Iceberg A-68, um dos maiores do mundo, despeja enorme volume de água doce - SIC Notícias

Iceberg A-68, um dos maiores do mundo, despeja enorme volume de água doce

20/01/2022 14:06:00

Iceberg A-68, um dos maiores do mundo, despeja enorme volume de água doce

O A-68 foi, por um curto período, o maior iceberg do mundo, cobrindo uma área de quase 6 mil quilómetros quadrados quando se 'libertou' da Antártida, em 2017.

O gigante iceberg A-68 encontrava-se a despejar mais de 1,5 mil milhões de toneladas de água doce no oceano todos os dias aquando do auge do seu derretimento.Esses números são, por exemplo, cerca de 150 vezes a quantidade de água usada diariamente por todos os cidadãos do Reino Unido.

Um “Megaberg”O A-68 foi, por um curto período, o maior iceberg do mundo, cobrindo uma área de quase 6 mil quilómetros quadrados quando se “libertou” da Antártida, em 2017.Contudo, no início de 2021, desapareceu, e os investigadores estão atualmente ocupados tentando avaliar o impacto que o A68 teve no meio ambiente.

Consulte Mais informação: SIC Notícias »

Fulham de Marco Silva iguala registo com 68 anosGoleada atrás de goleada: Fulham de Marco Silva iguala registo histórico

Microsoft vai adquirir produtora do Candy Crush por 68,7 mil milhões de dólaresA confirmar-se, será a maior aquisição da tecnológica norte-americana nos seus 46 anos de história e revela as intenções futuras da Microsoft em apostar fortemente no metaverso — espaço que combina o mundo online tradicional com realidade virtual e aumentada e onde se espera que os videojogos sejam KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK TIFUDE Candy Crush parsa?

Quatro tripulantes resgatados de um veleiro ao largo dos Açores - SIC NotíciasOs tripulantes são de nacionalidade neerlandesa e têm cerca de 30 anos.

Pancada de Meia-Noite: 'SIC (com dificuldade em dar) Notícias' - SIC NotíciasO ataque informático ao grupo Impresa analisado por Guilherme Fonseca.

Mais populares em 19 Janeiro 2022 - SAPOPortal SAPO.PT: notícias de Portugal e do mundo, desporto, capas dos jornais, mail, são só o início. Descubra mais todos os dias.

Manchetes de 20 Janeiro 2022 - Jornais - SAPOVisão: Porque temos salários baixos? Público: Legislativas 2022: eleitores isolados poderão votar no dia 30 Jornal de Notícias: Infeções em crianças triplicam na primeira semana de aulas 📰 👉

SIC Notícias O gigante iceberg A-68 encontrava-se a despejar mais de 1,5 mil milhões de toneladas de água doce no oceano todos os dias aquando do auge do seu derretimento. Esses números são, por exemplo, cerca de 150 vezes a quantidade de água usada diariamente por todos os cidadãos do Reino Unido. Um “Megaberg” O A-68 foi, por um curto período, o maior iceberg do mundo, cobrindo uma área de quase 6 mil quilómetros quadrados quando se “libertou” da Antártida, em 2017. Contudo, no início de 2021, desapareceu, e os investigadores estão atualmente ocupados tentando avaliar o impacto que o A68 teve no meio ambiente. Desta forma, uma equipa liderada pela Universidade de Leeds reviu todos os dados de satélite para calcular as dimensões mutáveis do gigante iceberg, à medida que se movia pelo Oceano Antártico e para o Atlântico Sul. Assim, o grupo conseguiu avaliar as taxas de fusão variáveis durante os três anos e meio de existência do A-68. Viagem atribulada Um dos períodos-chave, obviamente, foi no final, quando o A-68 se aproximou dos climas mais quentes da Geórgia do Sul, território pertencente ao Reino Unido. Por um tempo, houve receio de que o bloco gigante pudesse encalhar nas águas rasas do local, bloqueando as rotas de milhões de pinguins, focas e baleias. No entanto, tal nunca aconteceu, como a equipa pode mostrar agora, pois o A68 perdeu profundidade suficiente para permanecer à tona. “Parece que ele tocou brevemente na plataforma continental. Foi quando o iceberg fez uma curva e vimos um pequeno pedaço partir-se. Contudo, não foi suficiente para aterrar o A68”, diz uma das autoras do estudo, Anne Braakmann-Folgmann, à BBC News. “E acho que se pode ver o porquê nas estimativas de espessura”, acrescenta o co-autor Prof Andrew Shepherd, que acrescenta que tal não aconteceu por pouco. Efeitos a longo prazo Em abril de 2021, o A-68 já se encontrava quebrado em inúmeros pequenos fragmentos que já nem são alvo de rastreio, mas os impactos no ecossistema terão uma vida muito maior. Os icebergs tabulares gigantes, ou de topo plano, são agora reconhecidos por terem uma influência considerável onde quer que passem. As suas entradas de água doce alterarão as correntes locais, sendo também que todo o ferro, outros minerais e até matéria orgânica apanhados ao longo da sua vida, e posteriormente lançados no oceano, semeiam a produção biológica. O oceanógrafo biológico Geraint Tarling, após mais estudos terem sido realizados ao iceberg, avança que: “Achamos que há um sinal muito forte na mudança da flora das espécies de fitoplâncton em torno do A-68, e também na depositação real de material nas partes mais profundas do oceano”, aponta, também em entrevista à BBC News. Mais detalhes da alteração de forma e dos fluxos de água doce do A-68 encontram-se num artigo publicado na revista