Cartacapital, Carta Capital, Manuela Carta, Mino Carta, Lula, Política, Economia, Sociedade, Brasil, Progressista, Jornalismo Crítico, Transparente, Ana Luiza Basilio, Moro, Veja, İstoé, Editora Confiança, Assine Carta, Assine Carta Capital, Esquerda, Luiz Inácio Lula Da Silva, Delfim Neto, Afonsinho, Belluzzo, Revista Época, Bndes, Correios, Funai, Cidadania, Lava Jato

Cartacapital, Carta Capital

'Mostras de imaturidade': livro relata vida de Bolsonaro nos quartéis - CartaCapital

'O Cadete e o Capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel' apresenta outra versão para a sua absolvição por terrorismo

25/08/2019 16:15:00

‘O Cadete e o Capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel’ apresenta outra versão para a sua absolvição por terrorismo.

'O Cadete e o Capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel' apresenta outra versão para a sua absolvição por terrorismo

‘O Cadete e o Capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel’ apresenta outra versão para a sua absolvição por terrorismoA certa altura da sessão secreta que julgou o réu Jair Bolsonaro no Superior Tribunal Militar, o ministro Aldo da Silva Fagundes, gaúcho de Alegrete, achou por bem fazer um “pequeno registro de caráter psicológico” do capitão. “Seria um insano?”, perguntou-se. “Há certas infantilidades, certas atitudes que surpreendem, mas é muito difícil concluir pela insanidade mental deste homem.” Escusas ao tribunal, definiu Bolsonaro com “um termo da fronteira do Rio Grande: um touro de forte, um gringo de 1,80 metro de altura e 90 quilos, atleta, desportista, afora essas pequenas infantilidades, teve algumas atitudes em que revelou até muita presença de espírito”. Como exemplo citou o resgate do soldado Negão Celso, cujo afogamento fora evitado pelo capitão que primeiro se atirou na água. “Seria um homem radical, interessado em subverter a ordem pública, um terrorista, enfim?” Fagundes, que tinha sido deputado pelo MDB, não achava tanto. Inclinava-se mais a considerar que a psique do jovem Bozo sofria de um “deslumbramento social” trazido à tona por sua foto na última página de

Doria afirma que testou positivo para a Covid-19 Moradores compram 3 mil picolés para ajudar dono de sorveteria que teve energia cortada Idosos baleados em São Gonçalo tinham ido ver a família e se perderam

Veja, onde dois anos antes reclamara do soldo (naquela época, 1986, ainda não havia o Queiroz).O relato acima (menos o Queiroz) é uma das tantas pérolas reunidas pelo experiente repórter Luiz Maklouf Carvalho, lotado hoje emO Estado de S. Paulo

, para o livroO Cadete e o Capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel, lançamento da auspiciosa Editora Todavia. Não foi por reclamar do salário, no entanto, que fora parar no banco dos réus, embora a situação se configure como quebra da hierarquia militar. Em 1987, a mesma revista

Vejaacusou os capitães Bolsonaro e “Xerife” (Fábio Passos, descobriu-se depois) de planejarem “explodir bombas em várias unidades da Vila Militar, da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ) e em vários quartéis”. O suposto plano tinha um suposto nome que cairia bem ao suposto programa do atual governo, Beco sem Saída.

O apelido equestre foi conquistado na Academia Militar das Agulhas Negras, a Aman, em ResendeA reportagem foi desmentida por Passos e Bolsonaro, pelo Comando Militar do Leste, a que estavam subordinados, e pelo ministro do Exército do governo Sarney, general Leônidas Pires Gonçalves. Em sua edição seguinte, a de número 1.000, a revista chamou os oficiais de mentirosos e publicou dois croquis que teriam sido entregues pela dupla à jornalista Cassia Maria, da sucursal do Rio de Janeiro, então comandada por Ali Kamel – o poderoso chefão, hoje, do jornalismo da Globo. Segundo a reportagem, um dos desenhos representaria as tubulações da adutora do Guandu, responsável pelo abastecimento de água do Rio de Janeiro, marcadas com um “petardo de TNT”.

Consulte Mais informação: CartaCapital »

Demente apoiado por maioria desinformados 😈 Será que relata seu tórrido romance juvenil com Marilou? E o total de ZERO pessoas surpresas com a demência desse monstrengo. Se o que ele não fez era terrorismo, o que a esquerda causou de terror foi o quê? Sério, essa novilíngua de vocês não vai mais colar em tempos de internet.

Esse livro fala da bomba que ele queria colocar e da subversão dele ao reclamar dos soldos. O COORPORATIVISMO MILITAR SALVOU O BOZO DA EXPULSÃO SUMÁRIA. O STM O ABSOLVEU PARA LICENCIA LO A RESERVA RENUMERADA. EIS AÍ UMA DAS HERANÇAS MALDITAS DO ANTIGO REGIME.... Carta lixo Que eu saiba ele nunca foi terrorista, terroristas são alguns editores que estão trabalhando nos grandes jornais, sendo contra à própria pátria.

Culpa do Ali kamel, quem diria? Ora! Ele chantageou exército pra ter votação favorável se fosse condenado entregaria o exército nas suas barbáries no período da ditadura, com isso ganhou sua aposentadoria! BolsonaroEnvergonhaOBrasil e o exército Brasileiro jairbolsonaro

A orgulhosa mãe de NicolasJornalista relata o percurso do filho trans que acabou de ganhar uma nova certidão de nascimento. por Cilene Pereira, em depoimento a Ana Letícia Leão

YouTube

Cidades brasileiras e Nova York têm protestos pela AmazôniaNos EUA, manifestantes pediram que Nações Unidas cancelem ida de Jair Bolsonaro à Assembleia-Geral de setembro