OMS alerta para falsos medicamentos para a Covid-19 com ''efeitos colaterais sérios''

Principalmente nos países em desenvolvimento.

10/04/2020 11:41:00

OMS alerta para falsos medicamentos para a Covid-19 com “efeitos colaterais sérios“

Principalmente nos países em desenvolvimento.

Medicamentos falsos relacionados com o novo coronavírus estão à venda nos países em desenvolvimento, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS), que pede cuidado uma vez que esses medicamentos podem ter"efeitos colaterais sérios".

Twitter assinala mensagem de Trump como apologia da violência ▶ Vídeo: Youtubers ganharam dinheiro durante anos com bebé autista e depois abandonaram-no Marcelo passou a noite num hotel para verificar as condições de higiene

A OMS declarou o coronavírus uma pandemia no mês passado e a Operação Pangea, unidade global de combate à criminalidade farmacêutica da Interpol, realizou 121 detenções em 90 países, em apenas sete dias.As detenções resultaram na apreensão de produtos farmacêuticos perigosos no valor de mais de 12 milhões de euros.

Da Malásia a Moçambique, as autoridades confiscaram dezenas de milhares de máscaras falsificadas e remédios falsos, muitos dos quais alegaram ser capazes de curar o coronavírus."O comércio ilícito de produtos médicos falsificados durante uma crise de saúde pública mostra total desconsideração pela vida das pessoas", realçou o secretário-geral da Interpol, Jurgen Stock.

Segundo a OMS, o comércio mais amplo de medicamentos falsificados, que inclui medicamentos que podem estar contaminados, contêm o ingrediente ativo errado ou podem estar desatualizados."Na melhor das hipóteses, os medicamentos falsos provavelmente não tratarão a doença para a qual foram destinados", disse Pernette Bourdillion Esteve, da equipe da OMS que lida com produtos médicos falsificados.

"Mas, na pior das hipóteses, esses medicamentos causam danos, porque podem estar contaminados com algo tóxico".A indústria farmacêutica global vale mais de um bilião de euros.As vastas cadeias de fornecimentos abrangem desde fabricantes-chave em lugares como a China e a Índia, até armazéns de embalagens na Europa, América do Sul ou Ásia e distribuidores que enviam remédios para todos os países do mundo.

"Provavelmente não há nada mais globalizado que a medicina", disse Esteve.No entanto, à medida que o mundo entra em confinamento, a cadeia de fornecimento começa a desacoplar.Várias empresas farmacêuticas na Índia disseram à

BBCque agora operam apenas com 50-60% da capacidade normal.Como as empresas indianas fornecem 20% de todos os medicamentos básicos para a África, os países estão a ser desproporcionalmente afetados. Ephraim Phiri, farmacêutico na capital da Zâmbia, Lusaka, disse que já estava a sentir a tensão.

Militares portugueses lideraram ação de dissuasão contra grupo armado na República Centro Africana NAO PUBLICAR//Mercados esperam que Lagarde aumente em €500 mil milhões programa de compra de ativos lançado em março António Mexia quer afastar juiz Carlos Alexandre do processo que envolve Manuel Pinho

"Os medicamentos já estão a esgotar e não os estamos a reabastecer. Não há nada que possamos fazer. Foi realmente difícil conseguir mais stock, especialmente medicamentos essenciais como antibióticos e antimaláricos".

O fornecimento global de antimaláricos está ameaçado em todo o mundo, desde que o Presidente dos EUA, Donald Trump, começou a referir esses medicamentos como favoráveis contra o novo coronavírus por conterem cloroquina e hidroxicloroquina, houve um aumento global na procura.

Há evidências que a cloroquina e a hidroxicloroquina funcionam no combate ao novo coronavírus?A OMS afirmou, repetidamente, que não há evidências definitivas de que a cloroquina ou a hidroxicloroquina possam ser usadas contra o vírus que causa a Covid-19.

À medida que a procura aumentou, a BBC descobriu grandes quantidades de cloroquina falsa em circulação na República Democrática do Congo e Camarões. A OMS também encontrou medicamentos falsificados à venda no Níger - país da África Ocidental.

A cloroquina antimalárica é normalmente vendida por cerca de 36 euros por pote - com mil comprimidos. Mas os farmacêuticos da RDC vendem esses medicamentos por até 230 euros.O medicamento vendido foi supostamente fabricado na Bélgica pela"Brown and Burk Pharmaceutical limited". No entanto, a Brown e Burk, uma empresa farmacêutica registrada no Reino Unido, disse que não tinha nada a ver com esse medicamento.

Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Vários países querem a demissão do Tedros, o cara omitiu a pandemia e o vírus chinês. Vai bestas acreditem na OMS. Essa OMS? Essa OMS?

OMS adopta ferramenta feita em Portugal para planear resposta a covid-19Apresentada pela Organização Mundial de Saúde e traduzida em português, inglês, espanhol, russo e árabe, esta ferramenta é gratuita e já está a ser utilizada por vários países.

Covid-19. Trump insiste nas críticas à OMSAgressão vaga à OMS... trump precisa sempre de um borrego para imolar. É epoca da Páscoa .

Covid-19: curva de casos pode subir substancialmente em África nas próximas semanas, diz OMSAgência da ONU diz que é preciso fazer, com urgência mais testes no continente, sobretudo fora das capitais porque o vírus já alastrou ao interior dos países. “Sem ajuda e acções imediatas, os países pobres e as comunidades vulneráveis podem sofrer

OMS: ″″Esta não é altura de relaxar medidas″ de contenção à Covid-19A Organização Mundial de Saúde (OMS) avisou esta quarta-feira que esta não é altura para aliviar as medidas de restrição à movimentação das populações, salientando que o progresso contra a pandemia da Covid-19 é ainda demasiado frágil.

Diretor-geral da OMS pede para não se politizar a covid-19

Covid-19: Minorias podem estar a ser mais afetadas nos EUAMayor de Chicago diz quem 70% dos mortos são afroamericanos. È Normal, Não Seguem As Regras. Venham Cà a NYC e Percebem Que Aqui não escolhe Quem Vai ou Fica.