O que é o carbono negro? A mais recente forma de os humanos causarem alterações na Antártida

06/03/2022 14:11:00

CNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo.

Turistas chegam para expedições na Antártida em dezembro de 2019, na Ilha Rei George. Os cientistas descobriram que a poluição por carbono negro resultante do turismo e da atividade de investigação levou a um maior degelo do continente gelado.

Um estudo publicado na revista “Nature Communications” mostra que o aumento da presença humana na Antártida está a fazer com que a neve derreta mais, e isso são más notícias para um mundo gelado já a debater-se contra os efeitos do aquecimento global causado pelo homem.

Consulte Mais informação: CNN Portugal »

CNN Portugal acompanha vinda de refugiados ucranianos para Portugal - CNN PortugalA repórter CNN Portugal Anabela Vaz Jacinto está a acompanhar a vinda de refugiados ucranianos para Portugal numa caravana humanitária, que deixou mantimentos na fronteira entra a Roménia e a Ucrânia.

CNN Portugal regressa a Kiev, que continua cercada pelos russos - CNN PortugalOs enviados especiais da CNN Portugal, Pedro Moreira e Tiago Ferreira, chegaram este sábado a Kiev, capital da Ucrânia que continua sob cerco das tropas russas. Nas últimas noites não têm existido bombardeamentos tão graves, mas as sirenes conti...

Quase 900 ucranianos já pediram proteção temporária em Portugal - CNN PortugalNum balanço com os números mais recentes, contabilizados até às 19:00 de quinta-feira, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) recebeu 881 pedidos de cidadãos ucranianos para terem acesso ao regime de proteção temporária em Portugal. Os ...

Condutores esperam mais de 30 minutos para abastecer em Portugal - CNN PortugalOs condutores que param nas bombas de gasolina do país este sábado chegam a aguardar, no mínimo, 30 minutos para abastecer. À repórter Ana Botto, que se encontra em Alfragide, um português mostrou-se agradado com a medida do autovoucher depoi...

Economista prevêescalada da inflação em Portugal como consequência da guerra na Ucrânia - CNN PortugalO economista João Santos considerou este sábado que Portugal vai assistir a uma “escalada da inflação“ como consequência da guerra na Ucrânia. À CNN Portugal, o especialista explicou como a diminuição do fluxo da atividade económica, a par c...

AO MINUTO: NATO assume que os próximos diasserão piores - CNN PortugalCNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo. Diz a Ucrânia 🇺🇦 mas é verdade isso Os Russos são uns fracos e o 😈 Putin vale tudo para matar!Enfim é um demente que tem que ser travado o loucura dele! 😈 E um Nazi autêntico.

CNN , Danya Gainor e Angela Fritz Há 22 min Turistas chegam para expedições na Antártida em dezembro de 2019, na Ilha Rei George.CNN Portugal acompanha vinda de refugiados ucranianos para Portugal Há 38 min A repórter CNN Portugal Anabela Vaz Jacinto está a acompanhar a vinda de refugiados ucranianos para Portugal numa caravana humanitária, que deixou mantimentos na fronteira entra a Roménia e a Ucrânia.CNN Portugal regressa a Kiev, que continua cercada pelos russos Há 40 min Os enviados especiais da CNN Portugal, Pedro Moreira e Tiago Ferreira, chegaram este sábado a Kiev, capital da Ucrânia que continua sob cerco das tropas russas.Quase 900 ucranianos já pediram proteção temporária em Portugal Há 26 min Num balanço com os números mais recentes, contabilizados até às 19:00 de quinta-feira, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) recebeu 881 pedidos de cidadãos ucranianos para terem acesso ao regime de proteção temporária em Portugal.

Os cientistas descobriram que a poluição por carbono negro resultante do turismo e da atividade de investigação levou a um maior degelo do continente gelado. São poucos os lugares na Terra que os humanos não tenham estragado com os desperdícios e a poluição resultantes dos nossos carros esbanjadores de gasolina, a eletricidade a carvão com que alimentamos as nossas casas e o pó e a fuligem que resultam dos incêndios florestais que agravámos. Agora até a Antártida – o único continente sem habitantes permanentes – está a ser alterada pela corrosão que nos segue aonde quer que vamos.. Um estudo publicado na revista “Nature Communications” mostra que o aumento da presença humana na Antártida está a fazer com que a neve derreta mais, e isso são más notícias para um mundo gelado já a debater-se contra os efeitos do aquecimento global causado pelo homem. O carbono negro, a poluição escura e poeirenta que resulta da queima dos combustíveis fósseis, instalou-se em locais onde os turistas e os investigadores passam muito tempo, segundo descobriram os cientistas.

