Piloto repatriado de Wuhan para Natal vai para 3º isolamento contra coronavírus: 'Estar com a família é uma grande diferença'

Coronavírus

Piloto brasileiro repatriado de Wuhan vai para 3º isolamento contra o #coronavírus #G1

Coronavírus

3/26/2020

Piloto brasileiro repatriado de Wuhan vai para 3º isolamento contra o coronavírus G1

Mauro Hart, de 59 anos, estava na China quando surgiu o novo coronavírus e também precisou passar por quarentena no retorno ao Brasil.

Piloto Mauro Hart no voo de volta ao Brasil — Foto: Arquivo pessoal No dia 24 de fevereiro, o piloto de avião Mauro Hart, de 59 anos, desembarcava no Aeroporto de Natal após passar por duas quarentenas - num total de 30 dias - para se prevenir do contágio do novo coronavírus. Ele estava a trabalho em Wuhan, na China, epicentro da doença naquele momento, onde passou pela primeira quarentena. Depois, foi resgatado pelo governo brasileiro. Assim, passou mais 14 dias em observação em Anápolis quando chegou ao Brasil. De volta a Natal há exatamente um mês, o gaúcho, que tem residência fixa na capital potiguar, está tendo que passar novamente por um isolamento social por conta da Covid-19 - a terceira quarentena em 2020. Dessa vez, ao menos, não está só. "Estar com a família é uma grande diferença, porque, além de eu estar mais à vontade, estando em casa eu consigo gerenciar todos os problemas familiares ou os eventos in loco", contou Mauro ao G1. Mesmo em casa, ele liga o alerta em relação à atual quarentena. "Ela não é menos importante e não é menos séria. Ela é muito séria, porque aqui a tendência é de relaxar e a gente pode se contaminar", pontuou. "O vírus se espalha muito rapidamente. E isso nós sabemos. Sabemos a importância de nos proteger, de manter o isolamento". Para Mauro, que passou as duas outras quarentenas sozinho, há outras diferenças no atual isolamento. "Nós já estamos convivendo com o coronavírus há mais de dois meses, então nós já aprendemos muita coisa, já não é um terreno desconhecido. Nós sabemos que é um problema difícil e bem sério. Nós já sabemos as precauções a tomar, o que fazer, e essa é um grande diferença da minha terceira quarentena", refletiu. "A primeira (quarentena) veio tudo de surpresa, era uma terreno desconhecido, foi tenso. Era muito difícil, às vezes até um pouco assustador". Piloto da China Eastern Airlines, Mauro ainda não tem previsão de retorno ao trabalho - a taxa de contágio na China diminuiu nos últimos dias. Enquanto isso, ele tem feito cursos de casa e se mantido em quarentena com a família. Mauro Hart encontra família no aeroporto no dia 24 de fevereiro — Foto: Bruno Vital/G1 "O meu dia a dia aqui é ficar em casa com a família. Eu tenho algumas tarefas domésticas pra fazer e a empresa para a qual eu trabalho tem enviado algumas reciclagens pra fazer online pra nos manter ocupados e atualizados para quando retomarem os serviços", disse. Ele conta ainda que não esperava que o novo coronavírus chegasse tão rápido à Natal e ao Brasil como um todo. "Eu não imaginava que fosse se propagar com tanta rapidez e chegar dessa forma, não só no Brasil, mas no mundo inteiro". Quarentenas diferentes A primeira quarentena, em Wuhan, segundo Mauro, foi a que mais assustou, já que ele e a população da cidade precisavam lidar com o desconhecido naquele momento."Lá eu tive que me preparar, ficar em um lugar seguro no meu apartamento. Eu ficaria lá sozinho por um tempo indeterminado. Eu não sabia quanto tempo. Em função disso, durante uma semana eu fui me abastecendo de alimentos, de material de limpeza, de higiene", falou. "Ficava no meu apartamento até 5 dias sem sair, só ia em extrema necessidade". Com 15 dias, ele foi resgatado pelo governo brasileiro e enviado para ficar em quarentena na cidade de Anápolis. Todos os 58 repatriados testaram negativo para o coronavírus. "Nós ficamos num ambiente confinado, numa quarentena que estava programada, controlada e estávamos sendo acompanhados por uma equipe médica. O objetivo era não trazer o vírus de fora para o Brasil para não contaminar nossa família, amigos e a nação brasileira. Teve um enfoque diferente. De certa forma, ela foi bem tranquila, apesar de estarmos longe da família". Entre 2002 e 2008, Mauro morou em Taiwan e presenciou de perto o surto de síndrome respiratória aguda grave (SARS na sigla em inglês), doença respiratória causada pela família viral coronavírus. A SARS matou cerca de 774 pessoas entre 2002 e 2003. Lá, precisou passar por um isolamento voluntário. "Isso me trouxe um grande aprendizado que eu utilizei nas minhas ações agora", destacou. Com certa experiência no tema e após ter vivenciado um período crítico na China com o novo coronavírus, ele deixa algumas recomendações. Mauro Hart é piloto de avião — Foto: Arquivo pessoal "O que eu posso dizer é que devemos respeitar esse isolamento, levar isso a sério. Proteger os idosos, as crianças, aquelas pessoas que estão debilitadas, com as defesas mais baixas. Cumprir com todas as medidas de higiene, lavar as mãos, não levar as mãos ao rosto e quando for sair tomar todos os cuidados", falou. "E também não entrar em pânico. Não é para sair comprando comida desesperadamente. A tendência é que a cidade vá parar, como eu vi acontecer lá na China. O que eu digo é para não entrar em pânico, que isso vai passar". CORONAVÍRUS Consulte Mais informação: G1

