Marcelo Combustíveis Retoma İmpostos União Europeia

Marcelo Combustíveis Retoma İmpostos União Europeia

'Não há arranque económico com combustíveis a subirem sucessivamente', alerta Marcelo

18/10/2021 16:51:00

Marcelo Rebelo de Sousa disse, esta segunda-feira, que espera que a crise vivida com o aumento do preço dos combustíveis “não seja para durar mais de seis meses” e que depende da Comissão Europeia ajudar o Governo a travar esta subida de preços, uma situação que considera “mesmo muito preocupante”.

Benfica igualou recorde com 57 anos O dia em que o futebol português morreu de vergonha Banco Alimentar está de regresso e há muita vontade de ajudar

Em declarações aos jornalistas, em Valongo, o Presidente da República explicou que muitos governos europeus estão dependentes da luz verde da Comissão Europeia para tomar medidas de apoio social, incluindo baixas de impostos.

“Os Governos, com luz verde da Comissão Europeia, vão tomar medidas de apoio social às famílias e às empresas. Vamos esperar que isto não seja para durar para além dos seis meses, mas para o caso de durar depois há problemas de fundo que têm de ser resolvidos pela comunidade internacional”, disse o chefe de Estado, lembrando que há países que têm uma “influência decisiva” no fornecimento de combustíveis, como o gás, e que têm também de existir incentivos às energias renováveis, “para que substituam com ritmo crescente aquilo que se quer substituir”. headtopics.com

“Porque não há arranque económico com os combustíveis a subirem sucessivamente de preço”, alertou.O chefe de Estado defende que a crise dos combustíveis se deve à pandemia, a “um grande aumento da procura face à capacidade de oferta” e a “problemas políticos”, mas que "atravessa toda a sociedade europeia, atravessa muitas economias do mundo”.

Para Marcelo, a União Europeia tem de “flexibilizar a sua posição em termos financeiros”, para se “ir mais longe”.“Se a Europa der luz verde para medidas Estado a Estado, e Portugal tem-se batido por isso, Espanha tem-se batido por isso, França também, porque todos estão a sentir o mesmo problema, aí a União Europeia tem de flexibilizar a sua posição em termos financeiros e pode-se ir mais longe”, rematou.

Ver Comentários Consulte Mais informação: Jornal SOL »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

Marcelo: “Continuo a acreditar que o cenário mais desejável e natural é não haver crise política”O Presidente da República insta ao diálogo. Não pode ser crise política pela pandemia, não pode ser crise politica pela presidência europeia de Portugal, não pode ser crise politica por estar perto das eleições, não pode ser crise política porque o Presidente não quer crise Politica e os Portugueses que se leixem e PAGUEM Não há crise. Vamos às eleições para que o PS desta vez tenha maioria absoluta. Assim acaba o jogo das chantagens por tachos dos partidos à esquerda!

Marcelo alerta que não há arranque económico com combustíveis a subirem sucessivamentePresidente da República espera que subida dos preços da gasolina e gasóleo não dure 'mais de seis meses', mas avisa que é preciso mais apoios para as famílias e empresas. Caso contrário, teme que retoma económica fique comprometida.

Redução marginal do ISP não vai provocar diferença significativa no bolso dos consumidores, diz ApetroNa passada sexta-feira, o Governo anunciou que vai repercutir na diminuição das taxas de ISP os 63 milhões de euros de IVA arrecadados face ao aumento do preço médio de venda ao público dos combustíveis.

Redução 'marginal' do ISP 'não vai provocar diferença significativa no bolso dos consumidores' , diz Apetro“Ficamos todos satisfeitos quando há reduções e, principalmente, uma redução na carga fiscal, que é o fator que mais pesa no preço final [dos combustíveis]. Mas não se pode esperar que essa redução marginal que houve no ISP vá provocar uma diferença significativa no bolso dos consumidores”, afirmou

Covid-19: maioria dos sem-abrigo em Portugal ainda não foram vacinadosCâmara do Porto diz ter vacinado 48 pessoas nesta situação, mas na cidade há 590 sem-abrigo. Em Lisboa, são mais de três mil

Mercado português não consegue absorver jovens que saem das universidadesCompensa mais monetariamente, aos Universitário Portugueses emigrarem para o Estrangeiro, do que procurarem em Portugal. Precisamos de eletricistas, pedreiros, canalizadores, reparadores de eletrodomésticos, cuidadores, apanhadores de fruta, motoristas, técnicos e operadores de equipamentos médicos,médicos, enfermeiros, anestesistas,...que tal criar bolsa de necessidades ?