Até as mais pequenas quantidades do poluente negro podem ter um impacto significativo no degelo por causa da sua baixa albedo, ou razão entre a luz recebida e a luz refletida. As coisas que têm cores claras, como a neve, refletem a energia do Sol e mantêm-se frescas. As coisas que são escuras, como o carbono negro, absorvem a energia do Sol e aquecem. Se pegarmos em neve branca e brilhante e a polvilharmos com alguma poluição negra, temos a receita para o degelo. E o que acontece na Antártida tem repercussões globais.

É um gigante continente branco que reflete uma quantidade significativa da energia do Sol de volta para o espaço. Perder a cobertura de neve e gelo significa que as temperaturas da terra e do oceano vão aquecer ainda mais e isso, mais uma vez, causa mais degelo e torna-se um ciclo vicioso de alterações climáticas. “(A Antártica) é atualmente uma das regiões de aquecimento mais rápido do planeta”, disse Alia Khan, cientista de neve e gelo da Universidade Western Washington. “A neve já está a derreter devido aos impactos das alterações climáticas, mas este é um fator que agrava esse derreter da neve”. Pinguins com um navio de cruzeiro de pano de fundo, na Antártida.

Cerca de 74 000 turistas visitaram a Antártida durante o verão de 2019-2020, mais do que o dobro de há uma década, segundo a IAATO. Os cientistas recolheram amostras de neve em torno dos locais turísticos e dos locais de pesquisa intensa, entre 2016 e 2020, e descobriram que o carbono negro encontrado nessas amostras era consideravelmente mais abundante do que os níveis medidos noutras zonas do continente. A pesquisa descobriu que os níveis mais altos de fuligem foram encontrados perto da estação argentina de investigação em Hope Bay, na Península de Trinity, perto da região mais a norte da Antártida. “Os navios (turísticos) na Antártida geralmente usam combustível marítimo menos poluente, e alguns navios estão a complementar o combustível com baterias elétricas”, disse o estudo. Mas os cientistas percebem, pelos seus resultados, que tem de ser feito mais para reduzir a poluição, à medida que o turismo continua a aumentar.

Cerca de 74.000 turistas visitaram a Antártida durante o verão de 2019-2020, dizem os cientistas, o que representa um aumento de 32% em relação a 2018-2019 e mais do dobro de há uma década. Khan disse que este estudo foi importante não só para perceber o que está a acontecer na Antártida, mas porque os modelos climáticos globais - que os cientistas usam para prever mudanças ambientais com décadas e séculos de antecedência - precisam de compreender melhor o impacto da albedo da neve no sistema climático. “O efeito da albedo da neve é ​​uma das maiores incertezas na criação de modelos climáticos regionais e globais, neste momento”, disse Khan à CNN. “Essa é uma das motivações para o estudo.

Quantificar o impacto do carbono negro na Antártida resultante das emissões locais das atividades de pesquisa e turismo, sobre o degelo regional, o que é importante para quantificar o papel do carbono negro na perda global de neve e gelo.” Marilyn Raphael, professora de geografia e diretora do Instituto do Meio Ambiente e Sustentabilidade da UCLA, explicou que mexer na Antártida pode alterar o delicado equilíbrio do nosso planeta. “[A Antártida] está ali, sossegada e tranquila. Mas, se não existisse no estado em que deve existir, o equilíbrio que temos no sistema climático - o equilíbrio do qual desfrutamos no Hemisfério Norte – deixaria de existir” , disse Raphael. O estudo acompanha um recorde alarmante na Antártida: a área do oceano coberta por gelo marinho ao redor do continente atingirá um novo mínimo este ano.

Raphael disse que as mudanças no gelo marinho também podem ter um alcance global. O gelo marinho da Antártida também é importante para manter o equilíbrio na circulação atmosférica, disse Raphael. Essa circulação impulsiona os ventos e é o meio pelo qual a energia é transportada para dentro ou para fora do continente. “Se a circulação atmosférica mudar, o clima global muda”, disse ela. À medida que as águas ficam mais quentes e o gelo do mar desaparece, para algumas criaturas da Antártida, as suas casas tornam-se inabitáveis.

As colónias de pinguins da Antártida, por exemplo, dependem muito do krill para se alimentarem, e o krill depende do gelo marinho. Os cientistas viram um declínio chocante nas colónias de pinguins, recentemente, à medida que o krill se vai tornando mais difícil de encontrar. “Tudo o que fazemos tem consequências” , disse Raphael. “Temos de estar a par dessas consequências, especialmente em sistemas sobre os quais sabemos relativamente pouco. Temos de ter cuidado para não perturbar o equilíbrio climático.

” Temas: .