Pacheco diz que CPI do MEC só deve começar depois das eleições

06/07/2022 04:35:00

Em depoimento na Câmara, ministro da CGU diz que se orgulha de ter só um ministro envolvido em caso de corrupção; deputada rebate.

Jn

Em depoimento na Câmara, ministro da CGU diz que se orgulha de ter só um ministro envolvido em caso de corrupção; deputada rebate: JN

Em depoimento na Câmara, ministro da CGU diz que se orgulha de ter só um ministro envolvido em caso de corrupção; deputada rebate.

Em reunião online, líderes dos partidos no Senado discutiram a abertura da CPI do MEC. Depois, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse que a CPI pode sim acontecer, mas somente depois das eleições de outubro. Um pedido, segundo ele, da maioria dos líderes.

“Evitar que o período eleitoral, que é naturalmente o período em que há uma politização e acaba partidarizando as discussões, que esse período eleitoral evite contaminar um processo de investigação da CPI que naturalmente e necessariamente precisa ser uma investigação minimamente isenta e imparcial no momento de mais regularidade e mais normalidade do funcionamento parlamentar, que não é o caso de um período eleitoral”, explica Pacheco.

Consulte Mais informação:
Jornal Nacional »

O Assunto #843: A meia-volta da política armamentista

Os últimos 4 anos escancararam a política de “todo mundo armado”, exposta ao público por Bolsonaro (PL) na reunião ministerial de abril de 2020. O governo eleito e o grupo de transição responsável pela Justiça e Segurança Pública já anunciaram que uma das prioridades a partir de 1º de janeiro será reverter o “liberou geral” para armas de fogo. Natuza Nery conversa com Flávio Dino (PSB), senador eleito pelo Maranhão e integrante do GT de Justiça e Segurança Pública, e com a advogada e socióloga Carolina Ricardo, diretora-executiva do Instituto Sou da Paz. Consulte Mais informação >>

Sinto muita vergonha da classe política... Por que que o JN não investiga os fatos ocorridos das delações premiadas antigas das pedaladas fiscais do petrolão no envolvimento do PT com PCC isso vocês não vão mostrar né tão globalizando a cabeça dos alienados é o que vocês sempre fizeram seus lixos JORNAL NACIONAL , FALE DE LULA E O NARCOTRAFICO , PT ENVOLVIDO COM O PCC , ESTA GLOBO DEVE ESTAR JUNTO EM TUDO ISTO

Deputado do PSDB propõe CPI para investigar relação entre PT e PCC QUANDO VCS VAO FALAR DA LIGAÇAO DO PCC COM O PROTEGIDO DE VCS, LOOLA GLOBOLIXO Gente, quantos r.bos presos!. Não assisto essa bosta. Por acaso alguém sabe se finalmente fizeram alguma menção sobre a delação de Marcos Valério ligando o PT ao PCC?

O g1 envelheceu mal, hoje passa pano para um partido PT e PCC que se tornou uma quadrilha do LulaOficial não iremos esquecer que a grande mídia está quieta pela gravidade das denúncias PTePCCjuntos PTCC JornalNacional .,

Denúncias de assédio sexual no governo federal aumentam 65% em 2021, mostram dados da CGUDenúncias de assédio sexual no governo federal aumentam 65% em 2021, mostram dados da CGU Foram 251 manifestações, entre comunicações e denúncias, de assédio sexual em 95 unidades; neste ano, houve 218 denúncias R7 portalr7 'No GOVERNO Federal' essa é boa, uma Empresa com 10 funcionários ñ consegue controlar as condutas imagina um GOVERNO. Cada piada. Bandidagem Bolsonarista

É rodrigopacheco! Aprovar auxílios acima do teto de gastos pra comprar votos pro Bolsonaro antes da eleição tá autorizado. Instaurar CPI pra investigar corrupção do governo só depois. O que um Congresso Nacional comprado com dezenas de bilhões de orçamento secreto não faz hein? rodrigopacheco afundando sua carreira política.

Tá mas quando sai a matéria do PCC e PT, Marcos Valério depondo no senado Tá ficando esquisito esse silêncio...

