Ataque em Abu Dhabi provoca incêndio e deixa três mortos

17/01/2022 16:21:00

Iémen: Ataque em Abu Dhabi provoca incêndio e deixa três mortos

Iémen, Arábia Saudita

Iémen : Ataque em Abu Dhabi provoca incêndio e deixa três mortos

Autoridades dos Emirados Árabes Unidos dizem suspeitar que rebeldes houthis do Iémen usaram um drone numa zona industrial perto de uma zona de armazenamento de uma petrolífera.

YAHYA ARHAB/EPATrês pessoas morreram e seis ficaram feridas na explosão de três camiões-cisterna, e houve ainda um incêndio perto do aeroporto de Abu Dhabi, no que os rebeldes houthis do Iémen disseram ter sido um ataque “mesmo no interior” nos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Os houthis, apoiados pelo Irão, lutam contra umacoligação liderada pela Arábia Saudita que inclui os Emirados Árabes Unidos. O grupo tem reivindicado frequentemente ataques contra a Arábia Saudita, mas muito menos contra os Emirados, e quando o faz, as autoridades de Abu Dhabi negam a sua maioria.

Consulte Mais informação:
Público »

Drones terão causado explosão de camiões-cisterna em Abu DhabiPelo menos três pessoas morreram e seis ficaram feridas na explosão de três camiões-cisterna em Abu Dhabi , capital dos Emirados Árabes Unidos.

Reféns libertados em sinagoga nos Estados Unidos; autor do ataque morto pela polícia

Ucrânia suspeita que grupo ligado à Bielorrússia é responsável por ataque informáticoKiev diz que ataque a sites do Governo na quinta-feira à noite serviu de “cobertura para acções de bastidores mais destrutivas”.

Javier Avilés é reforço para o ataque do TondelaTondela - Javier Avilés é reforço para o ataque do Tondela

Porta-voz do Governo da Somália ferido em ataque bombista

Villarreal falha ataque aos lugares europeus - RenascençaLucas Boye marcou o golo que deu a vitória ao Elche, em casa, que permite à equipa afastar-se dos lugares de despromoção.

Nos últimos anos, o conflito iemenita tornou-se a pior crise humanitária do mundo YAHYA ARHAB/EPA Três pessoas morreram e seis ficaram feridas na explosão de três camiões-cisterna, e houve ainda um incêndio perto do aeroporto de Abu Dhabi, no que os rebeldes houthis do Iémen disseram ter sido um ataque “mesmo no interior” nos Emirados Árabes Unidos (EAU).A explosão foi desencadeada por um incêndio, que as autoridades admitem possa ter sido causado por 'drones' (avião não-tripulado), e que provocou explosões em dois outros camiões-cisterna.Siga o programa Noticiário e receba um alerta assim que um novo episódio é publicado.Um grupo denominado UNC1151 esteve por trás do ataque, dizem as autoridades ucranianas Kacper Pempel/Reuters A Ucrânia acredita que um grupo de hackers ligado aos serviços secretos da Bielorrússia é responsável pelo ataque informático que, na quinta-feira à noite, atingiu vários sites do Governo de Kiev.

Os houthis, apoiados pelo Irão, lutam contra uma coligação liderada pela Arábia Saudita que inclui os Emirados Árabes Unidos . O grupo tem reivindicado frequentemente ataques contra a Arábia Saudita, mas muito menos contra os Emirados, e quando o faz, as autoridades de Abu Dhabi negam a sua maioria. Os feridos não foram identificados pelas autoridades, que indicaram apenas que os ferimentos são ligeiros. Os três mortos e seis feridos resultaram da explosão de três camiões cisterna numa zona industrial perto de uma zona de armazenamento da petrolífera ADNOC, segundo a agência de notícias estatal dos emirados WAM.. “As investigações iniciais encontraram partes de um pequeno avião que poderá ser um drone nos dois locais, e poderá ter causado a explosão e o incêndio”, disse a polícia de Abu Dhabi, acrescentando que não houve “danos significativos”. Investigações preliminares permitiram detetar pequenos objetos voadores, possivelmente 'drones', que caíram nas duas áreas e poderão ter causado as explosões e o incêndio. O porta-voz militar dos houthis disse que o grupo tinha lançado uma missão “mesmo no interior dos Emirados Árabes Unidos” e que iria dar mais pormenores nas horas seguintes. Na sexta-feira, as autoridades ucranianas disseram que a Rússia estaria provavelmente envolvida, mas não forneceram detalhes.

As autoridades dos Emirados e a ADNOC, assim como o porta-voz da coligação no Iémen, não responderam logo a pedidos de comentário da Reuters. JN/Agências. As forças pró-coligação apoiadas pelos Emirados juntaram-se recentemente aos combates contra os houthis nas zonas iemenitas produtoras de energia de Shbwa e Marib. Os EAU tinham diminuído a sua presença militar no Iémen em 2019, quando a situação militar estava num impasse e a tensão regional com o Irão aumentava, mas continuaram a armar e treinar forças iemenitas. Os houthis levaram o governo reconhecido internacionalmente a retirar da capital, Sanaa, no final de 2014. De seguida, a coligação liderada pela Arábia Saudita interveio para . Moscovo já negou várias vezes o envolvimento russo em ataques informáticos, inclusive contra a Ucrânia.

Desde então, dezenas de milhares de pessoas morreram e o conflito tornou-se a pior crise humanitária do mundo. Os houthis disseram entretanto que o aumento das suas capacidades militares iriam permitir-lhes atacar os EAU. Em Julho de 2018, os Emirados negaram relatos de que os houthis tinham atacado o aeroporto de Abu Dhabi com um drone , e antes, em 2017, as autoridades dos EAU também negaram a afirmação dos houthis terem disparado um míssil de cruzeiro contra uma central nuclear em Abu Dhabi. No início do ano, os houthis apreenderam um barco com bandeira dos EAU , acusando o barco de ter entrado em águas territoriais iemenitas sem pedir autorização e de ter levado a cabo “actos hostis”. A coligação de países árabes afirmou que a embarcação transportava equipamento médico e ameaçou recorrer à força para a reaver.

.