G7 concorda em ajudar países afetados por incêndios na Amazônia 'o mais rápido possível', diz Macron

G7 concorda em ajudar países afetados por incêndios na Amazônia 'o mais rápido possível', diz Macron #G1

25/08/2019 15:52:00

G7 concorda em ajudar países afetados por incêndios na Amazônia 'o mais rápido possível', diz Macron G1

'Respeitando a soberania, nós devemos ter um objetivo de reflorestamento', disse presidente francês; queimadas na Amazônia foram inseridas na pauta da cúpula das sete grandes economias mundiais, que vai até segunda-feira (26).

A cúpula do G7, reunida no sudoeste da França neste final de semana, concordou em ajudar os países atingidos pelas queimadas na Amazônia "o mais rápido possível", disse o presidente francês, Emmanuel Macron, neste domingo (25).

Doria afirma que testou positivo para a Covid-19 Moradores compram 3 mil picolés para ajudar dono de sorveteria que teve energia cortada Idosos baleados em São Gonçalo tinham ido ver a família e se perderam

"Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o mais rápido possível", disse Macron, anfitrião da cúpula das sete grandes economias mundiais, que termina nesta segunda-feira (26) na cidade de Biarritz, no sudoeste da França.

As queimadas na Amazônia foram inseridas na pauta do G7, cúpula das sete grandes economias mundiais. O objetivo é chegar a um consenso sobre a ajuda financeira para os países sul-americanos combaterem o desmatamento e promoverem o reflorestamento.

O presidente francês ressaltou a necessidade de recuperar as áreas afetadas, apesar dos desafios que a questão coloca em termos de soberania nacional, “que é perfeitamente legítima”.“Respeitando a soberania, nós devemos ter um objetivo de reflorestamento. A importância da Amazônia para esses países e para a comunidade internacional é tão grande em termos de biodiversidade, oxigênio e luta contra as mudanças climáticas, que precisamos proceder o reflorestamento”, explicou Macron.

Os diálogos nesse sentido vão continuar na cúpula, frisou ele. O presidente francês lembrou que a Colômbia fez um pedido de ajuda à comunidade internacional para enfrentar o problema. “Nós devemos nos mostrar presentes. Devemos finalizar isso”, disse Macron, ressaltando que “há contatos” sendo feitos pela França “com todos os países da Amazônia”, para disponibilizar “meios técnicos e financeiros”.

Macron em coletiva de imprensa neste domingo (25) após plenária do G7 — Foto: Ludovic Marin/AP'Bem comum'No sábado, Macron afirmou que uma das suas prioridades no evento será mobilizar “todas as potências, em parceria com os países da Amazônia”, para combater o desmatamento e investir no reflorestamento.

“A Amazônia é nosso bem comum. Estamos todos envolvidos, e a França está provavelmente mais do que outros que estarão nessa mesa [do G7], porque nós somos amazonenses. A Guiana Francesa está na Amazônia”, afirmou Macron, em cadeia nacional.

Novo dinossauro 'primo' do Tiranossauro Rex é descoberto em ilha britânica Anac autoriza testes para entrega de produtos com drones Trem descarrila no nordeste da Escócia e há feridos graves

Em seu discurso de sábado, Macron adotou um tom mais ameno do que na sexta-feira, quando disse que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, “mentiu” sobre os compromissos em relação à preservação ambiental, assumidos durante a reunião do G20, em junho. Por causa disso, Macron ameaçou não ratificar o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul nas condições atuais.

Analistas políticos da França veem na investida contra o acordo comercial com o Mercosul uma reaproximação de Macron com a esquerda francesa e, principalmente, com os produtores agrícolas, que temem a concorrência dos produtos brasileiros. Segundo o jornal francês “Liberation”, desde julho, já havia um movimento no governo um movimento contrário ao acordo com Mercosul.

Ainda no sábado (24), o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, lamentou as queimadas na Amazônia e disse que “é difícil imaginar um processo harmonioso de ratificação do tratado com o Mercosul por parte dos países europeus enquanto o governo brasileiro permitir o desmatamento da Amazônia".

No entanto, no sábado, Reino Unido, Alemanha e Espanha fizeram críticas a Macron e defenderam o acordo UE-Mercosul. Consulte Mais informação: G1 »

A paz é nosso lema , somos um povo acostumado a sobrevivência, por sermos pacíficos ,não dar o direito de humilhar nosso povo , desculpas foi feito para pedir ,quem provocou o nosso Presidente foi o Presidente da França , que deveria respeitar sua história de luta pela liberdade Globo Lixo trabalhando pra ferrar o nosso país e o nosso povo, otários!

Macron, a Amazônia é do Brasil, otário, cuide das suas árvores !

‘A Amazônia é nosso bem comum’, diz Macron antes da cúpula do G7Presidente francês, que trocou farpas com Bolsonaro nos últimos dias, afirmou que vai mobilizar as potências do grupo na luta contra as queimadas Bem comum dos Brasileiros, e não desses aproveitadores chamado Macron. A França é nosso bem comum.

Cúpula do G7 é aberta com tensões e Amazônia na pauta - CartaCapitalMundo | A questão climática acabou elevada a primeiro plano depois de o presidente francês, Emmanuel Macron, declarar que as queimadas se tornaram uma “crise internacional”.

Governo Bolsonaro espera que EUA barrem conversa sobre Amazônia no G7Para presidente brasileiro, discutir o tema sem a presença do país seria uma violação à soberania nacional

Premiê do Reino Unido é o quarto membro do G7 a falar sobre Amazônia - CartaCapitalO conservador Boris Johnson diz-se ‘profundamente preocupado’ com as queimadas da floresta.