Coronavirus, Coronavirus Covid-19, Enfermedades Respiratorias, Neumonía, Emergencia Sanitaria, Enfermedades İnfecciosas, Asistencia Sanitaria, Violencia Machista, Colombia

Coronavirus, Coronavirus Covid-19

“A violência de gênero é uma pandemia silenciosa”

Na Colômbia, 12 mulheres foram assassinadas durante a quarentena. No Brasil, denúncias subiram 9%. Ana Güezmes, representante de ONU Mulheres, fala sobre os impactos da pandemia nas mulheres

09/04/2020 03:59:00

Na Colômbia, 12 mulheres foram assassinadas durante a quarentena. No Brasil, denúncias subiram 9%. Ana Güezmes, representante de ONU Mulheres, fala sobre os impactos da pandemia nas mulheres

Na Colômbia, 12 mulheres foram assassinadas durante a quarentena. No Brasil, denúncias subiram 9%. Ana Güezmes, representante de ONU Mulheres, fala sobre os impactos da pandemia nas mulheres

, entre 2014 e 2016, ou a zika, entre 2015 e 2016, é que desde o início as respostas às epidemias precisam incluir uma abordagem de gênero. Isto porque os impactos das epidemias acentuam as desigualdades de gênero e o risco de violência aumenta em espaços de isolamento.

Duas novas autópsias afirmam que George Floyd foi morto por asfixia ‘Finalmente acertamos o alvo’, diz criador de movimento contra Bolsonaro Intimada a depor na PF, Sara esbraveja: ‘Não vou’

P.Como esta pandemia afetará especificamente as mulheres?R.Outra crise, a de 2008, não na saúde, mas financeira, nos indicou que temos de ter a proteção reforçada para que os impactos econômicos não gerem ainda mais vulnerabilidade para as mulheres, que se situam principalmente no setor informal da economia ou no do trabalho não remunerado, em casa ou em setores da economia que serão afetados pelo confinamento. Na

Colômbia, três em cada dez mulheres não têm renda própria, em contraste com um em cada dez homens. O chamado é para que sejam adotados mecanismos de compensação para as mulheres e medidas de subsistência. Além disso, que se mantenham os orçamentos, que já eram muito baixos, na questão de gênero. No caso da Colômbia, vimos a liderança das prefeitas de Bogotá e Santa Marta, e a da vice-presidenta, mas, em certo sentido, em toda a região, a liderança na tomada de decisões está nas mãos dos homens.

P.E quais são os pontos fortes das mulheres nesse contexto?R.América Latina, elas representam 74% dos empregados no setor social e de saúde. Sabemos que são as líderes, defensoras da comunidade, a linha de frente nos serviços básicos, e em supermercados, farmácias, na limpeza, estão na primeira linha da resposta. No entanto, representam muito pouco nas posições de tomada de decisão.

P.Então elas também estão na linha de frente do risco ...R.Não apenas médicos e enfermeiros, também 90% das pessoas que fazem limpeza em hospitais são mulheres. Faço um chamado para que nos aplausos os agradecimentos incluam também aquelas que estão no estrato mais baixo da economia, ganham salários menores e muitas vezes são as que enfrentam maiores riscos sociais e no trabalho. Assim como é importante que as delegacias de polícia e os sistemas de investigação trabalhem para combater a violência de gênero na pandemia, também é importante que essas mulheres que estão na linha de frente recebam os equipamentos de proteção. Por outro lado, elas assumem uma grande carga nos custos físicos e emocionais. Não devemos esquecer que muitos delas, quando voltam para casa, fazem o trabalho doméstico.

P.O confinamento de milhões de pessoas tem sido a particularidade desta pandemia e aumenta o medo das mulheres.R.O isolamento tem um efeito maior para as mulheres. O último relatório do serviço emergencial 155 mostrou um aumento de 50% nas queixas de violência de gênero na Colômbia. A experiência de países que têm quarentena há vários meses,

como a China, é que triplicou o número de denúncias de violência por parte da mulher. Na Colômbia, três em cada dez mulheres relatam sofrer violência de seu parceiro. Por outro lado, 77% da violência sexual denunciada ocorre na residência e o agressor geralmente é uma pessoa próxima. O lar não é um espaço seguro para mulheres e meninas.

Celso de Mello vê semelhança entre Brasil atual e Alemanha nazista e diz que apoiadores de Bolsonaro 'odeiam' democracia 'Ideia não é ter competição', diz cientista brasileira que integra pesquisa da vacina de Oxford - Saúde - Estadão Lewis Hamilton, Michael Jordan, Serena Williams: atletas se manifestam sobre morte de George Floyd

P.Que medidas os Governos devem tomar para evitar que a violência se exacerbe durante a quarentena?R.É importante que os serviços de atendimento aos casos de violência sejam considerados essenciais. No caso da Colômbia, o Ministério da Justiça emitiu o decreto 460 para garantir que as delegacias de família continuem funcionando; o Conselho da Mulher preparou um memorando sobre prevenção e atendimento em nível local; e foi criada uma linha de denúncia em que a Procuradoria situa o risco de feminicídio como uma prioridade. Busca-se que todo o plano de contingência realmente dê uma resposta à pandemia do Covid-19, mas também a esta outra pandemia que é mais silenciosa e com altos níveis de impunidade. Nós também chamamos a atenção para serviços essenciais relacionados à saúde reprodutiva e para mulheres grávidas. O que vimos em outras epidemias é que a saturação dos sistemas de saúde limita outros serviços essenciais para as mulheres.

