 5ª dose é três vezes menor' 🤡

Covid-19: Risco de morte com vacinação completa é três a seis vezes menor - SIC Notícias

Covid-19: Risco de morte com vacinação completa é três a seis vezes menor - SIC NotíciasO risco de morte nas pessoas com a vacinação completa contra a covid-19 foi, em dezembro, três a seis vezes menor em relação às não vacinadas ou sem o 0,003 para 0,001. Um estudo norte americano, noticiado também por vós, diz que, com a omicron já é 90% menor o risco de morte e 75% menor o risco de doença grave, mesmo para não vacinados. Como tal é pouco relevante agora estas 3 a 6 vezes menor o risco de morte! 😂😂😂😂💉🦠☠️⚰️

Risco de hospitalização ou morte reduz 25% com Ómicron face à Delta

Risco de hospitalização ou morte reduz 25% com Ómicron face à DeltaEsta investigação de África do Sul é apoiada em outros estudos científicos já divulgados e que apontam para uma maior transmissibilidade, mas menor gravidade, desta variante que foi detetada no final de novembro no país. Sendo assim, não é necessário mais uma dose de experiência para seres humanos. Correcto?

O ministro israelita da Defesa, Benny Gantz (à esq.Covid-19: Risco de morte com vacinação completa é três a seis vezes menor –"linhas vermelhas" O conteúdo completo está disponível apenas para Subscritores.O risco de morte nas pessoas com a vacinação completa contra a Covid-19 foi, em dezembro, três a seis vezes menor em relação às não vacinadas ou sem o esquema completo , avança a análise de risco da pandemia.e receba as informações em primeira mão.

), com o MNE marroquino Nasser Bourita DR Uma fonte militar argelina admitiu a preocupação reinante no país com o reforço de meios militares do reino vizinho, obtido mediante a acrescida colaboração de Marrocos com Israel, sobretudo desde o pacto assinado em 24 de novembro entre os dois países. VER MAIS Já depois da assinatura desse pacto, um drone marroquino abateu três camionistas argelinos no Sahara ocidental e, embora o equipamento fosse neste caso de origem turca, o ataque não deixa de ser visto como um efeito colateral da protecção que o reino de Marrocos passou a sentir a nível militar, por parte de um Estado israelita encarado até aqui como inimigo pela generalidade dos países árabes. Sobre este pano de fundo de agravamento das tensões entre Marrocos e Argélia, veio agora a público a declaração de um responsável militar argelino no  L'Opinion , admitindo o risco palpável de uma guerra a muito curto prazo entre os dois países. “O risco de morte para os casos diagnosticados em dezembro, medido através da letalidade por estado vacinal, foi três a seis vezes menor nas pessoas com vacinação completa em relação às pessoas não vacinadas ou com esquema incompleto” , adianta o relatório hoje divulgado. Segundo aquele militar, identificado como um dos "falcões" das Forças Armadas argelinas, "a Argélia não quer a guerra com Marrocos, mas está pronta a fazê-la". E prossegue: "Se for preciso fazê-la, será agora, porque militarmente somos superiores a todos os níveis e talvez já não seja assim dentro de alguns anos". O risco de internamento no grupo etário dos 80 ou mais anos para as pessoas com um esquema vacinal completo foi menos de metade relativamente aos casos sem um esquema vacinal completo.

E aquilo que poderá mudar o panorama é precisamente a assistência militar israelita ao reino de Marrocos: "Isso vai mudar os dados do problema, numa janela de tempo que calculamos em tr~es anos". O risco de internamento no grupo etário dos 80 ou mais anos para as pessoas com um esquema vacinal completo foi menos de metade relativamente aos casos sem um esquema vacinal completo. Em boa parte, a intensificação das relações israelo-marroquinas foi propiciada pelo reconhecimento, ainda por parte da Administração Trump, da soberania marroquina sobre o Sahara ocidental, em flagrante desafio à política externa argelina, que sempre preconizou a independência daquela antiga colónia espanhola, contra as pretensões anexionistas marroquinas. A cooperação securitária entre Marrocos e Israel foi durante muito tempo um segredo de Polichinelo, mas, ao ser assumida depois da viragem diplomática norte-americana, pôde atingir uma envergadura impossível até então, nomeadamente ao nível dos serviços de informações e da venda do software Pegasus, que tem permitido à espionagem marroquina montar escutas sobre as telecomunicações militares argelinas - e também francesas, como recentemente veio a lume sobre os telefones do próprio presidente Macron. Aquando da visita do ministro israelita da Defesa, Benny Gantz, a Marrocos, para a assinatura do pacto, combinou-se também que Israel fornecesse a Marrocos o sistema anti-drones Skylock Dome, ao mesmo tempo que se assinava um acordo para a venda de drones suicidas no valor de 22 milhões de dólares. Segundo o relatório, este valor da mortalidade pode indicar “uma inversão da tendência estável que se vinha a verificar, dado que se observa um aumento progressivo no número de óbitos diários na última semana”. Acresce que o actual presidente da IAI (Israel Aerospace Industries), o antigo ministro da Defesa Amir Peretz, é um judeu marroquino, olhado com extrema desconfiança pelols meios militares argelinos. Segundo a DGS e o INSA, o grupo etário com maior número de casos de covid-19 internados em UCI é o dos 60 aos 79 anos, mas verificando-se uma tendência estável desde as últimas semanas de novembro.

Ao nível político, tornou-se entretanto indisfarçável a aproximação de Marrocos a Israel, por exemplo com a denúncia emitida em 2018 pelo MNE marroquino Nasser Bourita, de que, através da Embaixada iraniana em Argel, o movimento libanês Hezbollah estaria a colaborar com a Frente Polisário, o movimento de libertação do Sahara ocidental. Quer partilhar este artigo? . As “linhas vermelhas” adiantam ainda que a fração de testes com resultado positivo nos últimos sete dias foi de 14,0%, quando tinha sido de 10,6% na semana anterior, valor que se encontra acima do limiar dos 4% e com tendência crescente.