E a Cultura? Marginal como é costume

Opinião: E a Cultura? Marginal como é costume

Opinião

28/01/2022 04:16:00

Opinião : E a Cultura? Marginal como é costume

Falta-nos, enquanto país, um GPS que nos ajude a encontrar os caminhos para inventar futuros.

Receber alertasA cultura está, mais uma vez, ausente do discurso eleitoral, e, quando não está, limita-se a reivindicar 1% do Orçamento do Estado, ou a integrar uma lista infindável de apoio aos candidatos, tornando indiferente se o orçamento é 0,3% ou 1%, pois é um orçamento para uma não política cultural que se esgota

numa agenda de “eventos” ou numa soma linear de “espectáculos"

Consulte Mais informação: Público »

#AlertaCiberAtaques2022. Quem está a salvo?Em muitas empresas, o tema da Segurança da Informação e da Cibersegurança já não é encarado como anteriormente, ou até há poucas semanas atrás, como um “custo” demasiado avultado ou até dispensável.

Ex-defesa do Grémio lembra como tentou perturbar Cristiano Ronaldo: «Este miserável é bruxo»Brasil - Ex-defesa do Grémio lembra como tentou perturbar Cristiano Ronaldo: «Este miserável é bruxo»

Homem fica gravemente ferido depois de cair junto ao farol de Leça da PalmeiraVídeos - Homem fica gravemente ferido depois de cair junto ao farol de Leça da Palmeira

Respostas rápidas. Teve Covid-19? Saiba como pedir e para que serve o certificado de recuperaçãoRespostas rápidas. Teve Covid-19? Saiba como pedir e para que serve o Certificado de Recuperação

Poesia 'cubista' de Gertrude Stein de 1914 publicada pela primeira vez em PortugalO livro de poesia, datado de 1914, é composto por poemas em prosa que são como pequenos quadros cubistas onde o olhar percorre cada elemento de maneira a formar uma narrativa.

Realidade ou ficção?Afinal, de tudo o que foi dito, o que é que é para levar a sério?

Oferecer artigo Receber alertas A cultura está, mais uma vez, ausente do discurso eleitoral, e, quando não está, limita-se a reivindicar 1% do Orçamento do Estado, ou a integrar uma lista infindável de apoio aos candidatos, tornando indiferente se o orçamento é 0,3% ou 1%, pois é um orçamento para uma não política cultural que se esgota numa agenda de “eventos” ou numa soma linear de “espectáculos" ,