Imbatíveis nos Olímpicos há 50 jogos, as jogadoras de basquetebol americanas estão em busca do sétimo ouro consecutivo

Imbatíveis nos Olímpicos há 50 jogos, as jogadoras de basquetebol americanas estão em busca do sétimo ouro consecutivo

30/07/2021 12:05:00

Imbatíveis nos Olímpicos há 50 jogos, as jogadoras de basquetebol americanas estão em busca do sétimo ouro consecutivo

Com as veteranas Sue Bird e Diana Taurasi a liderar o grupo e jovens jogadoras a dar nas vistas, os EUA estão em busca de uma marca histórica em Tóquio. Esta equipa não perde um jogo no torneio olímpico desde 1992 e não pretende que 2021 venha mudar isso

Link:Esta não é a primeira vez que Sue Bird caminha na zona da frente da delegação norte-americana durante a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos. Em 2004, na sua primeira participação, a basquetebolista Dawn Staley era a porta-estandarte dos EUA, o que colocou a equipa na frente e Bird estava mesmo atrás dela. Mas, desta vez, foi diferente.

Benfica igualou recorde com 57 anos ″E bem fundo″. Zemmour responde a mulher com o dedo do meio Vergonha no Jamor. Onze contra nove e no final perdeu o futebol

Foi Bird, ao lado de Eddy Alvarez, quem ficou responsável por transportar a bandeira ao longo da cerimónia em Tóquio, nesta que é a última participação da atleta nos Jogos Olímpicos.Além disso, também esta edição dos Jogos é diferente - e não é só por tudo o que já aconteceu devido à pandemia. Está em jogo mais um momento histórico para a equipa feminina de basquetebol norte-americana: caso vençam, chegam à sétima medalha de ouro consecutiva.

Tal como em 2004, todos os olhos voltam a estar virados para Sue Bird, Dawn Staley e Diana Taurasi, que também se estreou no mesmo ano. Staley é agora treinadora da equipa e pode chegar à mesma marca que Anne Donovan atingiu, ao vencer uma medalha de ouro como jogadora e treinadora. Já Bird e Taurasi procuram agora chegar ao feito de Teresa Edwards, ao vencer cinco medalhas, e tornarem-se as primeiras jogadoras de basquetebol feminino com cinco ouros. headtopics.com

Até que isso aconteça, e caso aconteça, há apenas uma certeza: depois desta edição dos Jogos Olímpicos, fecha-se um ciclo nesta equipa.Antes de partir para Tóquio, Sue Bird anunciou, numa entrevista com Percy Allen do"Seattle Times", que esta é a sua última participação num torneio olímpico. “Estes são definitivamente os meus últimos Jogos Olímpicos. Isso é certo, posso dizê-lo com toda a confiança”, garantiu.

Bird e Taurasi são as líderes desta equipa e conhecem bem o sabor da vitória. A primeira já venceu quatro títulos da WNBA pelos Seattle Storm e a segunda tem já três títulos ganhos pelos Phoenix Mercury. Antes disso, as duas foram colegas de equipa no campeonato universitário norte-americano, pelos UConn Huskies. Bird venceu o campeonato em 2000, dois anos depois venceram as duas juntas e Taurasi venceu ainda os dois seguintes. Como não poderia deixar de ser, foram as duas a primeira escolha dos

draftsde 2002, no caso de Sue Bird, e 2004, para Diana Taurasi.Gregory ShamusEste ano, no que toca aos Olímpicos, os Estados Unidos perdem uma, mas não a outra, segundo se sabe até ao momento. Ao entrar numa nova era, conseguirá esta equipa manter o nível a que tem habituado os adeptos?

A resposta é sim e está já em Tóquio.Da equipa fazem parte nomes como Sylvia Fowles, que joga o seu quarto torneio olímpico, Tina Charles, que regressa pela terceira vez, Breanna Stewart, que faz agora o seu segundo torneio, depois de já ter ganho o título de MVP da final da WNBA por duas vezes. Para Brittney Griner é também a segunda participação. headtopics.com

Sporting e Braga reagem: ″Assim, o futebol português nunca será levado a sério″ Banco Alimentar está de regresso e há muita vontade de ajudar Rui Rio reeleito líder do PSD. Rangel promete ″lealdade″ e pede ″unidade″

Ainda mais jovens são A'ja Wilson, vencedora do título de MVP da WNBA na temporada passada, e Napheesa Collier,rookiedo ano em 2019. As duas jogadoras estreiam-se este ano nos Jogos Olímpicos e são duas das esperanças quando o tema é o futuro desta equipa.

Localização: TóquioA caminhada da equipa na luta pela sétima medalha de ouro consecutiva começou esta semana. Frente à Nigéria, os Estados Unidos venceram por 81-72, o que as coloca na marca dos 50 jogos sem perder em Jogos Olímpicos. É preciso recuar até 1992, em Barcelona, para assistir a uma derrota desta equipa.

A provar que o futuro da equipa está assegurado, A’ja Wilson liderou no marcador. Foram 19 pontos e 13 ressaltos. Brittney Griner acrescentou 13 pontos e 10 ressaltos. Diana Taurasi foi a terceira jogadora que conseguiu chegar à marca dos dois dígitos, com 10 pontos.

Os EUA dividem a liderança do grupo com o Japão, que ganhou frente à França. Consulte Mais informação: Expresso »

O Futuro do PSD

Escolhemos seis questões que determinam o futuro do PSD e sobre elas questionámos os dois candidatos a presidente do partido, que será eleito a 27 de Novembro

Cavaleiro Rodrigo Torres recebido com pompa e circunstância no aeroporto de LisboaConquistou o melhor resultado de sempre de um português em Dressage nos Jogos Olímpicos.

Jorge Fonseca vai combater pelo bronzeJudoca português perto de garantir uma medalha para Portugal nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Sunisa Lee sucede a Simone Biles e confirma hegemonia dos EUA no “all-around”A vitória de Lee mantém o ouro olímpico no concurso feminino na posse dos Estados Unidos, que antes tinham vencido em Atenas 2004, Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016.

Quem é Jorge Fonseca, que ganhou a primeira medalha para Portugal em Tóquio 2020?O judoca de 28 anos acaba de vencer o bronze em Tóquio. É a terceira medalha portuguesa na modalidade nos Jogos Olímpicos.

Pergunte o que quiser sobre o 5.º dia dos Jogos Olímpicos: participe no fórum!Jogos Olímpicos - Pergunte o que quiser sobre o 5.º dia dos Jogos Olímpicos: participe no fórum! É esta pinta q percebe d JO

Irmãos Diogo e Pedro Costa vencem quinta regata de 470Os irmãos Diogo Costa e Pedro Costa, vice-campeões mundiais em título, venceram esta sexta-feira a quinta regata da competição de vela 470 dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, que saiu de Zushi.