Doações para a Igreja Católica caem cerca de 15% em 2021

Esperam-se perdas de 49,7 milhões de euros.

Igreja Católica, Juan Antonio Alves

29/01/2022 10:03:00

Sociedade - Doações para a Igreja Católica caem cerca de 15% em 2021

Esperam-se perdas de 49,7 milhões de euros.

PadreFOTO: Getty ImagesAs doações dos fiéis ao Vaticano mantiveram a tendência de queda, em 2021, diminuindo pelo menos 15%, uma descida também agravada pela pandemia de covid-19, explicou à EFE o chefe da Economia da Santa Sé, Juan Antonio Alves.

Em entrevista ao órgão de comunicação do Vaticano, por ocasião da apresentação do orçamento para 2022, o espanhol explicou que a Santa Sé depende"muito de rendas incertas" que diminuíram nos dois anos de pandemia.

Consulte Mais informação: Correio da Manhã »

Ultrapassados por bicicletas e trotinetes, buzinados no fim: fomos andar de carro a 30km/h com a vereadora de Lisboa que o propõe

CNN Portugal. O canal de informação, com uma cultura multiplataforma, que acompanha, em tempo real e em diversos meios, os acontecimentos que marcam o país e o mundo. Consulte Mais informação >>

Bienal de Veneza: Pedro Cabrita Reis leva nova obra à Igreja di San FatinA obra Field, especialmente concebida para a Igreja di San Fatin, poderá ser vista a partir de 23 de Abril, abertura oficial da Bienal de Veneza.

Abusos sexuais na Igreja. Diocese do Porto recebeu duas denúncias

Telemóveis de diplomatas finlandeses espiados com programa Pegasus - SIC NotíciasPegasus esteve no centro de um escândalo em 2021, depois da publicação de lista com cerca de 50 mil alvos potenciais a vigiar à escala mundial.

Amy Pieters continua inconsciente um mês depois do acidenteCiclista holandesa sofreu lesões cerebrais num acidente em Espanha em finais de dezembro de 2021

OE2021: Receita de impostos aumentou 5,3% para 45,5 mil ME em 2021

Economistas apontam para crescimento do PIB abaixo de 4,8% em 2021António Ascenção Costa, professor do ISEG, estima que o crescimento da economia na totalidade do ano passado, que será divulgado pelo INE na próxima segunda-feira, se fixe abaixo de 4,8%, o valor inscrito na proposta de Orçamento para 2022.

Lusa Padre FOTO: Getty Images As doações dos fiéis ao Vaticano mantiveram a tendência de queda, em 2021, diminuindo pelo menos 15%, uma descida também agravada pela pandemia de covid-19, explicou à EFE o chefe da Economia da Santa Sé, Juan Antonio Alves. Em entrevista ao órgão de comunicação do Vaticano, por ocasião da apresentação do orçamento para 2022, o espanhol explicou que a Santa Sé depende"muito de rendas incertas" que diminuíram nos dois anos de pandemia. "A maioria das doações dos fiéis dá-se por meio da arrecadação nas igrejas e a adesão às missas em tempos de covid-19 é reduzida", argumentou, acrescentando que o Vaticano deve pensar noutros métodos"para solicitar a ajuda dos fiéis e receber doações". O responsável pela Economia do Vaticano destacou que em 2021 houve uma diminuição em relação ao ano anterior e que"não será inferior a 15%". Leia também Santa Sé não arrisca ter Fátima sem bispo "Se em 2020 a arrecadação total foi de 44 milhões, em 2021 não penso que passe de 37 milhões. A queda de 2021 soma-se à de 2015 a 2019, de 23%, e de 18% em 2020, primeiro ano da pandemia", explicou. Relativamente às contas de 2021, que serão apresentadas a meio do ano, Juan Antonio Alves confirmou que se esperam perdas de 49,7 milhões de euros. O responsável espera compensar a falta de receita melhorando a eficiência interna e otimizando o desempenho do património do Vaticano. Relativamente à venda de um edifício em Londres, cujas irregularidades e perdas de mais de 100 milhões dos cofres da Santa Sé estão a ser analisadas pela justiça, Juan Antonio Alves assegurou que"o contrato de venda já foi assinado" e que"o prédio foi vendido acima da avaliação", embora não tenha dado números. Leia também Relação agrava pena a pai que falhou pensão de alimentos da filha um ano Em relação ao orçamento para este ano, o Vaticano informou uma mudança na metodologia ao incluir 90 instituições católicas nos orçamentos da Santa Sé, em comparação com as 60 consideradas anteriormente. Desta forma, as receitas previstas para 2022 serão de 769,6 milhões de euros e os gastos de 803 milhões, o que significa que haverá um défice de 33,4 milhões. Leia também