Esquema de fake news sobre vacinas pode envolver youtuber brasileiro

Agência de marketing tentou contratar produtores de conteúdo de várias partes do mundo para que eles falassem mal de vacinas contra a covid-19

27/07/2021 05:00:00

Agência de marketing tentou contratar produtores de conteúdo de várias partes do mundo para que eles falassem mal de vacinas contra a covid-19! tecmundo

Agência de marketing tentou contratar produtores de conteúdo de várias partes do mundo para que eles falassem mal de vacinas contra a covid-19

O caso foi abordado em reportagens divulgadas neste final de semana por veículos comoBBC,eNetz Politik. De acordo com as publicações, a situação foi divulgada por youtubers que não aceitaram a proposta.O alemão Mirko Drotschmann, que tem mais de 1,5 milhão de inscritos, contou que a história começou a partir de um e-mail enviado em maio deste ano. Segundo ele, a agência de marketing, chamada Fazze, queria que ele divulgasse supostas informações vazadas que mostravam que pessoas que tomaram a vacina da Pfizer tinham uma mortalidade três vezes maior do que quem tomou os imunizantes da AstraZeneca. Não existe, porém, nenhuma pesquisa que sugere essa correlação.

Atuação vacilante do STF não contém a venda de armas incentivada por Bolsonaro Queda de braço entre Fernández e Kirchner expõe fratura na esquerda argentina - BBC News Brasil Câmara Técnica da Saúde pode apresentar renúncia coletiva se Queiroga não retomar vacinação de adolescentes, diz jornal

"Fiquei chocado", afirmou o youtuber, que complementou dizendo que depois ficou"curioso" para saber quem estava por trás da proposta para espalhar a desinformação.Outro delator do esquema foi o francês Léo Grasset, que tem um canal de ciência no

e mais de 1,2 milhão de inscritos. De acordo com ele, a Fazze ofereceu uma compensação de dois mil euros (cerca de R$ 12 mil, levando em consideração a cotação atual) para que ele participasse da"ação". headtopics.com

Conteúdo com desinformaçãoOs dois youtubers contaram que decidiram investigar o esquema e fingiram interesse na proposta da Fazze. Eles relataram que o briefing da agência de marketing estava escrito em um"inglês rebuscado"."Aja como se você tivesse paixão e interesse neste assunto", diz um trecho da mensagem.

O relatório também pedia aos produtores de conteúdo para que não fosse revelado ao público que os vídeos eram patrocinados (o que é ilegal), já que as informações deveriam parecer ter sido dadas em forma de conselho.

Uma matéria do jornal francêsLe Mondefoi citada como uma das fontes. Contudo, a reportagem não indica nenhuma comparação entre mortes e vacinas da Pfizer ou AstraZeneca.Para sustentar a correlação falsa, o texto da Fazze misturava números de diversos relatórios e levantamentos. Contudo, nenhum dos dados indica que a causa das mortes eram as vacinas ou até mesmo a covid-19.

"Se você não tem nenhum treinamento científico, pode simplesmente dizer, 'ah, existem esses números, eles são realmente diferentes. Portanto, deve haver uma ligação.' Mas você pode fazer qualquer correlação espúria como você realmente quiser", argumentou Grasset, que tem experiência em divulgação científica. headtopics.com

Após meses sem resposta, Cármen Lúcia manda PGR devolver ações que questionam atos do governo Bolsonaro 'É meu legado', diz compositor que acusa Adele de plagiar música gravada por Martinho da Vila - BBC News Brasil 'Não é hora de relaxar restrições', diz biomédica que sequenciou coronavírus e 'virou' Barbie

Origens das fake newsSegundo aBBC, a Fazze integra uma empresa chamada AdNow, que tem sede em Moscou (Rússia) e registros no Reino Unido. Depois de tentar, sem sucesso, contato com a companhia, a reportagem localizou Ewan Tolladay, diretor do braço britânico da AdNow.

Ele disse ter pouco contato com a Fazze, sustentou que não sabia sobre o caso e indicou um russo que é diretor da agência. Por causa do escândalo de divulgação de fake news sobre vacinas, Tolladay argumentou que tanto a AdNow do Reino Unido quanto a Fazze serão fechadas.

