Jorge Moreira Da Silva, Opinião

Jorge Moreira Da Silva, Opinião

Coerência e coragem na ação climática

Coerência e coragem na ação climática

29/07/2021 02:15:00

Coerência e coragem na ação climática

Nem a retórica sobre transição climática nem os anúncios de mais financiamento verde reduzem as emissões de gases com efeito estufa. É tempo de exigir, em Portugal, um amplo compromisso político em torno de objetivos mais ambiciosos de redução das emissões e de um pacote de reformas que assegure uma descarbonização assente em objetivos de proteção ambiental, de justiça social e de eficiência económica. É inegável que nenhuma mudança de comportamentos, na sociedade, na economia e no Estado, será alcançada, ao nível da mitigação das alterações climáticas, sem que se coloque um verdadeiro preço nos produtos e nos serviços. Mas a minha experiência permite-me dizer que está ao nosso alcance desenhar políticas que, sendo amigas do ambiente, são amigas da economia e da justiça social. Dois exemplos:

Mais recentemente, no governo, liderei a reforma da fiscalidade verde, aprovada em 2014, que tinha por objetivo contribuir para a eficiência na utilização de recursos, a indução de padrões de produção e de consumo mais sustentáveis e o fomento da economia verde. Mas esta reforma visava igualmente outro objetivo: num país que tem uma carga fiscal demasiado elevada, era urgente criar condições para uma fiscalidade mais inteligente e mais alinhada com os objetivos de sustentabilidade, de competitividade e de justiça social, utilizando todas as receitas resultantes dos impostos ambientais para reduzir o IRS e o IRC e aumentar os benefícios fiscais à eficiência energética e à mobilidade sustentável. A reforma assentou no princípio da neutralidade fiscal e teve por mote"tributar mais o que se polui e degrada, para tributar menos o que se produz e o que se aufere". Foi, aliás, esta ponderação das dimensões sociais e económicas que garantiu a plena adesão dos cidadãos à reforma. Recorde-se que esta reforma - que incluiu a introdução da taxa de carbono e da taxa dos sacos plásticos leves, a revisão das taxas de resíduos e de recursos hídricos e a criação de incentivos à aquisição de veículos elétricos e à gestão florestal integrada e ao apoio (através da derrama) aos municípios localizados em áreas protegidas - gerou, em 2015, uma receita de cerca de 165,5 milhões de euros, dos quais 17,5 milhões foram alocados aos incentivos acima referidos e 148 milhões de euros ao financiamento do desagravamento do IRS das famílias.

TV estatal da Venezuela transmite “Super Bigode”, um super-herói inspirado em Maduro Trotinetes, mupis e buracos: as armadilhas que os deficientes enfrentam Futebol português são 9 contra 11 e, no fim, ganha a estupidez

Não posso deixar de lamentar, perante uma reforma que deu resultados tão positivos e que foi considerada exemplar à escala internacional, que duas decisões do governo a tenham parcialmente desvirtuado. Primeiro, ao contrário do previsto, os resultados da reforma de 2014 não foram avaliados. Segundo, o princípio da neutralidade fiscal (inscrito no artigo 50) tem sido sistematicamente violado desde 2016. Isto é, as receitas dos impostos ambientais têm aumentado, nomeadamente a taxa de carbono, mas a redução dos outros impostos (IRS das famílias), assim como os benefícios fiscais à mobilidade elétrica, foram revertidos e não alargados, como estava previsto. A violação do princípio da neutralidade fiscal merece escrutínio e solução. Espero que os deputados não percam a oportunidade de o fazer na discussão sobre o próximo Orçamento do Estado.

Insisto na pergunta inconveniente: em que novas reformas se baseará a nossa transição para a neutralidade carbónica?Presidente doPlataforma para o Crescimento Sustentável Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

Portugueses detidos em Gijón por suspeita de violação não pediram apoio nem contactaram embaixada portuguesaQuatro portugueses são suspeitos de agredirem sexualmente duas mulheres nas Astúrias. Advogado de defesa admite processar políticos espanhóis por terem condenado sem julgamento

Portugueses já conhecem ordem de partida para o contrarrelógioCiclismo - Portugueses já conhecem ordem de partida para o contrarrelógio

Estudo mostra que desastres naturais estão a aumentar desde 2019Vão ser necessárias mudanças profundas no comportamento humano para enfrentar os desafios da 'crise climática', alertam cientistas. Eu já tinha reparado nisso e sem fazer um estudo. Nã tou a ver Grande estudo... Que num ano houve mais que no ano a seguir que conclusão tirar daí? Não sei... Que existem anos que acontem mais coisas e noutros menos? Quando era criança também havia anos que não acontecia nada e outros que havia inundações a torto e direto 🤔🤣

João Almeida e Nelson Oliveira em ação em Tóquio'2020: siga o contrarrelógio em diretoCiclismo - João Almeida e Nelson Oliveira em ação em Tóquio'2020: siga o contrarrelógio em direto

Yolanda Sequeira quinta no surf ao cair nos quartos de finalNa estreia do surf em Jogos Olímpicos, Yolanda Sequeira assegurou um diploma olímpico, enquanto Teresa Bonvalot terminou na nona posição, após ter sido eliminada na terceira ronda pela brasileira Silvana Lima.

Pelo menos uma pessoa morreu na explosão num parque industrial na AlemanhaInicialmente, tinham sido dadas cinco pessoas como desaparecidas, mas uma delas já foi encontrada morta, sendo para já a única vítima fatal deste acidente na Alemanh