Dólar opera em forte alta no exterior, em maior patamar em quase 20 anosPossibilidade de uma recessão nos Estados Unidos e aperto monetário do Federal Reserve (Fed) para controlar a inflação elevada provocam fuga para ativos de segurança onde que o petróleo fechou em alta? animais burros

Pacheco deve autorizar CPI do MEC; investigação deve começar em agostoO presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), deve autorizar a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Ministério da Educação nesta terça-feira, 5, para investigar o gabinete paralelo da pasta, esquema revelado pelo Estadão Ele 8 bilhões de razões para isso. Demorou já!!!😒 Canalha

Pacheco deve autorizar CPI do MEC; oposição espera começar investigação em agostoNos cálculos da oposição, os membros serão indicados até 15 de julho Mais uma CPI! Ótimo! Tem que fazer muito barulho mesmo! É o mínimo Louvado seja Deus 🙏

Pacheco deve autorizar CPI do MEC; oposição espera começar investigação em agosto - Política - EstadãoGovernistas ainda tentam adiar instauração da comissão parlamentar de inquérito para depois das eleições Politica Arrume outra Forma de piorar a sua Vida.🧐 Porque votando no PT, voce piora a minha também😎 Politica Politica

Em meio ao ‘inverno cripto’, mercado aguarda aprovação da regulação pela Câmara | Finanças | O GloboTexto aprovado pelo Senado traz definição do que é um ativo virtual, previsão de que o governo estabeleça quais ativos são aptos a regulação, entre outros pontos

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, do PSD, afirmou que a CPI para apurar denúncias de corrupção do Ministério da Educação só deve começar a funcionar depois das eleições.MPT (Ministério Público do Trabalho) também abriu uma investigação preliminar para apurar as denúncias de assédio sexual.O dólar opera com fortes ganhos na manhã desta terça-feira no exterior.A CPI deve ser instalada para investigar o esquema de distribuição de verbas e controle da agenda do Ministério da Educação.

Em reunião online, líderes dos partidos no Senado discutiram a abertura da CPI do MEC. Depois, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse que a CPI pode sim acontecer, mas somente depois das eleições de outubro."Tenho muito orgulho do trabalho de todos vocês e da maneira como sempre me pautei em toda a minha vida. Um pedido, segundo ele, da maioria dos líderes. “Evitar que o período eleitoral, que é naturalmente o período em que há uma politização e acaba partidarizando as discussões, que esse período eleitoral evite contaminar um processo de investigação da CPI que naturalmente e necessariamente precisa ser uma investigação minimamente isenta e imparcial no momento de mais regularidade e mais normalidade do funcionamento parlamentar, que não é o caso de um período eleitoral”, explica Pacheco. São quase 20 anos juntos, dois filhos e uma vida inteira pautada pela ética", afirmou. O senador Álvaro Dias, líder do Podemos, é um dos que concordaram com a CPI apenas em outubro. Senadores querem apurar a participação de Bolsonaro no esquema e ampliar os desdobramentos da investigação.

“Eu entendo que maturidade política e respeito à sociedade é levar essas CPIs para depois da eleição para não tumultuar o processo eleitoral que é muito importante para o país”, afirma Alvaro Dias. “A Caixa repudia qualquer tipo de assédio e informa que recebeu, por meio do seu canal de denúncias, relatos de casos desta natureza na instituição. O líder da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN), discordou. Quer CPI já: “A CPI é um instrumento da minoria, não cabe à maioria ou a um colegiado como um todo, deliberar sobre a sua pertinência e mesmo o seu momento, porque do contrário, jamais teríamos CPIs. Sobre os dados de assédio, a CGU afirmou que a base de dados se refere às manifestações recebidas pelos órgãos do Executivo por meio da plataforma Fala. Então quer dizer que durante período eleitoral pode acontecer qualquer coisa que só vai ser investigado depois? Não é essa a impressão quer queremos passar para opinião pública”, diz o senador Jean Paul. Na semana passada, a oposição protocolou o pedido de abertura da CPI. O uso da plataforma passou a ser obrigatório em setembro de 2018. Isso é justificativa para não querer investigação", disse Omar Aziz (AM), vice-líder do PSD.

Foram 31 assinaturas, quatro a mais que o mínimo necessário. A oposição começou a colher assinaturas após as denúncias de que os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, que não tinham cargos no MEC, atuavam dentro do ministério. Conforme o órgão, se antes recebia em média 76. A PF suspeita que eles intermediavam a liberação de recursos da educação em troca de propina e a compra de bíblias. O movimento pela criação da comissão ganhou ainda mais força com a prisão do ex-ministro e dos pastores. Nesse sentido, o órgão avalia que, proporcionalmente, o número de denúncias de assédio sexual e moral teve um aumento inferior ao volume total de manifestações recebidas, a partir de 2019. E a divulgação de uma conversa na qual Milton Ribeiro afirmava à filha que foi avisado pelo presidente Jair Bolsonaro de que, ele, Ribeiro, seria alvo de uma operação da Polícia Federal. Na semana passada, Pacheco afirmou que a investigação sobre obras paradas poderia ocorrer junto com a apuração do gabinete paralelo do Ministério da Educação na mesma CPI, a pedido de governistas.

