Sociedade, Covıd-19, Rendimento Social De Inserção, Pandemia

Sociedade, Covıd-19

Pandemia acentuou desigualdades na saúde, educação e no trabalho, confirma estudo

Pandemia acentuou desigualdades na saúde, educação e no trabalho, confirma estudo

03/03/2021 14:36:00

Pandemia acentuou desigualdades na saúde, educação e no trabalho, confirma estudo

O relatório 'Portugal, Balanço Social 2020' da Nova SBE analisou dados referentes a 2019 e os efeitos socioeconómicos da primeira vaga de covid-19. Entre janeiro e setembro, registou-se um aumento de 11 mil novos beneficiários do RSI.

SubscreverAlém de terem sido quem perdeu mais rendimento, os números mostram que"apenas 8% dos respondentes com escolaridade até ao 3º ciclo ficaram em teletrabalho, face a 56% dos que tinham concluído o Ensino Superior".

Julian Weigl abandona estágio do Benfica em conflito com Jorge Jesus Antiga moradia de Ronaldo no Gerês não será demolida porque o crime prescreveu Cortar as emissões? EUA têm de acabar com a “loucura” dos subsídios aos combustíveis fósseis, diz Greta

Entre os inscritos nos centros de emprego - que registaram um aumento de 106 mil pessoas em setembro de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019 -, os mais afetados foram os jovens até aos 25 anos e com escolaridade até ao 12º ano. As mulheres mantêm-se como a maioria entre os desempregados.

Por outro lado, onível de endividamento das famílias aumentou durante os meses do primeiro confinamento, tendo diminuído nos meses seguintes"graças às garantias do Estado e à moratória pública dos créditos bancários". headtopics.com

Ainda assim, refere o relatório, foi registado umcrescimento de 11 mil beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI) entre janeiro e setembro de 2020.Os reflexos das desigualdades alastram-se ao campo da educação. Os investigadores sublinham a"enorme mudança" na vida dos alunos com o fecho das escolas há um ano, afirmando que

nem a telescola terá chegado a todos os estudantes da mesma forma."O aumento [de 60%] de espetadores não é homogéneo entre classes sociais, sendo mais expressivo entre os mais ricos (classes A e B)", lê-se no documento.

A dificuldade de participação no ensino digital tornou"os alunos de famílias mais pobres potencialmente mais vulneráveis", sendo que no ano letivo 2017/2018 apenas 62% dos alunos com apoio social tinham acesso a um computador e 52% à Internet.

Pobreza: Portugal acima da médiaCom exceção do período da crise financeira, o relatório realça a redução da prevalência da pobreza e privação material ao longo da última década. Os dados apresentados mostram que, em headtopics.com

Weigl abandona estágio do Benfica contra a vontade de Jesus Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição da comissão de inquérito do Novo Banco É preciso pôr fim à escalada militar russa na Ucrânia

2019, as taxas de risco de pobreza e de pobreza extrema (antes de transferências sociais) eram de 17,2% e 10,4%, respetivamente.No mesmo ano, o limiar de pobreza no país estava fixado em 6014 euros por ano e 12,5% da população portuguesa encontrava-se em situação de pobreza persistente.

"As famílias pobres são as que enfrentam maiores dificuldades no acesso ao mercado de trabalho, à educação superior e à saúde (24,1% dos pobres consideram a sua saúde como má ou muito má) e as que vivem em piores condições habitacionais (26% em privação habitacional severa) e que menos participam em atividades político/sociais (60%)", explica a equipa responsável pela análise.

De acordo com os investigadores,Portugal continua acima da média da União Europeia no que respeita aos indicadores de pobreza ou exclusão social (21,6%), risco de pobreza (17,2%) e privação material (5,6%) Consulte Mais informação: Diário de Notícias »