Opinião, Paulo Tavares

Opinião, Paulo Tavares

A mais estúpida e séria das crises políticas

A mais estúpida e séria das crises políticas

27/10/2021 15:43:00

A mais estúpida e séria das crises políticas

Vejo muitos argumentarem que não se pode comparar a atitude de PCP e BE face ao OE 2022 com o que comunistas e bloquistas fizeram aos primeiros dias da primavera de 2011, quando votaram ao lado de PSD e CDS para chumbar o PEC IV.

A natureza do documento não é um detalhe, mas não é aí que mora aquele que será mais um erro histórico da esquerda. Ao votarem contra o OE 2022, depois de terem colocado o PS perante exigências que sabiam inaceitáveis, PCP e BE terão a partir de hoje de conviver com uma brutal agravante, que acentua a incompreensão em relação às suas decisões.

Benfica igualou recorde com 57 anos Xi Jinping, o novo imperador da China Aumento de casos de Covid preocupa Sérgio Conceição

É obviamente inconcebível que PCP e BE não tenham dado por isso, mas vivemos hoje um outro quadro partidário e a composição da direita que, muito provavelmente, sairá maioritária e em condições de formar governo de eventuais eleições antecipadas é radicalmente diferente da de 2011.

PCP e BE não estão"apenas", como fizeram em 2011, a entregar os pontos a PSD e CDS. O jogo é agora bastante mais sério. Estão a abrir a porta a um futuro governo viabilizado pelo Chega e, num patamar ainda assim menos grave, pela IL. headtopics.com

Todos nos lembramos do peso das escolhas"para além da Troika" que se seguiram às eleições de 2011. Algumas dessas medidas, com notável ironia histórica, servem agora de base ao voto de PCP e BE contra o OE 2022. Ou seja, ainda hoje lutam para desfazer parte do que resultou das suas decisões em 2011.

Jerónimo de Sousa e Catarina Martins têm obrigação de saber que esses anos de chumbo terão uma pálida comparação com o que estará para vir.Dando como certo um cenário de eleições antecipadas, estamos a falar de um quadro de enorme dispersão do voto, com uma recomposição do parlamento, com a esquerda em perda e onde o Chega será, muito provavelmente, a terceira força política.

Estamos a falar de ter um futuro governo de direita viabilizado por um partido que pratica um sistemático discurso de ódio contra minorias étnicas, um partido que olha para a maioria dos portugueses dividindo-os entre as"pessoas de bem" e os outros - os que não vêem o mundo e o país como o Chega o vê -, um partido que defende uma brutal redução da rede de mínimos sociais e que ambiciona, apenas como exemplo numa longa lista de medidas contra o Estado Social, a privatização da saúde.

É difícil entender que isto não sirva de cola entre PS, PCP e BE para, pelo menos, fazer baixar o OE 2022 ao debate na especialidade.A mais longo prazo e com efeitos mais duradouros, é preciso que a esquerda se prepare para uma base eleitoral descontente e a quem vai ser difícil ou mesmo impossível explicar como se deitou abaixo uma solução de governo que ao longo de seis anos conseguiu um equilíbrio que muitos julgavam impossível - conjugar uma agenda progressista, de redistribuição e de reforço do Estado Social, com contas públicas saudáveis e cumprimento total das exigências europeias. headtopics.com

Vergonha no Jamor. Onze contra nove e no final perdeu o futebol A incrível vitória de Rio contra caciques e notáveis Vergonha no Belenenses SAD-Benfica: Azuis entraram com nove jogadores e acabaram reduzidos a seis

Uma última nota para o Partido Socialista, que desde 2015 vem somando campanhas eleitorais em perda, com sérias discrepâncias entre sondagens e votos em urna.A memória é curta, sobretudo quando estão em causa crises traumáticas como a pandemia. Em janeiro ou fevereiro, o sucesso da campanha de vacinação ou das medidas de apoio a empresas e famílias durante os confinamentos pouco mais serão do que uma história que ninguém vai querer lembrar.

No outro extremo, como a campanha autárquica demonstrou, agitar como bandeira grandes e distantes projectos de investimento público - sobretudo em infraestrutura - e apostar tudo na promessa de um pote de ouro salvífico que há de chegar de fora, é exigir demasiado à imaginação de eleitores que estão confrontados, hoje, com problemas concretos.

Pegando apenas num desses temas: enfrentar uma campanha eleitoral em plena crise energética sem explicar que a factura da transição energética - no fundo, o custo do combate às alterações climáticas - vai chegar a todos, é arriscado. Fazê-lo sem ter um plano para garantir que, de facto, essa transição será justa e inclusiva poderá ser fatal.

Consulte Mais informação: Diário de Notícias »

Novo estudo sobre a origem da Covid-19 aponta para mercado de Wuhan

Governo marca conferência de imprensa sobre OE depois de chumbo do PCP

Salários, lei laboral e SNS. O que o PCP ainda espera mudar no OEO PCP deixou claro que, se o Governo ainda quiser fazer aprovar o Orçamento do Estado (OE) para 2022, terá de ceder em três campos: salários, leis laborais e SNS. Apesar disso, e embora coloque o ónus do lado do Governo, o líder comunista, Jerónimo de Sousa, diz não acreditar num 'golpe de asa' até quarta-feira.

Mais uma nega: PSD Açores e PSD Madeira contra OE. Costa sem alternativas a PCP e BEPS numa encruzilhada: vias para fazer passar o OE fechadas. Sem espaço à direita, onde nem os Açores e a Madeira podem servir de bóia de salvação, à esquerda as hipóteses reveleram-se esta segunda-feira cada vez menores O Rangel escolheu o pior momento pra iniciar uma guerra de tiro do PSD. Será sempre um pinoquio da política!

PCP acusa Governo de 'destruir' a Efacec com reprivatização 'perigosamente lenta'Grupo parlamentar reitera que a manutenção da tutela pública é 'condição necessária' para preservar o 'enorme potencial' da empresa. A má gestão destruiu a Efacec.

PCP anuncia voto contra o Orçamento do EstadoO Bloco já o tinha feito ontem. Se até quarta-feira ninguém ceder e somados todos os votos 115 deputados vão chumbar o documento. Vai dar banho cão 🐕 pois está visto que já não mandas nada 👎 o Ventura agradece😂😂😂🤮🤢🤮 Vão dar um valente tiro nos pés, pois, se houver eleições, quese de certeza, o país vai virar à direita.

OE2022: PCP anuncia voto contra Orçamento na generalidade (com áudio)O anuncio foi feito esta segunda-feira pelo secretário-geral do PCP. 'Portugal não precisa de um Orçamento qualquer, precisa de uma resposta aos problemas concretos', frisou Jerónimo de Sousa.