O ex-ministro, os dois pastores e outros dois suspeitos já foram libertados.BR, uma vez que antes de 2019 não havia um repositório único dessas informações", defende. As investigações continuam. Mesmo com o anúncio desta terça (5), a CPI só é considerada aberta após a leitura do requerimento para a criação dela em plenário. O órgão pontuou que desenvolveu e conduz a campanha de integridade do governo, iniciativa que"tem o objetivo de apoiar os órgãos e as entidades em ações de promoção de um ambiente mais ético e transparente". Rodrigo Pacheco diz que vai fazer isso nesta quarta-feira (6). Até a publicação no Diário Oficial do Senado, senadores podem acrescentar ou retirar assinaturas e, depois, tem a indicação dos integrantes da comissão. O MMFDH (Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), por sua vez, informou que registrou desde 2019 somente três denúncias no órgão. Se for abrir, tem que abrir tudo.

Só aí os trabalhos podem começar. O presidente do FNDE, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Marcelo Lopes da Ponte, e os ministros da Educação, Victor Godoy, e da Controladoria Geral da União, Wagner Rosário, passaram o dia respondendo perguntas na Câmara dos Deputados. O ministério se preocupa com o bem-estar de todos os seus servidores e colaboradores e trabalha para evitar qualquer tipo de assédio", declarou. Eles foram prestar esclarecimentos sobre denúncias de que o FNDE tentou comprar mesas e carteiras escolares a preços superfaturados e sobre a suspeita – que já resultou em uma operação da PF – da suposta existência de um balcão de negócios comandado por pastores dentro do MEC, na gestão do então ministro Milton Ribeiro. Lopes da Ponte negou as irregularidades no FNDE."Reforçamos nosso compromisso no combate a todo tipo de violação e destacamos nossa absoluta intolerância com esse tipo de comportamento abusivo", afirmou. Disse que não cabe ao fundo decidir sobre compras de material escolar ou de ônibus para o transporte de alunos.

Victor Godoy, que era o número dois do Ministério da Educação na gestão de Milton Ribeiro, diz que cabe ao ex-ministro explicar se houve irregularidades no MEC. “Espero que ele esclareça tudo o que aconteceu. Só ele pode dizer o que aconteceu porque o meu secretário executivo está ao meu lado, ele não acompanha 10% das minhas agendas porque ele tem as agendas dele. Era exatamente isso a forma como eu trabalhava com o ex-ministro Milton”, afirma Victor Godoy. O ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, minimizou as suspeitas de corrupção que pairam sobre o governo federal.

Rosário afirmou aos deputados que se orgulha de que haja apenas a investigação do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro envolvendo a alta cúpula do governo. “O que é corrupção? É só receber propina? É só utilizar outros atos. Então assim: dentro de uma complexidade do tamanho do que é, pode ser um conceito de corrupção. A gente só garante que tem corrupção depois que a gente tem a pessoa condenada. O que eu tenho aqui até agora é que nós não temos ninguém da alta cúpula.

Temos aí esse caso de investigação em cima do ministro, não temos nenhum caso de ninguém envolvido recebendo propina e coisas do tipo. E isso é uma coisa que orgulha bastante”, afirmou o ministro Wagner Rosário. A deputada Tabata Amaral, do PSB-SP, rebateu: “Me preocupo com frases soltas que vão tornando essa história cada vez mais mal contada. Cada vez mais enrolada. O próprio presidente Bolsonaro em uma live todos podem olhar, disse que não se tratava de corrupção.

Se tratava ‘de tráfico de influência’. Um ministro da CGU talvez num lapso, não tenha sido sua intenção, mas também disse hoje: ‘só receber propina’ que não seria corrupção. E me preocupa essa banalização do que é corrupção. Porque receber propina é corrupção. Tráfico de influência é corrupção.

E a gente está falando de uma investigação que tem coisas bastante concretas. A defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro pediu nesta terça (5) à ministra do Supremo Cármen Lúcia o arquivamento das investigações sobre tráfico de influência e corrupção no MEC. A defesa argumenta que as investigações da Polícia Federal se baseiam em gravação obtida de forma clandestina e de fonte anônima. E que a prova ilícita contamina as obtidas depois. A defesa se refere ao áudio que o jornal Folha de São Paulo divulgou em março.

Naquela gravação, o então ministro diz atender a um pedido especial do presidente Jair Bolsonaro para repassar verbas do ministério a municípios indicados pelo pastor Gilmar Santos. Após a divulgação do áudio, Milton Ribeiro deixou o cargo. O Supremo está em recesso. Mas a ministra Cármen Lúcia vai continuar analisando os inquéritos e ações de que é relatora. .