Presidente da Rio de Paz, sediada no Jacarezinho, critica ocupacões: 'estamos numa cultura de tiro, truculência e bomba'

19/01/2022 18:10:00

Presidente da Rio de Paz, sediada no Jacarezinho, critica ocupacões: 'estamos numa cultura de tiro, truculência e bomba'

RIO — Antônio Carlos Costa, presidente da Rio de Paz, divulgou um vídeo nesta quarta-feira, no qual critica ocupações policiais como a que está acontecendo nesta quarta-feira na favela do Jacarezinho, onde a ONG está sediada. Ele começa fazendo uma análise do que considerou os principais erros do projeto de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) que chegou àquela comunidade em 2013 e foi desmobilizada em 2019, sem surtir os efeitos desejados, que eram minimizar o controle territorial de facções e instalar projetos sociais. A ocupação iniciada nesta quarta-feira por aquela comunidade foi rebatizada de Cidade Integrada pelo governo estadual.

Consulte Mais informação: Jornal Extra »

A contraofensiva de Lula diante do novo Auxílio Brasil de R$ 600 | Clarissa Oliveira

Discurso de Lula na Fiesp, críticas da primeira-dama Michelle Bolsonaro ao petista e entrevista de Armínio Fraga ao Amarelas On Air são temas do Giro VEJA Consulte Mais informação >>

Falar de dentro de apartamento na zona sul, é fácil... É muita hipocrisia esse babacas, que se diz especialistas. Na zona sul, quando vê uma pessoa de outra classe, até vira a cara... Esse aí leva uma do tráfico.... Chato para caralho, o Rio deveria tirar a polícia das ruas por 12 horas.... Aí quero ver esse filho da puta criticar

Começou.. Leoni_a_jato O Rio de janeiro devia extinguir a polícia, assim economizaria dinheiro público e acabava com o mi mi mi da elite(que não precisa da polícia) depois entregava de vez o estado para os traficantes e validava o projeto da Talíria Petrone PL 4540/2021 (apenas no Rio) Vagabundo

Mais de mil policiais realizam operação no Jacarezinho | Rio de Janeiro | O DiaOutras comunidades na Zona Norte também têm impacto da ação que é o primeiro passo do programa do governo para reocupar territórios, conforme O DIA noticiou em setembro. ODia Será que vão comabater a milícia tbm ?....ou eles vão continuar roubando o povo !

Governo do Rio faz operação com polícias para ocupar JacarezinhoO Governo do Estado do Rio de Janeiro iniciou hoje uma ocupação em favelas da capital fluminense com objetivo de implantar uma 'nova UPP (Unidade de Polícia Pacificadora)', o programa Cidade Integrada. A ação começa com a favela do Jacarezinho, na zona Quantos vão matar dessa vez? Caveira

Governo do Rio de Janeiro inicia projeto de ocupação do Jacarezinho | CNN BrasilForças de segurança do Rio de Janeiro iniciaram hoje um trabalho de ocupação no Complexo do Jacarezinho, na zona norte da capital. O território foi o mesmo em que, em maio de 2021, 28 pessoas morreram em uma operação Foi aí que a polícia matou 27 bandidos e 1 Policial e a DanielaLima_ achou que deveria ter morrido mais polícia? É Operação Enxuga Gelo que chama? Chama a ROTA aqui de São Paulo que os caras resolve 90%. ROTA! A polícia de São Paulo!!! A POLÍCIA!!!!!!

Operação na favela do Jacarezinho, no Rio, dá início a projeto que substitui UPPs - Brasil - EstadãoEntrada de forças policiais ocorre oito meses após ação policial que terminou com 28 mortos na comunidade

Saúde do Rio suspende visitas nas unidades da rede municipal | Rio de Janeiro | O DiaMedida ficará em vigor durante 15 dias, mas não vai atingir o direito a acompanhantes protegidos por lei. ODia

Internações por covid-19 explodem no município do Rio | Rio de Janeiro | O DiaNúmero escalonou de 22 para 755 – um aumento de mais de 3000% em relação a dezembro de 2021. Por conta disso, visitas foram suspensas nas unidades de saúde. ODia O importante para o povo é o carnaval, caguem! Elegeram o Paes...Taí. nossa como tem gente não vacinada nesta cidade!?🤡🤡🤡 E as pessoas continuam brincando com as próprias vidas como se não existisse amanhã. Depois o culpado é o presidente.

