Dizer “não”, algo tão simples e tão complexo

18/03/2020 02:08:00

Por que dizer não é tão difícil para nós? A negação é uma das primeiras mensagens que aprendemos a comunicar e, ainda assim, uma das que mais nos custam transmitir e entender

Por que dizer não é tão difícil para nós? A negação é uma das primeiras mensagens que aprendemos a comunicar e, ainda assim, uma das que mais nos custam transmitir e entender

Por que nos resulta tão difícil nos negar a algo? A negação é um das primeiras mensagens que aprendemos a comunicar e, no entanto, um dos que mais nos custa transmitir e compreender.

Por que é tão difícil dizer"não", sobretudo quando está claro que isso pode nos livrar de apuros? Saber dizer"não", suas implicações e o que a negação expressa em cada uma das situações são desafios que temos de enfrentar nos diferentes estágios de nosso desenvolvimento.15:53 Genebra (Suíça) O presidente da Federação Suíça de Tênis e membro do conselho diretivo da ITF, René Stammbach, concedeu uma entrevista ao jornal suíço Luzerner Zeitung e classificou de"surpreendente' a decisão de adiar Roland Garros.OMS ) , o governo de São Paulo não tem o dado exato de quantos pacientes em estado grave (com risco de morte) estão internados no Estado neste momento.Com um a mais, São Paulo vence o Santos com dois gols de Pablo Essa alternativa é trabalhada durante os treinamentos de Fernando Diniz ao longo da semana.

Isso é o que nos mostra o filósofo Wilfried Ver Eecke em seu livro Saying No: Its Meaning in Child Development, Psychoanalysis, Linguistics, and Hegel, com o exemplo das crianças pequenas que fazem exatamente o contrário do que lhes pedem os pais, que costumam dizer: “Nosso filho é um verdadeiro diabinho”.Um comentário para o qual não é incomum a resposta:"Se ele não for assim agora, quando crescer não será ele mesmo".Discutimos diversos cenários há duas semanas.Por que as crianças dizem tanto"não"? Uma razão é que o escutam muito.Até segunda-feira, Uip se mostrava contrário à ampliação dos exames, dizendo que a massificação de testes era “ideal”, mas não “real”.Joan Manuel Serrat destaca isso na canção Esos Locos Bajitos: Niño, deja ya de joder con la pelota/ Niño, que eso no se disse/ Que eso no se hace/ Que eso no se toca [Filho, para, essa bola já tá enchendo, isso não se diz, isso não se faz, não é pra mexer nisso].Estou muito surpreso e não sei se isso faz sentido", declarou.Eles realmente não toleram ser forçados à passividade, expressam sua oposição e, assim que desenvolvem a capacidade de expressar seus próprios julgamentos ––com a possibilidade de dizer 'sim' ou 'não'–– podem discutir e negociar.E também não sei se foi isso o grande motivo para virarmos o jogo, em que pese que o Pablo fez os dois gols.

O"não" dos pequenos é um sinal de força.À reportagem, Stammbach disse que a Federação Internacional de Tênis (ITF) não estava ciente da decisão da FFT.“Vamos aguardar também a orientação do Ministério da Saúde, que é o órgão maior que deve fazer a política e disponibilizar recursos”, disse Uip.Outro exemplo apontado por Ver Eecke é quando os jovens se rebelam, e os mais velhos, em vez de adotar uma atitude conciliatória com as manifestações de negatividade dos adolescentes, ofuscam a visão e dizem que os jovens"não têm nada melhor a fazer com seu tempo”.O filósofo cita outro caso, comum entre adultos, quando, em um evento social, nos mostram uma bandeja com bebidas alcoólicas e, enfaticamente, as rejeitamos com um gesto de mão porque precisamos dirigir um veículo após a reunião.Na realidade, não se trata somente de uma questão de força de vontade individual.Ele destacou, entretanto, que o centro de diagnósticos público não é voltado para análises e entregas de resultados individuais para pacientes, mas sim para orientar com dados as políticas públicas.Poderíamos especular que, neste caso, seria possível aumentar a força do indivíduo para poder dizer"não" se o restante da comunidade fosse firme em enfatizar a importância de não dirigir sob a influência do álcool.Nesta segunda-feira, o elenco do São Paulo permanece de folga e se reapresenta na manhã desta terça-feira, no CT da Barra Funda.

Em exemplos como esses vemos o benefício de dizer"não".MAIS INFORMAÇÕES No entanto, há outras circunstâncias em que a vontade de dizer"não" se debilita, nos confunde e nos coloca naquilo que o filósofo Albert Camus chama de"entre o sim e o não", como quando achamos difícil decidir se nossas suspeitas têm fundamento ou distinguir entre a fantasia e a realidade.Nesta segunda, depois da orientação da OMS sobre massificação dos testes, o Ministério da Saúde já havia sinalizado a possibilidade de ampliar os exames, embora sem ações concretas.Sigmund Freud trata da questão no ensaio intitulado A Negação, no qual propõe que esta pode ser mais reveladora do que uma observação afirmativa, como quando alguém diz:"A mulher no meu sonho não é minha mãe" e nos dá a chave da verdade essencial que foi reprimida: na verdade, é sua mãe.Freud conclui que a dificuldade de dizer"não" deriva do fato de que no inconsciente não existe esse conceito.O"não" nos leva de volta às origens da linguagem, talvez seja uma das primeiras mensagens que comunicamos.

