Coronavirus, Coronavirus Covid-19, Enfermedades Respiratorias, Neumonía, Emergencia Sanitaria, Enfermedades İnfecciosas, Asistencia Sanitaria, Sociedad, Vacunas, Vacunación, Francia, Alemania, Salud Pública, Movimiento Antivacunas, Sanciones, Funcionarios

Coronavirus, Coronavirus Covid-19

Queda na taxa de imunização em países ricos dá impulso a medidas coercitivas para aqueles que não são vacinados

A relutância de muitos em tomar a vacina e o avanço da variante delta levam os Governos a adotar ações para incentivar a imunização e até mesmo impô-la a funcionários públicos

29/07/2021 19:01:00

A relutância de muitos em tomar a vacina e o avanço da variante delta levam os Governos a adotar ações para incentivar a imunização e até mesmo impô-la a funcionários públicos

A relutância de muitos em tomar a vacina e o avanço da variante delta levam os Governos a adotar ações para incentivar a imunização e até mesmo impô-la a funcionários públicos

, os trabalhadores do setor da saúde que não quiserem receber a vacina poderão ficar sem remuneração a partir de setembro (a princípio, falava-se em demissões, mas o Parlamento, ao votar a lei que institui essas medidas, suavizou o tom neste fim de semana) e o Governo não descarta a possibilidade de fazer o mesmo com professores, cuidadores em residências, bombeiros e membros das forças de segurança civil, se não houver ampla cobertura. A partir de agosto será necessário no país um atestado de saúde para o acesso a locais públicos como bares e restaurantes, até mesmo nas áreas abertas desses lugares. Também será necessário para viajar de avião ou trens de longa distância. A medida está em vigor desde a semana passada para a entrada em qualquer evento cultural e esportivo que reúna mais de 50 pessoas, incluindo atrações turísticas, cinemas e teatros.

Datafolha: Lula segue à frente de Bolsonaro e, no 2º turno, tem 56% contra 31% É de Lira, como de Bolsonaro, a responsabilidade de continuarmos a viver nessa loucura - Economia - Estadão ‘Eu não dialogo com a morte’, diz Paes após ser chamado de ‘ditador’ por Bolsonaro; vacinação de adolescentes continua

AItáliavai impor medidas semelhantes em agosto e na Alemanha estão em estudo. Esses movimentos desencadearam uma tempestade nos países que os aplicam. Alguns setores políticos, especialmente ligados à direita populista, têm tentado impedir a implementação dessas medidas, que consideram excessivas. Matteo Salvini, líder da Liga, da extrema direita italiana, por exemplo, afirma que não é preciso vacinar os jovens. O primeiro-ministro Mario Draghi, um grande defensor das vacinas para todos, respondeu energicamente: “Uma posição contra ser vacinado é um chamado para morrer”. Na Alemanha, além dos protestos, há uma disputa entre os partidários da manutenção da liberdade individual para se vacinar e os que querem ser mais duros e exigir o certificado de vacinação para determinadas atividades. Na França, 114.000 pessoas se manifestaram contra as medidas na semana passada.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$Clique aquiOs motivos da resistência à vacina são variados. O movimento antivacinas, muito ativo e influente em países como Estados Unidos e França, onde grande parte da população se opõe às imunizações, é parte do problema, mas não a única. Contam também a incapacidade do sistema de saúde de alcançar toda a população, o desinteresse de parte dela, que se sente fora do sistema ou pessoas que simplesmente têm medo e preferem não se arriscar a sofrer efeitos colaterais que, embora muito raros (muito mais do que a possibilidade de se tornar gravemente doentes se forem infectados com o coronavírus), são possíveis. Há também as pessoas que querem esperar que outras sejam vacinadas para se aproveitarem do efeito da imunidade de rebanho. headtopics.com

Fernando García López, presidente do Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto de Saúde Carlos III, explica que em cada país temos que buscar uma resposta de acordo com sua situação. “As medidas para vacinar os funcionários do setor da saúde na França, com cobertura relativamente baixa, não são as mesmas impostas pelo Reino Unido nas residências, onde são muito altas e talvez não fossem necessárias, o que tem causado grandes protestos”, reflete. Este especialista, como outros consultados, defende primeiro o convencimento e, antes de obrigar, incentivar com certos benefícios, como alguns países estão fazendo. O conflito sobre a vacinação obrigatória é entre o bem comum e as liberdades individuais, que os especialistas em bioética tendem a adiar até que não seja estritamente necessário.

Um caso paradigmático no avanço da vacinação,como o de Israel, está estagnado há semanas.No início de abril, atingia 50% da população com doses completas, mas desde então, em quase quatro meses, avançou somente 11 pontos e chegou a 61%. O primeiro-ministro Naftali Bennett anunciou nesta quinta-feira que o passe verde ou certificado de vacinação digital seria reintroduzido para permitir o acesso a cafés e restaurantes, academias, centros culturais e esportivos e locais de culto, embora o Governo ainda não tenha adotado a decisão. “Há mais de um milhão de cidadãos (11% da população) em condições de se vacinar, e não o fizeram. Eles estão pondo em risco a saúde e a economia de todos os israelenses”, declarou o primeiro-ministro. “Agora que ficou comprovado em todo o mundo que as vacinas são seguras e eficazes”, acrescentou, “chegou a hora de se imunizarem e parar de ameaçar a saúde de seus entes queridos, especialmente os idosos”. Em Israel não existe um claro movimento antivacina, exceto alguns casos de negacionistas ativos nas redes sociais, mas as comunidades mais desfavorecidas, a minoria árabe (21%) e os judeus ultraortodoxos (12%), foram as mais refratárias a receber as duas doses da Pfizer.

