Opinião

Opinião

Cartas ao director

Opinião: Cartas ao director

23/09/2019 07:36:00

Opinião : Cartas ao director

PS de mãos livres melhor que atadas

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, diz que se o PS ficasse de mãos livres seria um retrocesso. Estou totalmente em desacordo. E é, sem dúvida, preferível um PS de mãos livres a outro com as mãos atadas ou amarradas aos comunistas. O PCP pretende incutir na opinião pública a ideia de que tudo o que de bom se alcançou foi graças a ele, o que é redondamente falso. As suas propostas eram quase sempre maximalistas e irrealizáveis, como, por exemplo, a mais recente sobre o salário mínimo, que já subiu para 600 euros, mas o PCP queria 850! Foram a responsabilidade e sentido de Estado do primeiro-ministro que rejeitaram, ao longo da legislatura, os excessos reivindicativos dos comunistas, que queriam, quase sempre, este mundo e o outro e num instante! Cheguei a dizer, neste mesmo jornal, e penso que com propriedade, que o PCP, por este andar, ainda prometeria um automóvel e casa de férias a cada português! O próprio Jerónimo de Sousa confessou, recentemente, que foi precisa uma enorme paciência revolucionária com António Costa, que tinha sempre a preocupação do défice. Sem o querer, ao que se presume, o líder comunista acabou, no entanto, com estas suas palavras, por prestar um grande serviço ao primeiro-ministro, ao evidenciar o desejo das contas certas por parte do PS. 

PAN condena ameaças racistas a deputadas e ativistas e pede punição “exemplar” Trump quer um ″cabelo perfeito″ e vai mudar a lei da pressão de água nos chuveiros Ventura e as ameaças racistas: ″Quando são estes coitadinhos, toda a gente chora″

A maioria absoluta do PS seria bem melhor para Portugal. O país ganharia bastante em clareza estratégica e facilidade de realização, o que proporciona sempre obra melhor, aspiração suprema de qualquer Governo que se preze. 

Simões Ilharco, LisboaO melhor do Público no emailSubscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.×Por que razão se subvencionam vitaliciamente certos políticos?

É do conhecimento público a lista dos políticos – voltou a ser publicada – que recebem subvenções vitalícias. É uma vergonha que se permita que certos políticos se grudem, qual lapas, nos úberes do Estado quando não necessitam – nem deveriam aceitar – (d)essas autênticas benesses caídas do céu.  Segundo notícias divulgadas, são 6,9 milhões de euros que saem cofres do Estado para 308 políticos. É certo que nalguns casos há uma redução total e/ou uma redução parcial dessas estipuladas subvenções, mas o número de subvenções activas ainda é de 199. Tomei conhecimento que até políticos a contas com a justiça estão a receber as ditas subvenções. Vejamos: José Sócrates recebe 3061,5 euros; Armando Vara, 2014,15 e até o inenarrável figurão Duarte Lima 2071,49. Por curiosidade, na lista divulgada, surge a ex-presidente da Assembleia da República que antes desta função foi juíza do Tribunal Constitucional obtendo uma reforma choruda com apenas 46 anos de idade (!!?)  e, actualmente, recebe - segundo o que veio publicado num jornal diário – 3432,78 euros de subvenção vitalícia… Conclusão: é tão melíflua e pródiga, para certas personagens, esta democracia em que vivemos.

António Cândido Miguéis, Vila RealContinuar a lerAssinar o Público é participar na construção de um país melhorOPÚBLICOnunca foi tão lido. Todos os meses passam pelo nosso online mais de 6.5 milhões de visitantes. Para nós, este número confirma a importância do nosso trabalho. Queremos produzir mais e melhor informação, com a liberdade de sempre e sem abdicar da diversidade de opiniões que enriquece uma sociedade livre. Queremos reforçar a nossa investigação para garantir um escrutínio mais eficaz dos poderes. Precisamos que se junte a nós neste esforço. A verdade, o pluralismo, a justiça, a solidariedade ou a abertura ao mundo são valores que partilhamos consigo.

Sinta-se ainda mais parte deste projecto cívico. Consulte Mais informação: Público »

Cartas ao directorOpinião: Cartas ao director

Sondagem: Rui Rio ganha balanço e encurta distância para o PSSondagem começou a ser feita um dia depois do frente-a-frente com o primeiro-ministro. Ambos os partidos crescem, mas Rio avança mais e é o único com uma avaliação positiva. Está com 26,6% das intenções de voto e a 14 pontos do PS, segundo uma sondagem da Pitagórica para o Jornal de Notícias, TSF e TVI É impossivel! Várias sondagens confirmaram que o PS já ganhou maioritariamente. Não é necessário o resto da sociedade ir às urnas. Excepto mais votos Brancos. O Voto Branco é o voto de protesto para os partidos políticos corruptos Agora qualquer partido ganha balanço,e se o povo estiver com atenção às notícias da TV, sobre o caso de corrupção da Câmara de Lisboa, então mais ganham.Este PS não tem emenda,ele é um partido unicamente virado para o corrupção, para o gamanço ao Zé Povinho

Eleições: Rio alerta que distanciamento entre PS e BE dá jeito para as eleições

Rio alerta: distanciamento entre PS e BE ″dá jeito para as eleições″O líder do PSD alertou este domingo para o distanciamento do PS em relação ao BE, porque 'dá jeito para as eleições', notando ser uma tentativa de 'limpar' a proximidade dos últimos quatro anos e eventuais aproximações futuras.

Líder do PCP acusa PS de querer maioria absoluta para se livrar de “empecilhos”Jerónimo de Sousa disse que os “avanços” alcançados na actual legislatura “têm a marca dos partidos” que compõem a CDU: o PCP e o PEV.

PS, PSD e CDS a correr contra a abstenção. O resto a correr contra o PSA campanha para as legislativas de 6 de outubro arranca este domingo. PS à procura da maioria absoluta. PSD e CDS a tentar contrariar a 'crise da direita'. BE a querer reforçar o peso político e o PCP a tudo fazer para não o perder, aliados num ataque ao PAN, que conquista o eleitorado focado no ambiente. Reparem leitores da propaganda desavergonhada do DN. Que não vota PS é o resto! Ou seja, PS já ganhou com a maioria. E o resto são Eleitores de segunda classe...o restolho que nem teve o direito de restolhar.