Qual música ele vai pedir no showdavida ? Êita caraio! Que ele esteja bem. É uma época estranha essa, perdemos a delimitação da nossa zona de conforto. Que saiamos logo dessa situação. Já pode pedir música no fantástico! showdavida

Isolamento de Wuhan será suspenso em 8 de abril - CartaCapitalA província chinesa de Hubei, onde a covid-19 surgiu em dezembro, prepara-se para suspender sua quarentena. Leia mais:

Brasileiro isolado há 66 dias em Wuhan: ‘Parei de checar casos e mortes’O professor de judô Rodrigo Silva Duarte recomenda paciência, exercícios físicos e cuidados com o lado psicológico para enfrentar isolamento Cerveja, picanha e wifi Já passou a ser sessentena.

Fundação Dorina Nowill disponibiliza livros infantis acessíveis para cegos - Cultura - EstadãoEm meio ao isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus , livros para crianças com deficiência visual estão disponíveis pela biblioteca virtual

Coronavírus deixa cidades vazias pelo mundo; FOTOSMedidas como o isolamento social, fechamento de comércio e serviços não essenciais e restrição de circulação estão deixando as ruas vazias para evitar a propagação do novo coronavírus .

Pornhub disponibiliza acesso premium de graça em todo o mundoA iniciativa, que vai até o final de abril, visa colaborar com a campanha de distanciamento social para se proteger do Coronavírus ! tecmundo CdNLeon olha aí ! MeDaDinheiroPf se tava querendo ó... diass_peedro e H473R_BF tbm devem tá querendo At least some relief...

Quarentena reduz 'substancialmente' disseminação do coronavírus, aponta pesquisa - Política - EstadãoEstudo publicado na revista Science conclui que medidas drásticas surtiram efeito na China; presidente Jair Bolsonaro criticou medidas de isolamento social adotadas por governadores para combater coronavírus Politica Continuem usandi essas fotos pra tudo lkkkkkkkkkkk Politica Politica Certeza que a pesquisa não foi feita na Italia. Pessoas a mais de 40 dias confinadas.



Gabriela Prioli deixa a CNN e alega constrangimento | VEJA Gente

Twitter apaga publicações de Jair Bolsonaro por violarem regras da rede

Médico diz que Covid-19 pode matar até 200 mil nos EUA

Após Twitter, Facebook e Instagram excluem vídeo de Bolsonaro por 'causar danos reais às pessoas'

Após provocar aglomeração durante passeio em Brasília, Bolsonaro volta a se posicionar contra o isolamento social

Efeito Bolsonaro: 43 cidades do Paraná vão reabrir o comércio na quarta | Radar

Quanto mais a pandemia do novo coronavírus amedronta, mais a sociedade confia no jornalismo - Cultura - Estadão

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

25 março 2020, quarta-feira Notícia

Notícias anteriores

Há um mês, Itália resistiu a tomar medidas mais restritivas contra coronavírus; hoje soma 7,5 mil mortes

Próxima notícia

Bolsa fecha em alta de 7,5% e dólar encerra a R$ 5,03 - CartaCapital
Aras pede que STF derrube decretos estaduais que restringem circulação | Radar “Não dá mais para continuar passando a mão na cabeça do Bolsonaro” Unicamp e USP desenvolvem teste rápido e barato para identificar coronavírus Ministro da Defesa divulga nota para exaltar golpe de 1964 - Política - Estadão Cidades brasileiras registram panelaço contra Bolsonaro pelo 14º dia seguido A pedra no caminho - Opinião - Estadão ‘O Poço’: um filme ruim, mas que diz muito sobre a atual pandemia | Tela Plana Ministro do STF pede parecer da PGR sobre notícia-crime contra Bolsonaro | Radar Hospital Albert Einstein afasta 348 funcionários com coronavírus 'Mandetta me pediu para colocar funerárias em alerta', diz governador do Acre - Política - Estadão Moro autoriza emprego da Força Nacional em apoio ao Ministério da Saúde Mandetta: não tem fórmula pronta, vamos criar nossa dinâmica social - ISTOÉ Independente
Gabriela Prioli deixa a CNN e alega constrangimento | VEJA Gente Twitter apaga publicações de Jair Bolsonaro por violarem regras da rede Médico diz que Covid-19 pode matar até 200 mil nos EUA Após Twitter, Facebook e Instagram excluem vídeo de Bolsonaro por 'causar danos reais às pessoas' Após provocar aglomeração durante passeio em Brasília, Bolsonaro volta a se posicionar contra o isolamento social Efeito Bolsonaro: 43 cidades do Paraná vão reabrir o comércio na quarta | Radar Quanto mais a pandemia do novo coronavírus amedronta, mais a sociedade confia no jornalismo - Cultura - Estadão Dono da Havan opera junto a empresariado para acabar com quarentena | Radar Quem tem juízo e quem não tem - Opinião - Estadão Bolsonaro diz que Moro é egoísta e não ajuda governo em crise do coronavírus - Política - Estadão Após Mandetta reforçar isolamento, Bolsonaro visita comércios e cumprimenta populares em Brasília - Política - Estadão ‘Dificuldade com o Congresso cria dificuldade com o governo’, diz Temer