A RIO — Antônio Carlos Costa, presidente da Rio de Paz, divulgou um vídeo nesta quarta-feira, no qual critica ocupações policiais como a que está acontecendo nesta quarta-feira na favela do Jacarezinho, onde a ONG está sediada.Polícias Civil e Militar realizam operação no Jacarezinho - Marcos Porto Polícias Civil e Militar realizam operação no Jacarezinho Marcos Porto [email protected] Publicado 19/01/2022 06:00 | Atualizado 19/01/2022 07:58 Rio - As polícias civil e militar realizam uma operação, desde às 5h da manhã desta quarta-feira (19), na comunidade do Jacarezinho, Zona Norte do Rio.Policiais militares patrulham acessos à favela do Jacarezinho, palco de nova ocupação do governo do RJ Imagem: Reprodução/@Pmerj Do UOL, no Rio 19/01/2022 07h40 O Governo do Estado do Rio de Janeiro iniciou hoje uma ocupação em favelas da capital fluminense com objetivo de implantar uma"nova UPP (Unidade de Polícia Pacificadora)", o programa Cidade Integrada.IPVA: veja o que pode acontecer em caso de atraso ou inadimplência A pacificação no Jacarezinho acontece oito meses depois da operação mais letal do Rio de Janeiro.

Ele começa fazendo uma análise do que considerou os principais erros do projeto de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) que chegou àquela comunidade em 2013 e foi desmobilizada em 2019, sem surtir os efeitos desejados, que eram minimizar o controle territorial de facções e instalar projetos sociais. A ocupação iniciada nesta quarta-feira por aquela comunidade foi rebatizada de Cidade Integrada pelo governo estadual. Ao todo, 1. — Por que a UPP não deu certo? Porque a retomada dos territórios que estavam sob domínio armado de facções criminosas não veio acompanhada da implementação de políticas públicas; porque não houve reforma da polícia; porque não foi dada condição digna aos policiais que atuavam na ponta; porque arma e munição continuam entrando nas favelas; porque estamos numa cultura de tiro, truculência e bomba — enumerou. A Polícia Militar não detalhou a quantidade de homens envolvidos na ação, mas informou, por meio de nota, que há vários batalhões envolvidos. Na avaliação dele, ocupações não dão certo porque a morte de pobres não incomoda, e os crimes contra a vida não são punidos. "O governo do Estado do Rio iniciou uma ocupação da comunidade do Jacarezinho. Ele também criiticou a utilização de policiais jovens e despreparados nas ocupações realizadas no projeto das UPPs. Já o governo anunciou, em novembro do ano passado, o projeto do governo de ocupar o Jacarezinho.

— Porque é fácil para políticos profissionais e a sociedade estimularem o policial a executar bandidos, atuar a partir de uma cultura de guerra, agir ao arrepio da lei, mas é difícil visitá-lo quando é preso e amparar a família quando morre. Algumas comunidades ao redor também vão ser ocupadas para o sucesso da operação, como Manguinhos e Bandeira 2", afirmou à reportagem o porta-voz da Polícia Militar, tenente-coronel Ivan Blaz."As operações de hoje são apenas o começo dessa mudança que vai muito além da segurança", completou o governante no Twitter. Porque policiais jovens e despreparados tiveram de lidar com a complexidade da favela, sendo forçados a cumprir tarefas que não são das favelas, num ambiente marcado pelo histórico de violações dos direitos humanos cometidos pelos policiais que os antecederam, porque temos um legislativo ineficaz, envolvido com corrupção e tivemos no histório do Rio de Janeiro, nos últimos anos, um Executivo sem autonomia para governar. E por fim, porque julgamos que foi justo e oportuno investirmos fortunas de verba pública em grandes eventos esportivos numa cidade marcada pela privação, exclusão e vulnerabilidade de milhões de seres humanos. A operação é um primeiro passo para o programa que o governador Cláudio Castro (PL) deverá anunciar nos próximos dias. A pergunta que não quer calar, portanto é: o que mudou de lá para cá — conclui. Além do Jacarezinho, não há informações sobre qual será o segundo local a ser ocupado. A operação desta quarta-feira é a primeira fase do projeto Cidade Integrada, do governo estadual. Dividida em etapas, a ação vai abarcar sempre duas comunidades ao mesmo tempo, sendo uma ocupada por milicianos e outra por traficantes. O julgamento chegou a ser iniciado no dia 15 de dezembro de 2021, mas foi suspenso pelo presidente do STF, ministro Luiz Fux, e só deve ser retomado este ano.

Trata-se na verdade de uma espécie de reformulação do programa das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), prevendo patrulhamento, investigações para desestruturar organizações criminosas e intervenções sociais. Modelo será usado também na Muzema e em outras quatro comunidades. No Jacarezinho, o governo pretende instalar um batalhão da Polícia Militar no terreno onde ficava a fábrica da General Electric (GE). Receba a newsletter do Extra Cadastrar .