As autoridades da França e Alemanha iniciaram investigações policiais para tentar descobrir quem foi o cliente secreto que contratou o serviço da empresa de marketing para contratar youtubers do mundo e fazê-los divulgar asfake news

.Autoridades da Alemanha sugeriram, inclusive, que a Rússia é suspeita de envolvimento com o esquema. No caso, é sugerido que o país esteja tentando tirar a credibilidade das vacinas europeias e norte-americanas e promover a Sputnik V. headtopics.com

Divulgação no BrasilO jornalista alemão Daniel Laufer também investigou a história, percebendo, inclusive, que as referências aos estudos e dados que foram citados pela Fazze começaram a ser apagados da internet assim que o caso veio à tona.

Uma das descobertas de Laufer foi que pelo menos dois youtubers aparentemente aceitaram a proposta da agência. Além do indiano Ashkar Techy, o brasileiro Everson Zoio parece ter sido outro produtor de conteúdo que aceitou a proposta.Com mais de 12,8 milhões de inscritos em seu canal, Zoio costuma fazer vídeos de pegadinhas e desafios. Foi justamente a diferença de temas que chamou a atenção de Laufer, que viu trechos de produções em que Zoio falava sobre as mesmas informações que constavam no briefing da Fazze. Os vídeos do brasileiro foram apagados do ar e, por enquanto, não foram encontrados backups das produções.

Bolsonaro quer desrespeitar regras de Nova York sobre vacinas, diz The Guardian Dissolução de conselho da Capes traz instabilidade à pós-graduação, diz ANPG Por que mulheres são mortas até hoje sob acusação de 'bruxaria' - BBC News Brasil

OTecMundoentrou em contato com o youtuber pelo e-mail indicado em suas redes sociais, mas até o fechamento desta reportagem não obteve retorno. Consulte Mais informação: TecMundo »

Documentos da CPI colocam crise mais perto da família Bolsonaro - Política - Estadão

Em novo episódio de ‘Por Dentro da CPI’, Eliane Cantanhêde analisa ação de lobista no Ministério da Saúde e sua proximidade com o filho ‘Zero Quatro’ do presidente

Ai, tem que ferrar mesmo, com estas Agencias Bagaceiras!

Capitais suspendem aplicação da 1ª dose da vacina contra a covid-19 - Saúde - EstadãoVACINAÇÃO 💉 Pelo menos oito capitais suspenderam aplicação da 1ª dose da vacina contra a covid-19 por falta de estoque

Impacto negativo da Covid-19 na educação tem de ser revertido | Claudio LottenbergA retomada das aulas presenciais, com a gradual normalização das atividades acompanhada de medidas de proteção, é de fundamental importância MaryVicky2017 COMO? FALAR É FÁCIL, QUERO VER FAZER. MAS ENQUANTO O STF, GOVERNADORES, PREFEITOS SE ACHAREM NO DIREITO DE DECIDIR O QUE É MELHOR PARA O POVO NO GERAL, ESSA DESGRAÇA SEGUIRÁ PIORANDO. Governadores e mídia culpada, vcs são chorume Vcs contribuíram pra isso. Biltres!

Anvisa recebe pedido de uso emergencial de vacina contra a covid-19 da Sinopharm - Saúde - EstadãoImunizante é produzido a partir de vírus inativado; estudo foi realizado na Argentina, Peru, Emirados Árabes, Egito e China E a vacina do Ministro Astronauta? Quando vem?

App que monitora Covid-19 ameaça volta dos festivais no Reino UnidoSistema de rastreamento de contatos tem determinado isolamento de trabalhadores da produção de megashows, e eventos correm risco de cancelamento O aplicativo é uma ameaça maior do que o vírus?

EUA podem voltar a recomendar máscara para vacinados contra Covid-19Em maio país permitiu que americanos totalmente imunizados dispensassem a proteção, mas alta de casos da variante delta preocupa as autoridades Estou desempregada e minhas filhas estão passando necessidades, venho aqui aflita implorar por ajuda. Estamos com poucos alimentos e aluguel atrasado, passe no meu perfil e conheça minha causa, me doe pelo menos um real, me ajudará muito, obg*** Pix: beneditoribeiro832gmail.com a veja vai fazer cobertura dos emails vazados do falastrão da foto ? Kkkkkkkkkkkk

Covid-19: Oito capitais suspendem primeira dose da vacina por falta de imunizantesEm junho, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que toda a população adulta do Brasil receberia a 1ª dose até final de setembro 👉🏽 Receba esta e outras notícias pelo Telegram de CartaCapital: