Pré-Publicação, Governação, Norte, Estado, Covid-19, Política Cultural, Portugal, Governo, Porto, País, Livros, P2

Pré-Publicação, Governação

Uma hipótese a norte para que Portugal saia mais forte da crise

Pré-publicação: Uma hipótese a norte para que Portugal saia mais forte da crise

02/05/2021 10:56:00

Pré-publicação: Uma hipótese a norte para que Portugal saia mais forte da crise

Inspirados pelo “sentido da média virtude” de Agustina, onde cabem, entre outras rebeldias, “a paixão de contradizer e de violar a lei, de dar testemunho, opinião e parecer”, três nortenhos propõem saídas menos centralizadas para o pós-pandemia.

), são notoriamente insuficientes as iniciativas visando a definição de um conceito estratégico sólido e significativamente consensual.Não conseguimos, de facto, levar a cabo um verdadeiro debate nacional que questionasse o que está errado, refletisse sobre os caminhos desejáveis e se saldasse por uma espécie de cérebro coletivo à escala nacional, formado numa interação de pensamentos diversos e plurais e capazes de se fazerem perceber uns aos outros; como nada indica que possa existir empenho político bastante para tal, de forma a incentivar uma imperiosa mudança.

Covid-19. Portugal regista mais duas mortes e 1233 casos Dos cerca de dois milhões de pessoas com vacinação completa em Portugal, 1231 ficaram infectadas Pai de Noah e cadela da família juntam-se às buscas em Poença-a-Velha. Veja as imagens

Também não deixa de ser um facto que a sociedade não o exige alto e bom som. As chamadas “elites” vivem sob um significativo grau de isolamento e indiferença, o qual se repercute na restante população, que assim se vai vendo excluída dos grandes debates e tornando descrente quanto à potencial diferenciação decorrente das suas iniciativas individuais ou de grupo; resulta uma acomodação, preguiçosa e improcedente, à ideia de que caberá ao Estado enfrentar todos os problemas — uma ideia que é, aliás, contraditória com a crescente descrença nos governantes e na ação política.

FotoUm ano depois da pandemia,"são notoriamente insuficientes as iniciativas visando a definição de um conceito estratégico sólido e significativamente consensual"Paulo PimentaO sentimento generalizado é, portanto, o de que um marcado conformismo vai conduzindo uma navegação que acontece ao sabor de uma lógica assente no headtopics.com

business as usual. Para lá de insuportáveis bravatas sobre feitos e milagres nacionais de toda a ordem, o que subsiste é a inflexibilidade que impregna a administração pública, a modorra das organizações da sociedade civil e a tentação fácil de se procurarem iniciativas em grande e grandes obras (sem a devida avaliação do custo de oportunidade dessas escolhas, quase sempre de maturidade duvidosa e mal ou nada articuladas entre si).

(…)Insistimos: não vimos tanto a terreiro com a expectativa de remar, decerto ingloriamente, contra as cartas marcadas de um destino empedernido — como disse Ângelo de Sousa, “passo a vida a esperar e depois nunca acontece nada, graças a Deus ou infelizmente” —, antes o vimos fazer com a firme e simultânea vontade de minimizar pela denúncia os arautos de “ideias brilhantes” que invariavelmente redundam em “mais do mesmo” e de afirmar, a partir do nosso ângulo muito próprio de visão, algo que possa ajudar a abrir outros espaços de respiração; um

