Carga fiscal portuguesa ficou 1,3 pontos percentuais acima da OCDE em 2020

06/12/2021 13:21:00

Carga fiscal portuguesa ficou 1,3 pontos percentuais acima da OCDE em 2020

Carga Fiscal, İmpostos

Carga fiscal portuguesa ficou 1,3 pontos percentuais acima da OCDE em 2020

A carga fiscal em Portugal, que foi de 34,8% em 2020, ficou acima da média do conjunto dos países da organização, que foi de 33,5%, segundo relatório da OCDE.

SubscreverAs variações na carga fiscal são causadas pelas mudanças relativas nas receitas fiscais e contribuições sociais e no PIB nominal. De um ano para o outro, se as receitas crescerem mais do que o PIB (ou caírem menos que o PIB), a carga fiscal aumenta.

Por outro lado, se as receitas crescerem menos do que o PIB, ou caírem mais, a carga fiscal diminui, explica a OCDE."Assim, a carga fiscal não significa necessariamente que a quantidade de receitas fiscais tenha crescido em termos nominais, ou mesmo reais", assinala a organização liderada por Mathias Cormann.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Este governo a única maneira de criar riqueza é assaltando os bolsos dos contribuintes as empresas públicas são tão mal geridas q só dão milhões de prejuízo, por isso Bruxelas diz q Portugal vai ser penalizado com os fundos europeus

Número de crianças adoptadas desce pelo quarto ano consecutivo e atinge novo minímo em 2020Por ano, cerca de 630 crianças no sistema de acolhimento têm a adopção em perspectiva, mas só 220, em média, são adoptadas. Entre 2016 e 2020, sentenças de adoptabilidade decididas pelos tribunais caíram para metade.

A Expo 2020 tem um “sistema nervoso” para criar cidades inteligentes e mais sustentáveisTudo o que acontece na Expo 2020, no Dubai, pode ser controlado a partir do MindSphere, um sistema informático que recolhe informação de milhares de câmaras e sensores espalhados pela feira — a equipa da Expo diz que é um elemento-chave das cidades

Sobe para 13 o número de mortos devido a erupção do vulcão na IndonésiaA última grande erupção da Semeru foi em dezembro de 2020.

Economista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Compra bilhetes de comboio na internet? Cuidado com os preçosPlataformas online vendem ilegalmente viagens da CP e burlam os passageiros com preços acima das tarifas.

e receba as informações em primeira mão.Conselho Nacional para a Adopção publicou relatório de 2020 esta semana Rui Gaudêncio Nunca, desde que em 2015 foi criado o Conselho Nacional para a Adopção (CNA) e publicados dados nacionais, a adopção tinha atingido valores tão baixos como em 2020.Receber alertas Fotogaleria O pavilhão Terra está rodeado de árvores de energia, enormes estruturascom painéis solares que giram à procura do sol Fotogaleria Fotogaleria Expo 2020, no Dubai Como será o mundo daqui a sete anos? No Dubai, a Expo 2020 mostra-nos uma versão optimista de 2030.O número de mortos da erupção do vulcão Semeru da Indonésia aumentou de um para 13, disse hoje a agência de gestão de catástrofes, numa altura em que os socorristas continuam a revistar a área.

Subscrever As variações na carga fiscal são causadas pelas mudanças relativas nas receitas fiscais e contribuições sociais e no PIB nominal. De um ano para o outro, se as receitas crescerem mais do que o PIB (ou caírem menos que o PIB), a carga fiscal aumenta. No ano passado, 186 crianças tiveram essa sentença decretada pelo juiz, cerca de metade das 361 em iguais circunstâncias em 2016. Por outro lado, se as receitas crescerem menos do que o PIB, ou caírem mais, a carga fiscal diminui, explica a OCDE. Os muitos sensores e algoritmos da MindSphere garantem que nada falha. "Assim, a carga fiscal não significa necessariamente que a quantidade de receitas fiscais tenha crescido em termos nominais, ou mesmo reais", assinala a organização liderada por Mathias Cormann. A Dinamarca registou a maior carga fiscal em 2020 Em 2020,"o pequeno aumento da média da carga fiscal na OCDE ocorreu face à pandemia de covid-19, que levou a perdas alargadas tanto nas receitas fiscais nominais como no PIB nominal", tendo a razão das perdas sido atribuída ao facto de"na maioria dos países o PIB ter caído mais do que as receitas fiscais nominais". Pelo menos 57 pessoas foram feridas na erupção, 41 das quais sofreram queimaduras, disse a agência de gestão de catástrofes num comunicado.

O relatório assinala que a Dinamarca registou a maior carga fiscal em 2020 (46,5%),"e com as exceções de 2017 e 2018, em que a da França foi maior, tem tido a maior carga fiscal dos países da OCDE desde 2002". "A França teve a segunda maior carga fiscal em 2020 (45,4%). O México teve a menor carga fiscal (17,9%)", refere a compilação da OCDE divulgada, que assinala que"o rácio de receitas fiscais face ao PIB, comparado com 2019, cresceu em 20 [países] e decresceu em 16". Entre 2019 e 2020, o maior aumento da carga fiscal verificou-se em Espanha (1,9 pontos percentuais),"largamente devido a um aumento nas receitas das contribuições para a Segurança Social face ao PIB (1,5 pontos percentuais)", depois de uma queda maior das receitas que no produto. "O segundo maior aumento foi no México (1,6 pontos percentuais), com aumentos em todos os principais tipos de impostos em termos nominais e como percentagem do PIB", tendo a Islândia sido o país restante com um aumento superior a 1 ponto percentual", refere o texto. A Indonésia situa-se no"Anel de Fogo" do Pacífico, onde o encontro de placas continentais causa uma elevada atividade sísmica.

Já a maior queda na carga fiscal entre 2019 e 2020 nos países da OCDE foi registada na Irlanda, com 1,7 pontos percentuais. "O decréscimo na Irlanda foi em grande parte devido à queda das receitas de IVA, depois da redução temporária nas taxas em 2020 e ao impacto da pandemia de covid-19 na redução da atividade económica", com menores de contribuições do IRS, contribuições da segurança social, impostos sobre a propriedade e sobre consumos específicos, segundo a OCDE. Também foram observadas descidas acima de 1 ponto percentual no Chile (1,6 pontos percentuais) e na Noruega (1,3). Quanto à última década, a média da carga fiscal na OCDE"foi maior em 2020 do que em 2010, quando era de 31,6%", e cresceu também em 30 países. O maior aumento verificou-se na Eslováquia (6,7 pontos percentuais) e na Grécia (6,5), e verificaram-se também subidas acima de 5 pontos na Coreia do Sul, Espanha e Japão (dados de 2019) e no México.

Quanto às descidas desde 2010, verificaram-se nos restantes oito países que compõem a organização, com a maior a verificar-se na Irlanda (7,5 pontos percentuais),"largamente devido ao aumento excecional do PIB em 2015". "A segunda maior descida deu-se na Noruega (3,2 pontos percentuais), largamente devido à queda de receitas do IRC", nota a OCDE. Em Portugal, a carga fiscal era de 30,4% em 2010, passando para 34,8% em 2020. Partilhar .