Novo promotor assume grupo que investiga caso Marielle no MP do Rio

Novo promotor assume grupo que investiga caso Marielle no MP do Rio

21/01/2021 23:29:00

Novo promotor assume grupo que investiga caso Marielle no MP do Rio

Bruno Gangoni já atuava sob o comando da promotora Simone Sibilio, que sai das investigações após dois anos e quatro meses

Atualizado em 21 jan 2021, 16h47 - Publicado em 21 jan 2021, 16h11Marielle Franco, vereadora do PSOL assassinada em atentado em 2018 Mídia Ninja/.PublicidadeO caso dos assassinatos da vereadoraMarielle Franco(PSOL) e de seu motoristaAnderson Gomes

Galo usado em rinha ilegal na Índia mata o próprio dono - BBC News Brasil Ocupação militar - ISTOÉ Independente Marina Silva se vê longe da disputa em 2022 e sugere frente pró-Ciro - Política - Estadão

terá um novo condutor: o promotor de JustiçaBruno Corrêa Gangoniassume o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) doMinistério Público do Rio de Janeiro. A ele competirá a tarefa de coordenar a descoberta dos mandantes do duplo homicídio ocorrido em 14 de março de 2018. A nomeação foi publicada no Diário Oficial do MP do Rio na última segunda-feira, 18.

Ele substitui a promotoraSimone Sibilio, que sairá do Gaeco e retornará ao 2º Tribunal do Júri. Ela conduziu o caso por dois anos e três meses juntamente à promotoraLetícia Emile, que também vai deixar o Gaeco.Gangoni, por sua vez, trabalha no grupo especializado desde 2018. Ele é titular da Promotoria de Justiça no Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e Especial Adjunto Criminal de Belford Roxo, na região metropolitana do Rio, e está no MP do Rio desde 2003. Também já integrou o Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (Gaesp), entre 2017 e 2020. headtopics.com

Bruno Gangoni posa para foto enquanto ainda atuava no Gaesp; ele vai chefiar o Gaeco MP-RJ/Divulgação“Atuou também no Centro Integrado de Apuração Criminal (CIAC/MPRJ), entre 2007 e 2009, ocasião em que contribuiu para acelerar a conclusão de cerca de 100 mil inquéritos policiais em trâmite nas Delegacias de Acervo Cartorário”, disse o MP-RJ em nota.

O Gaeco, no entanto, deve ter a equipe reduzida – hoje, o grupo atua com 28 promotores em sua equipe. Outros dois membros do Gaeco foram confirmados para a gestão de Gangoni:Marcelo Winter GomesMichel Queiroz Zoucas, que já atuavam no núcleo.

Simone Sibilio e Leticia Emile faziam parte do núcleo duro das investigações do caso Marielle e Anderson. Elas entraram em setembro de 2018 na condução das investigações. Foi sob suas tutelas que as investigações prenderam, em 12 de março de 2019, o PM reformado

Ronnie Lessae o ex-PMÉlcio de Queiroz, réus apontados, respectivamente, como o atirador e o motorista do Cobalt clonado que emboscou a vereadora e seu motorista em março de 2018. Eles estão presos em penitenciárias federais e vão a júri popular, ainda sem data marcada. headtopics.com

Jovem cria manual para idosos usarem WhatsApp com níveis de aprendizagem: 'Eles sentem que estão atrapalhando em perguntar' Paraibano compra carro de luxo, ‘não cabe’ no veículo, e vídeo viraliza na web; ‘era um sonho’ Orlando Drummond recebe segunda dose da vacina contra a Covid-19 no Rio

Com a posse do novo procurador-geral Luciano Mattos, o MP do Rio está reestruturando os núcleos de atuação. Uma Comissão Provisória de Trabalho foi montada com esse intuito.Investigações contra Flávio e Carlos Bolsonaro

Não se sabe ainda se o Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), núcleo criado pelo ex-procurador geral Eduardo Gussem em novembro de 2016, vai continuar. Foi o Gaecc, sob comando da procuradora Patrícia Vilella, quem investigou e denunciou o senador

Flávio Bolsonaro(Republicanos) pelo suposto esquema de corrupção em seu gabinete enquanto era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O Gaecc investiga, também, o suposto esquema de funcionários-fantasma no gabinete do vereador

Carlos Bolsonaro(Republicanos). Ambos são filhos do presidente Consulte Mais informação: VEJA »

Um ano de Covid-19 em São Paulo | São Paulo | G1

Deixem-na descansar em paz. Chega de explorá-la. Domingos Brazão vcs não aceitaram q foi ele,por quê será? Será porque revela q partido comunistas matam até os parsas? Meu c Meu c Meu c Meu c Meu c A ta meu c. de novo O silêncio de Marielle sobre o impeachment é ensurdecedor. Um crime que nunca serae desvendado...

Blz! Cara...tá difícil desvendar e resolver isso, a pergunta que fica é porque? O defunto esfriou, é preciso requentá-lo.... Foda-se. Foda-se