e pur si muoveassente no quanto ainda se vai conseguindo viver com qualidade neste “lindo torrão lusitano” ou no quanto nos apraz ir observando que algo de novo se vai passando a Norte.Sentimo-nos próximos, em vários destes níveis, de alguns dos que no presente espaço público vão deixando marcas de reflexão que vamos lendo como convergentes, em sentido mais estrito ou mais lato e na sua por vezes imensa distância circunstancial ou ideológica. De José Pacheco Pereira (“o liberalismo é igualmente importante para perceber como cidades ‘burguesas’ como o Porto estiveram sempre à frente dos combates pela liberdade”) a Clara Ferreira Alves (“desde o império que Portugal vive embasbacado com as injeções de capital”), de Miguel Sousa Tavares (“há uma outra franja de descontentes, que não o são com a democracia, mas com a forma como os destinos do país são conduzidos”) a Henrique Raposo (“o Norte está no ângulo morto de Lisboa”), de António Barreto (“o interior é um conceito, não uma realidade”) a João Miguel Tavares (“Portugal tornou-se um país viciado em fundos europeus”), de Manuel Carvalho (“acredita-se nesse velho princípio sábio da política, o da subsidiariedade, que nos diz que tudo o que se puder decidir no local não deve passar para a esfera nacional”) a João Vieira Pereira (“desafio alguém a tentar explicar qual é a ambição traduzida por estes documentos [PRR; Estratégia Portugal 2030]; que Portugal esperam que tenhamos no fim da chuva de milhões?”), para apenas mencionar alguns de entre inúmeros exemplos elucidativos possíveis.

FotoClara Ferreira Alves: “Desde o império que Portugal vive embasbacado com as injeções de capital"Nelson GarridoNão obstante, assumimos, sem qualquer espécie de rebuço e muito orgulhosamente, toda a nossa filiação genética e cultural nessa “ingerência da média virtude que no Porto é uma espécie de estigma vermelho de todas as classes” e que Agustina tão brilhantemente identificou e caracterizou. Um “sentido da média virtude, onde cabe o vício discreto, a agressão judiciosa, a malignidade discursiva, a paixão de contradizer e de violar a lei, de dar testemunho, opinião, parecer, outras tantas achegas moralizantes ao arrepio da moral rígida e rotulada” e uma “alma coletiva da média virtude que vem pôr em ridículo a palavra excelente demais ou pôr em dúvida a força da lei ou o esplendor da promessa”. headtopics.com

É o momento do Euro: ao minuto 10, belgas e dinamarqueses pararam o jogo para aplaudir Eriksen Deputada pede desfibriladores automáticos externos em todos os recintos desportivos e escolas Pedrógão Grande: Marcelo evoca vítimas e diz que associação ainda trava batalhas

Mas não é nossa convicção que essa nossa circunstância releve de qualquer laivo de superioridade comparada ou verdade absoluta; pelo contrário, vemo-la como convivendo o mais possível com o relativismo que o bom senso recomenda, ademais em períodos de “incerteza radical” como aquele que em que vivemos.

O livro inclui sete capítulos, os primeiros seis de natureza predominantemente analítica e tendentes a enquadrar a visão da economia e sociedade portuguesas que sustentamos como fundamento último para a proposta óbvia de que mudemos coletivamente de vida. Neles abordaremos o crescimento que não acontece, o “rentismo” em que nos viciamos, o endividamento que nos atingiu, as condicionantes macroeconómicas e microeconómicas que nos envolvem, as dimensões setoriais e territoriais em que operamos, as limitações institucionais e culturais que nos inibem.

Pelo meio, procuraremos dar nota do modo inovador como vem sendo recentemente percecionada a problemática do crescimento económico de um país, orientando-a para a apreensão teórica e empírica da complexidade dos sistemas económicos; do que retiraremos algumas implicações que julgamos essenciais para o caso português. O capítulo sete decorre de todos estes resultados, ponderados por uma intuição que de há muito vimos consciencializando: a de que haverá, porventura, uma hipótese a norte de se contribuir para que o país saia mais robusto da crise, talvez suscitando a oportunidade de transformações que já deveriam ter sido feitas, mas que agora se revelam inadiáveis.

