'Extraordinário', diz filho de Portinari sobre grafite em SP que fez releitura de ‘O lavrador de café’ com tinta à base de cinzas da Amazônia

'Extraordinário', diz filho de Portinari sobre grafite em SP que fez releitura de ‘O lavrador de café’ com tinta à base de cinzas da Amazônia #g1 #grafite #sp #portinari

17/10/2021 20:00:00

'Extraordinário', diz filho de Portinari sobre grafite em SP que fez releitura de ‘O lavrador de café’ com tinta à base de cinzas da Amazônia g1 grafite sp portinari

João Cândido se emocionou com a obra, que deve ser concluída nos próximos dias. 'Essencial, atualíssimo', classificou. Mural foi feito pelo 'artivista' Mundano, no Centro da capital paulista, e idealizado em homenagem aos brigadistas e contra as queimadas de florestas brasileiras.

João Cândido Portinari, filho de Cândido Portinari, ficou emocionado com a releitura da obra "O lavrador de café", de seu pai, feita pelo artista e ativista Mundano, em um mural de 780 m² no Centro de São Paulo.

Doria vence as prévias do PSDB e será o candidato do partido a presidente da República Vídeo mostra balsas usadas no garimpo ilegal sendo queimadas no rio Madeira Doria lembra nomes e bandeiras históricas do PSDB e ataca Lula e Bolsonaro | Maquiavel

"Eu achei extraordinário. Essa questão do meio ambiente tomou um relevo que não tinha tanto assim antes. Esse trabalho do Mundano é essencial, é oportuno, atualíssimo", afirmou João Cândido à GloboNews.

Prestes a ser finalizado, o grafite foi produzido com tinta feita à base de cinzas das florestas brasileiras que foram queimadas nos últimos meses.O painel fica localizado na Rua Capitão Mor Jerônimo Leitão, 108. Segundo os produtores da exposição, a melhor vista para a obra é a da passarela da Avenida Prestes Maia. headtopics.com

Artista e ativista brasileiro Mundano trabalha no mural 'O Brigadista da Floresta' usando tinta feita com cinzas coletadas e trazidas de incêndios na Amazônia, Pantanal e outros biomas, em São Paulo, Brasil, neste sábado, 16 de outubro de 2021. — Foto: CRIS FAGA/ESTADÃO CONTEÚDO

O Brasil já registra o maior número de queimadas em áreas de Mata Atlântica dos últimos 15 anos. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), até agosto, ocorreram mais de 11,2 mil focos de incêndio em locais com a presença do bioma, em todo o território nacional.

O estado de São Paulo também registrou em agosto de 2021 o maior número de focos de incêndio no mês, em 10 anos, segundo o Inpe.Obra 'O lavrador de café', do artista plástico paulista Cândido Portinari. — Foto: Reprodução/MASP

ProcessoAs cinzas foram coletadas, amassadas, trituradas em um moedor de café e, depois, misturadas em água e tinta. Depois desse processo, o material foi aplicado na superfície.A proposta da ação, de acordo com Mundano, é denunciar a destruição dos grandes ecossistemas brasileiros, “que estão sendo, literalmente, reduzidos a cinzas”, além de homenagear os brigadistas que combatem as queimadas Brasil afora. headtopics.com

João Doria abre a terceira via - ISTOÉ Independente Eleito o melhor da Libertadores, Gabigol diz: 'Nem lembrava como era perder um título, dói muito’ - Esportes - Estadão Brancos usam 'humor' e 'amigo negro' para perpetuar discriminação, diz autor de 'Racismo Recreativo' - BBC News Brasil

“A expedição saiu de São Paulo e percorreu mais de 10 mil km por quatro biomas - Amazônia, Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica - para coletar as cinzas da floresta”, contou ele. “A gente encontrou ossadas, mandíbulas, dentes, espinha dorsal. Então, dá pra sentir a dor. Essas árvores foram queimadas vivas, esses animais foram queimados vivos”, relatou.

Porção de cinzas retiradas de queimadas na floresta amazônica. — Foto: Reprodução/Instagram“A gente quer pegar essas cinzas da floresta e transformar em ‘artivismo’ para defender, preservar e para homenagear todos e todas que defendem a floresta de pé. Sem floresta, não tem água; sem água, não tem vida”, pontuou Mundano.

O “Artivista” Obra do artista Mundano homenageia operários de BrumadinhoMundano já utilizou outros recursos para denunciar catástrofes ambientais. No início de 2020, um ano após a tragédia de Brumadinho, em homenagem aos trabalhadores da cidade mineira, o artista produziu um mural de 800 m² com a releitura da obra 'Operários', de Tarsila do Amaral.

A tinta utilizada no painel próximo ao Mercado Municipal, no Centro da capital, era composta pela lama formada após o rompimento da barragem, em 2019.Em 2014, o artista pintou a carcaça de um carro, submerso na represa do Atibainha, no Sistema Cantareira, e colocou os dizeres “Bem-vindo ao deserto da Cantareira”. headtopics.com

Consulte Mais informação: G1 »

Ponto de Vista: Lula pode desistir da corrida presidencial? | Clarissa Oliveira

Entre alguns adversários e até aliados, cresce a tese de que o petista poderia desistir e dar a vaga a Fernando Haddad, dependendo do cenário político

👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽💯💯💯 Espetáculo Lindo bela homenagem Que trabalho lindo! e terem usado as cinzas como pigmento torna ele mais poderoso ainda! Nota 6.5/10 Mas e realmente EXTRAORDINARIO…neste país incrivel que nascemos e vivemos temos tantas pessoas talentosas, criativas e capazes…uma pena que tao poucos conseguem mostrar sua arte

Genial Prophet Muhammad SAW said 'Everyone is busy in their own work & no one is worried about me or my Islam. I want you to share the dream that Allah has shown you & spread my message amongst the people'- From Muhammad Qasim's dream. I think he is Imam Al-Mahdi! Quem é o grafiteiro? Brasileiro é mestre nisso. Tem um que já fez trabalhos aqui em Roma e é muito reconhecido.

🤔 tá a cara do Wesley Snipes.

Espero que esse a prefeitura não pinte por cima hznriq Quem teve a ideia merece um prêmio. 🖼 Feio Show de bola. O mundano_sp é um ícone! Sempre servindo nos trabalhos 👏🏼 😂😂😂 Trabalho lindíssimo.

👏👏👏😊😏⭐🌹 Coisa linda !!! Parabéns aos idealizadores e realizadores Usar cinzas da Amazônia para produzir tintas pode ser considerado apologia ao crime? A arte da poluição ou a poluição na arte? Seria como usar as cinzas de uma pessoa, pensando assim seria chocante só de ver. 'Tinta à base de cinzas da Amazônia ' que melodramático.