P.Já existem casos de feminicídio. E a resposta?R.A ativação do alerta requer uma resposta de emergência. Recomendamos que as medidas cautelares das mulheres sejam automaticamente ampliadas por toda a quarentena, como fizeram a Argentina e o Uruguai. Isso significa que as mulheres que já tinham medidas de proteção não precisam comparecer às delegacias de polícia. Também reiteramos que é preciso fortalecer as redes de resposta de centros de refúgio e casas temporárias. Existem algumas iniciativas locais, mas são claramente insuficientes. Está sendo feita a tentativa de adaptar hotéis como espaços de abrigo temporário, não apenas para mulheres vítimas de violência, mas também para mulheres em situação de rua. É preciso também dotar de equipamentos de proteção as pessoas que trabalham em delegacias de polícia, pois às vezes não têm Internet ou dados de celular. E, finalmente, que as pessoas que atendem as ligações de emergência sobre Covid-19 e segurança estejam informadas sobre como lidar com situações de violência.

P.Outra peculiaridade na Colômbia é o ataque a líderes sociais em suas casas. Qual é a situação na quarentena das mulheres defensoras dos?R.De fato, este é um ano em que estamos especialmente preocupados com os assassinatos de líderes e de líderes mulheres. Sabemos que há controle territorial (de grupos armados em algumas regiões) e isso gera uma ampla vulnerabilidade para os defensores dos direitos humanos. Por causa desta pandemia alertamos para quatro tipos de violência: a familiar e a sexual; a exploração sexual, que afeta especialmente migrantes e trabalhadores informais que, ao perder suas fontes de renda, podem entrar nas redes de exploração; o terceiro é o tráfico, que se exacerba com o fechamento de fronteiras; e um quarto é a violência cibernética. Mas na Colômbia existe um quinto, o risco para as defensoras da vida, da paz e do território.

Consulte Mais informação: EL PAÍS Brasil »

Recebi uma mensagem nessa semana de áudio, daí liguei era para se estivesse sofrendo abusos que denunciasse através do disque 100 ,existe alguma campanha nesse sentido de enviar mensagens por áudio para os números e incentivar a denúncia? Alguém sabe? 🙄 Esperavam o quê? Se são violentos in natura imagina submetidos a frustação, ameaçados na sua potência (ganhos) e sendo solicitados emocionalmente quando são deserto. Vai dar ruim, já está dando.

Na Colômbia, indígenas que desrepeitam a quarentena são presos pelos pésEm cidade de Córdoba, moradores que infringem regras obrigatórias de isolamento recebem o castigo por pelo menos meia hora em praça pública A civilização avançada do século 21 Voltamos a idade média Voltamos ao período de escravidão

Na Colômbia, moradores são presos pelos pés por desrespeitar à quarentena - ISTOÉ IndependenteA prefeitura de Tuchín, em Córdoba, na Colômbia, decidiu punir de uma maneira inusitada os moradores que desrespeitam as medidas de isolamento social para evitar o avanço do novo coronavírus na cidade. Quem for flagrado burlando a determinação pode ser preso pelos pés em uma estrutura de madeira conhecida como cepo em uma das praças … Ouxe .. mas estão um perto do outro aí... Povo contraditório e hipócrita.

Pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais deve começar na quinta-feira, diz governoPrimeiros a receber deverão ser os que estão no Cadastro Único, não recebem Bolsa Família e têm conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa Econômica Federal. Quem não está inscrito precisa fazer isso via aplicativo de celular ou site. ThiagoSouzza69 Globo lixo, nós não acreditamos em uma virgula do que escrevem. O app não funciona e o site está fora do ar :(

Com quase 9.000 mortos, França entra na quarta semana de quarentenaEm consequência do impacto econômico do coronavírus, a França pode registrar em 2020 sua pior recessão desde o fim da Segunda Guerra Mundial, afirmou o ministro da Economia, Bruno Le Maire. Culpa do PT globo é um lixo.

Cuidadoras de idosos enfrentam abusos e riscos na pandemia de coronavírus - CartaCapital“As cuidadoras são as que mais estão sofrendo. Estão sendo escravizadas. Há filhos que nem iam ver os pais e agora largam cuidadoras na casa, sem poder sair”, diz a assessora jurídica do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de São Paulo Leia mais: Vão alesp cobrar : Com certeza. Elas têm a vida delas,fora dali. Têm família, filhos, marido. Abusos? Elas maltratam os velhinhos!

Ônibus continuam circulando lotados no Rio; passageiros são retirados de coletivos na Avenida BrasilÔnibus continuam circulando lotados no Rio; passageiros são retirados de coletivos na Avenida Brasil G1 Claro porra. Como acham que o dinheiro irá chegar na mesa do pobre? Rico é mole fazer quarentena. Vai o pobre ficar sem ir ganhar o pão de cada dia para ver ForaFlay Quarentena pra vcs, caminhada na praia para mim