O residual movimiento antivacina na EspanhaO movimento antivacinas também é residual na Espanha, país com uma forte cultura de vacinação que se reflete nas altas taxas de campanhas voltadas para as crianças. De acordo com a última pesquisa da Fundação Espanhola de Ciência e Tecnologia (Fecyt), o número de pessoas que se recusam terminantemente a receber a vacina na Espanha passou de 33% em meados do ano passado para 4% em maio. Por isso, a maioria dos especialistas consultados concorda que não é necessário impor qualquer tipo de obrigação, pelo menos por enquanto. Alberto Infante, professor da Escola Nacional de Saúde, acredita que não é preciso “dar argumentos aos antivacinas”, para que se mobilizem, como acontece em outros países. “Não é preciso introduzir aqui contextos diferentes, como o francês, já que até os mais jovens estão respondendo bem. Seria contraproducente”, sentencia.

Federico de Montalvo, presidente do Comitê de Bioética da Espanha, acredita que o debate sobre a obrigatoriedade nunca é demais. Embora hoje não seja necessário, avalia ele, teremos que ver o que acontece no futuro. Quando adquirida a imunidade de rebanho que os especialistas situam agora em 90%, o debate virá quando for a hora de vacinar as crianças. Aproximadamente 11% da população da Espanha tem menos de 12 anos, faixa para a qual ainda não existe vacina, mas provavelmente estaria pronta no final de 2021 ou início de 2022. “O critério para vaciná-las é protege-las ou servir à imunidade de rebanho. Para elas certamente há mais riscos do que benefícios, já que a grande maioria contrai uma forma muito leve da doença. Aí teremos que nos perguntar se para alcançar a proteção coletiva faz sentido vaciná-las ou obrigar os adultos que ainda não foram perfurados “, afirma. headtopics.com

Em live, Bolsonaro diz que deve defender tese do marco temporal em discurso na ONU - Política - Estadão Lula, a uma canetada da vitória contra a Lava-Jato; saiba quando ela virá | Radar Quinta-feira, 16 de setembro

Outro debate é o do pessoal de saúde. O Conselho Geral das Associações Médicas Oficiais fez um apelo nesta quarta-feira a todos os profissionais de saúde para que se vacinem “diante de alguns casos detectados”. Seu presidente, Tomás Cobo, explica ao EL PAÍS que quem não o faz pode estar violando o código de ética, pois põe em risco a saúde pública. “Nos casos que têm contato com pacientes, seria necessário pensar em separá-los e transferi-los para outras tarefas”, diz.

Com informação de Silvia Ayuso, Lorena Pacho e Juan Carlos Sanz Consulte Mais informação: EL PAÍS Brasil »

Documentos da CPI colocam crise mais perto da família Bolsonaro - Política - Estadão

Em novo episódio de ‘Por Dentro da CPI’, Eliane Cantanhêde analisa ação de lobista no Ministério da Saúde e sua proximidade com o filho ‘Zero Quatro’ do presidente

Hj fui tomar a segunda dose, tinha gente querendo saber qdo vai ser a terceira dose, Brasileiro é especial, não sei pq não deu certo esse país

China derrubou mercados internacionais e Ibovespa fecha em queda de 1,10% | Radar EconômicoVEJA Mercado: Ativos chineses despencam após Cathie Wood, da bilionária ARK Invest, se desfazer de quase todos os ativos do fundo principal da gestora EconomicoRadar Artificial. EconomicoRadar Isso é bom ou ruim?

Fiocruz reafirma tendência de queda nos óbitos e internações por CovidPor outro lado, nova edição do Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz alerta para o aumento no número de novos casos da doença

Após Fed, dólar comercial encerra em queda de 1,29%, a R$ 5,10 | Radar EconômicoVEJA Mercado: Fechamento | Ibovespa encerrou em alta de 1,34%, a 126.285 pontos, na esteira dos balanços positivos das empresas brasileiras no segundo trimestre (via EconomicoRadar)

Reino Unido reabre fronteiras para turistas dos EUA e da UEVisitantes vacinados desses países não precisarão mais cumprir quarentena em solo britânico; restrições para América Latina seguem em vigor

Recuperado da Covid-19, Doria retoma agenda presencial nesta quarta | RadarJá vacinado, governador de São Paulo foi reinfectado e trabalhou remotamente no período de isolamento radaronline radaronline Não sabia se quer da existência desse indivíduo. radaronline Pra decepcao de quem diz que a Coronavac nao é eficaz .......

Vacinas mantêm proteção contra variantes, mas há lacunas nas evidências, diz OMS - ISTOÉ IndependenteDiretora do Departamento de Imunização, Vacinas e Produtos Biológicos da Organização Mundial da Saúde (OMS), Katherine O’Brien afirmou que, apesar de haver algumas “lacunas” nas evidências sobre a eficácia das vacinas contra as variantes do coronavírus, os produtos, no geral, mantém a proteção contra casos graves e hospitalizações provocadas pela covid-19. Durante sessão de perguntas […]