FotoFernando Freire de Sousa, Guilherme Costa e Rui Moreira, autores deBalada da Média VirtudeMiguel NogueiraEm suma: para um país diverso como é o nosso será excessivamente reducionista considerar-se que apenas existe um remédio que sirva a todas as suas regiões — a várias regiões, do ponto de vista da sua tradição e cultura e da sua base económica e industrial, terão de corresponder vias específicas e adequadas à realidade concreta em presença. Pelo que o que almejamos apresentar mais não pretende ser do que uma leitura inteligível e integradora numa perspetiva de complementaridade nacional em relação a distintos contributos e caminhos, sem prejuízo de um natural aprofundamento de propostas cuja aplicabilidade se dirige preferencialmente à nossa região, aquela onde vivemos e que melhor conhecemos. headtopics.com

Defendemos, pois, a razão de ser de uma estratégia de desenvolvimento industrial para o Norte (mais precisamente para o Noroeste industrializado e exportador) que, não sendo decidida na capital (ou por ela imposta), também não devesse excluir, antes saudar e reconhecer, o sentido de uma articulação com estratégias de outras procedências, nomeadamente da região de Lisboa — a outra grande macrorregião do país.

Deste modo, a zona mais litoral a norte teria de prosseguir com sustentação o seu processo de crescimento, recorrendo a medidas de reforço que apenas consumiriam uma fraca parcela da dotação total dos recursos que estão para chegar da Europa (a tal “bazuca”). Em paralelo, poderia prescindir-se de uma acentuação no

Diretor da UEFA lamenta atitudes de jogadores que afetam patrocinadores Jessica Nogueira ameaça expor mensagens que recebe de 'homens casados' Vacina alemã CureVac contra a Covid-19 demonstrou eficácia de apenas 47%

quantume nos modos de repartição desses fundos — isto é, de uma definição prévia da proporção de recursos que pudéssemos entender como devendo caber-nos — em favor de lógicas redistributivas e de complementaridade económica inteligentes que fossem direcionadas às zonas do interior e assim procurassem contribuir para efetivar um renovado sentido à fixação e vivência nesses territórios e ao seu estatuto de membros de parte inteira da comunidade nacional.

É nosso entendimento que não é mais tempo de alinhar em “jogos de soma nula”; mas é sabido que “são precisos dois para dançar o tango”. Não deveria mais pretender-se legitimar como nacionais estratégias do âmbito exclusivo dos interesses que gravitam em torno da “corte” e do seu modelo económico caduco, estratégias essas que perpetuam os maus vícios de “grandes projetos” sem retorno económico sustentado, cujos supostos ganhos estão longe de demonstrados e cujos efeitos negativos noutras regiões estão longe de acautelados e, por fim, que prolongam uma injusta manutenção de mecanismos rentistas prejudiciais às dinâmicas económicas de todos os territórios (sem exceção, embora com manifestações espacialmente diferenciadas) e do todo nacional.

Balada da Média Virtude - Outras hipóteses para a economia portuguesaAutoria: Fernando Freire de Sousa, Guilherme Costa e Rui Moreira Consulte Mais informação: Público »

″Esperava uma grande afluência, não uma avalancha″ no ginásioGinásio de Famalicão preparou-se de raiz para as novas regras.

Uma cimeira de sucesso para uma presidência discretaLíderes europeus assinam Declaração do Porto para a aplicação do pilar social e relançam a sua parceria estratégica com a Índia. António Costa recusa “declarações proclamatórias” e salienta o trabalho conjunto de Portugal com a Comissão, o Parlament Trabalho discreto para cimeira de sucesso.

“Devia ser enforcado, uma pessoa que assina uma coisa destas”Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica e da Promovalor na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco sobre quem fez o contrato de venda do Novo Banco à Lone Star. Recorde-se que Mário Centeno era ministro das Finanças quando o Estado português acertou a venda do Novo Banco à Lone Star. Diário de Notícias, 11/05/2021

''O Amor Move Montanhas'' é uma história de uma agricultora“O Amor Move Montanhas“ é uma história de uma agricultora

Bino Maçães: «Equipa teve uma grande alma e espírito de entreajuda, uma equipa 'à Vitória'»V. Guimarães - Bino Maçães: «Equipa teve uma grande alma e espírito de entreajuda, uma equipa 'à Vitória'»