O psicanalista e pioneiro nos estudos do desenvolvimento Rene A.Spitz, em seu livro O Não e o Sim: A Gênese da Comunicação Humana, propõe que a partir do momento em que o recém-nascido, com um movimento da cabeça, consegue se distanciar do seio da mãe, ocorre a primeira manifestação da negatividade.O equivalente a essa expressão é observado no adulto quando vira a cabeça de um lado para o outro para indicar negação.Dizer"não" também nos remete aos antecedentes míticos de nossa cultura —Adão e Eva desafiaram, Édipo transgrediu— e nos confronta com a necessidade de aceitar que existem limites.Ao fazer isso, aderimos à lei que rege a vida comunitária.

O psicanalista Jacques Lacan centraliza suas teorias neste princípio fundamental e sustenta que é precisamente a aceitação do limite imposto pela negatividade o que nos permite funcionar dentro da realidade.O"não" afirma nossa individualidade, distingue o que não somos do que somos e opera como o negativo de uma fotografia, sem o qual ela não existiria.Paradoxalmente, a negatividade tem um efeito afirmativo.Os braços da Vênus de Milo são um exemplo: não estando presentes na estátua, acentuam sua identidade.Então, como explicar a dificuldade que frequentemente enfrentamos ao não poder dizer"não" na vida cotidiana, no trabalho, dizer"não" ao sexo quando alguém o demanda, ou"não" à Internet? Lacan o relaciona com o desafio de aceitar o limite e suas consequências.

É importante considerar que nos momentos em que a capacidade de dizer"não" se enfraquece e nos paralisa —nos faz temer a rejeição, antecipar que perderemos o emprego ou a estima da pessoa a quem negamos algo— talvez estejam em jogo mecanismos inconscientes de repressão.Embora obviamente exista a possibilidade de ocorrer o que tememos, há alguma maneira de facilitar esse “não” se estivermos convencidos, mas não nos atrevemos? Nessas encruzilhadas, é essencial parar e analisar as consequências do que realmente queremos, para poder aceitar isso intelectual e emocionalmente e poder agir de modo coerente com a nossa vontade, se for necessário dizer"não"..

Consulte Mais informação:
EL PAÍS Brasil »
Loading news...
Failed to load news.

fellipeeeeeeee Por gentileza, de quem é a arte da 'capa'? alytakai pra termos algo a mais sobre o que ler e ser interessante.

ITF não sabia da mudança de Roland Garros: 'Não faz sentido'ESTRANHAMENTO ... 🎾🚫🤔🤷‍♂️ ITF não sabia da mudança de Roland Garros: 'Não faz sentido' lancenet

Paciente que morreu por coronavírus em SP não estava em lista de casos confirmados - Saúde - EstadãoGoverno de São Paulo só confirmou covid-19 em vítima um dia após a morte; equipe estadual estuda ampliar testes Surpreender um total de 0 pessoas Dia da mentira é primeiro de Abril. Quando vão falar a verdade. choca 0 pessoas

Entenda por que mudança ousada de Diniz não foi improviso no São PauloTroca de um zagueiro por um atacante não é novidade para o comandante tricolor, que treina essas alternativas no dia a dia do elenco. Resultado veio no clássico diante do Peixe

Maia sobre impeachment: ‘Não seremos responsáveis por isso’Em entrevista ao Valor o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, reiterou suas críticas ao comportamento brpolitico FROUXO DO CARALHO! brpolitico Bicha brpolitico Ora mas quando precisamos de vcs, agora q um insano está no poder vão se acovardarO povo não pode sair nas ruas pra pedir o impeachment dele pois estamos numa pandemia.

Pessoas não diagnosticadas com novo coronavírus são as maiores responsáveis por disseminar epidemia - Saúde - EstadãoPessoas não diagnosticadas com novo coronavírus são as maiores responsáveis por disseminar epidemia Agora pronto!!! O mundo tá muito doido! secretário da economia acaba de dar positivo para coronavírus Óbvio, quem foi está em isolamento...

Bolsonaro na CNN: ‘Movimento não foi iniciativa minha’O presidente Jair Bolsonaro concedeu uma entrevista exclusiva ao vivo na CNN Brasil nesta noite. Disse que a iniciativa de convocar as manifestações não brpolitico O POVO ESTÁ INDOMINÁVEL brpolitico brpolitico Kkkkkkk