Primeiro-ministro admite continuar a governar, mesmo que o Orçamento chumbe

O primeiro-ministro diz-se preparado para continuar a governar o país mesmo que o Orçamento não passe no Parlamento

23/10/2021 12:21:00

O primeiro-ministro diz-se preparado para continuar a governar o país mesmo que o Orçamento não passe no Parlamento

O primeiro-ministro diz-se preparado para continuar a governar o país mesmo que o Orçamento não passe no Parlamento. Legislativas antecipadas, diz, são 'um cenário' que nunca colocou em cima da mesa, mas assegura que respeitará a decisão do Presidente da República.

E usufrua de todas as vantagens de ser assinanteO primeiro-ministro afirmou-se hoje preparado para continuar a governar, mesmo se o Orçamento para 2022 chumbar, mas adiantou que respeitará se o Presidente da República tiver um entendimento diverso e convocar eleições antecipadas.

Francisco Louçã: ''Rangel é mau em campanhas eleitorais'' Estado vai pagar às empresas para compensar aumento do salário mínimo «Nós somos o Bayern, tu não»: Assembleia Geral do clube alemão a 'ferro e fogo'

Esta posição foi transmitida por António Costa em conferência de imprensa, no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, que começou na sexta-feira à noite.Questionado se está preparado para ir a eleições na sequência de um eventual chumbo do Orçamento do Estado para 2022, o secretário-geral do PS começou por responder:"Se [os partidos] disserem que não, então eu estou preparado para cumprir os meus deveres para com o país, que é manter o país na trajetória de governação que tem vindo a ser prosseguida".

Leia TambémOrçamento tem folga para baixar défice até 2% se pandemia acabar em 2022"Se o senhor Presidente da República entender de uma forma diversa, eu respeitarei a decisão, e estou preparado para tudo. Agora, para já, para já, estou preparado para cumprir o meu dever. E o meu dever é continuar a governar e conduzir o país nestas águas que ainda são bastante turbulentas, e onde não convém introduzir fatores de instabilidade, de incerteza que perturbem a recuperação económica e social", completou. headtopics.com

Antes, interrogado se janeiro, fevereiro será a pior altura para o PS ir a eleições, o líder socialista alegou que legislativas antecipadas"é um cenário" que nunca colocou em cima da mesa."O senhor Presidente da República, enfim, entendeu dizer que, se o Orçamento não fosse aprovado, era a consequência que retiraria. Essa preocupação não foi nem uma consequência que nós considerássemos inevitável, nem uma consequência em que nós estejamos a trabalhar", afirmou.

Leia TambémAntónio Costa reiterou que o seu Governo trabalha para ter um Orçamento viabilizado, porque"seria uma enorme perda para o país perder a oportunidade de ter um bom Orçamento". Consulte Mais informação: Jornal de Negócios »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan