NATO e Rússia concordam em manter aberta a via do diálogo

12/01/2022 22:00:00

NATO e Rússia concordam em manter aberta a via do diálogo

NATO e Rússia concordam em manter aberta a via do diálogo

A NATO adverte a Rússia que não comprometerá os princípios da aliança, mas convidou Moscou para novas rondas de negociações face aos temores de intervenção na Ucrânia. A Rússia, mesmo temendo estar a perder tempo, parece ter aceitado.

O secretário-geral da NATO, o norueguês Jens Stoltenberg, disse que a organização que dirige e a Rússia concordaram em tentar marcar mais rondas de negociação para aliviar as tensões entre as duas partes no meio de uma profunda preocupação de uma possível intervenção armada na Ucrânia.Manifestação anti-Putin em Kiev SERGEY DOLZHENKO/EPA A Administração dos EUA autorizou discretamente uma ajuda adicional de 200 milhões de dólares (176 milhões de euros) à Ucrânia, para reforçar as suas capacidades de defesa em resposta ao alarme causado pela acumulação de tropas russas junto à fronteira com o país, semanas antes de começar conversações com a Rússia.anunciadas, e aceitar acordos negociados no passado sem que isso seja percepcionado internamente como um “embaraço e uma humilhação”, explicou à RFP (Rádio Europa Livre, financiada pelos EUA).A parte norte-americana assinalou que a política de "portas abertas" da NATO vai prosseguir DENIS BALIBOUSE / POOL/EPA ▲ A parte norte-americana assinalou que a política de "portas abertas" da NATO vai prosseguir DENIS BALIBOUSE / POOL/EPA Negociadores da Rússia e dos Estados Unidos abordaram esta segunda-feira em Genebra a situação na Ucrânia, com Moscovo a assegurar não ter “ qualquer intenção de atacar” o país vizinho e Washington a reiterar advertências sobre uma eventual invasão.

Falando aos jornais após presidir a uma reunião da com a comitiva da Rússia instalada em Genebra, Suíça, Stoltenberg disse que ambas as partes “expressaram a necessidade de retomar o diálogo e explorar um cronograma para futuras reuniões”.O secretário-geral, que tem mantido uma intensa atividade diplomática ao longo da semana – disse que os países da NATO querem discutir com a Rússia formas de prevenir incidentes militares perigosos, reduzir o espaço às ameaças cibernéticas e insistir no controlo de armas e no desarmamento, incluindo o estabelecimento de limites para montagem de mísseis.A administração Biden notificou o Congresso da autorização no início deste mês, embora muitos funcionários tenham tido conhecimento através de canais “classificados”, disse um funcionário do Departamento de Estado à CNN.“Existem diferenças significativas entre os aliados da NATO e a Rússia na questão da Ucrânia”, disse, para caraterizar o encontro com os representantes da Rússia como “uma troca muito séria e direta” de pontos de vista entre a organização que lidera e o vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros Alexander Grushko, que estava acompanhado do vice-ministro da Defesa Alexander Fomin.“Ficámos com a impressão que os americanos levaram as propostas russas muito seriamente e as estudaram com profundidade”, disse o próprio Riabkov.“Existe um risco real de novos conflitos armados na Europa”, salientou Stoltenberg, que nos últimos dias tem sido muito severo quando se refere à Rússia.A entrega de ajuda está em curso, “e há mais programadas para as próximas semanas”, disse.Mas a delegação de Moscovo manteve a sua: o país não tem qualquer intenção de invadir a Ucrânia, sendo a sua única preocupação a da segurança do seu próprio território.

Segundo os jornais, Stoltenberg sublinhou que a Ucrânia tem o direito de decidir por si própria o seu futuro e os eventuais entendimentos de segurança com a NATO e que a organização manterá a porta aberta à entrada de novos membros.O secretário de Estado, Antony Blinken, disse à ABC que a administração tinha continuado a dar ajuda de defesa à Ucrânia “ainda há duas semanas” e que em caso de agressão russa seria de esperar “ainda mais”.Comentando as diferentes declarações de Riabkov e antecipando o que se pode seguir, a analista diz que o dirigente “tentou manter uma posição flexível que permitia a Putin decidir como entender”.“A Rússia não tem poder de veto” na matéria, recordou.Stoltenberg disse ainda que a NATO deixou claro que está pronta para abordar o tema dos mísseis, mas que a a Rússia terá dito que “não estava pronta” para levar essa conversa por diante.Entretanto, os republicanos na Câmara dos Representantes apresentaram na segunda-feira um projecto de lei para aumentar as capacidades de defesa de Kiev.A Rússia acusou a NATO de não avaliar a urgência de suas imposições e não está interessada em permitir que as negociações se arrastem indefinidamente – e recordou que a organização tinha 16 membros no final da Guerra Fria tendo agora 30 – incluindo um grande grupo de ex-estados comunistas da Europa Central e Oriental.Este Conselho NATO-Rússia é a primeira reunião de ambas as partes em mais de dois anos, desde julho de 2019.Para alguns republicanos como Mike Turner, do Ohio, Biden “não está a armar de modo adequado a Ucrânia nem a dissuadir a Rússia em termos militares”, declarou no Twitter.

O fórum foi criado há duas décadas, mas as reuniões foram interrompidas quando a Rússia aceitou anexar a Península da Crimeia em 2014.Antes do encontro desta quarta-feira, a NATO havia realizado uma cimeira de membros da organização, finda a qual Jens Stoltenberg, disse que “as ações agressivas da Rússia prejudicam seriamente a segurança na Europa.A NATO continua empenhada na sua abordagem de duas vias à Rússia: forte dissuasão e defesa, combinada com diálogo.É um sinal positivo que a Rússia esteja agora preparada para vir conversar, porque quando as tensões são altas, o diálogo é ainda mais importante”.“Estamos a consultar outros parceiros importantes, como a Geórgia, a Moldávia, a Finlândia e a Suécia, bem como a União Europeia”, disse o secretário-geral, nomeando assim o grupo de quatro países que podem estar próximos de pedirem a sua adesão à NATO.

Se isso suceder, novos problemas surgirão, nomeadamente no que tem a ver com a Geórgia, país-chave na correlação de forças no Mar Negro..

Consulte Mais informação:
Jornal Económico »
Loading news...
Failed to load news.

EUA autorizaram ajuda adicional à Ucrânia antes de conversações com a RússiaO pacote de ajuda militar foi entregue nas últimas semanas do ano. A assistência não é, no entanto, suficiente para alterar o equilíbrio de forças desfavorável a Kiev.

Relações entre Rússia e NATO aproximam-se do “momento da verdade”Encontro em Bruxelas dois dias depois de reunião de sete horas entre Washington e Moscovo ter terminado com a reafirmação de “posições opostas”. Crise ucraniana no centro das tensões.

Rússia assegura não ter 'qualquer intenção de atacar' Ucrânia, mas alerta para EUA não 'subestimarem' risco de confrontoA Rússia garantiu, nas conversações com os Estados Unidos, que não tem 'qualquer intenção' de atacar a Ucrânia, mas deixam um aviso: Washington não deve 'subestimar' o risco de um confronto.

Cazaquistão. Intervenção militar encabeçada pela Rússia de saída

Cazaquistão. Intervenção militar encabeçada pela Rússia de saída

Cazaquistão. Intervenção militar encabeçada pela Rússia de saída