Sãopaulo

Sãopaulo

'Como confunde marmita com revólver?', diz mãe de jovem negro morto pela Polícia Civil no Morro do Piolho, na Zona Sul de SP

'Como confunde marmita com revólver?', diz mãe de jovem negro morto pela Polícia Civil no Morro do Piolho, na Zona Sul de SP #g1 #SãoPaulo

22/10/2021 03:45:00

'Como confunde marmita com revólver?', diz mãe de jovem negro morto pela Polícia Civil no Morro do Piolho, na Zona Sul de SP g1 SãoPaulo

Fabiana Hoytil Araújo falou ao g1 que filho, Gabriel Hoytil Araújo, de 19 anos, não estava armado quando foi baleado na cabeça por policiais em ação contra tráfico na comunidade. Testemunhas disseram que 'não houve troca de tiros'. Agentes alegam que atiraram para se defender.

"Como confunde uma marmita com um revólver?", perguntou ao g1 a mãe do jovem negro morto a tiros pela Polícia Civil, na tarde de quarta-feira (20), durante operação de combate ao tráfico de drogas no Morro do Piolho, comunidade da Zona Sul de São Paulo.

Homem assedia ciclista em SP e mulher muda aparência por medo de reencontrá-lo; VÍDEO Hipopótamos são diagnosticados com Covid-19 em zoológico da Bélgica Moro insinua que candidatos da terceira via devam abrir mão da candidatura

Fabiana Hoytil Araújo, de 41 anos, falou à reportagem que testemunhas lhe contaram que o filho dela, Gabriel Augusto Hoytil Araújo, de 19 anos, não estava armado nem envolvido com entorpecentes quando foi baleado na cabeça e na coxa por um grupo onde estavam seis policiais civis do 96º Distrito Policial (DP), no Brooklin.

Dois dos agentes dispararam contra Gabriel, segundo eles, para se defenderem depois de verem o rapaz traficando, ameaçando atirar com uma arma e ouvirem tiros de "criminosos" na comunidade. Posteriormente os policiais disseram que a arma que estava com o jovem era de brinquedo (leia mais abaixo). headtopics.com

Gabriel Augusto Hoytil Araújo tinha 19 anos de idade quando foi morto pela Polícia Civil — Foto: Reprodução/Arquivo pessoal"Ele [Gabriel] não precisava ser morto daquele jeito. Nem chegou a comer a marmita. Atiraram no meu filho sem defesa para ele. Não perguntaram nada. Me disseram que os policiais confundiram uma marmita com um revólver e atiraram. Que mundo é esse que matam primeiro para depois perguntar?", comentou Fabiana nesta quinta-feira (21).

A informação de que o jovem foi morto quando segurava a marmita foi dada inicialmente pela Ponte Jornalismo, na quarta-feira (20).Segundo Fabiana, que trabalha no serviço público de Saúde, seu filho não morava na comunidade do Morro do Piolho. Tinha ido lá apenas para se alimentar depois de vender garrafas d'água para motoristas nos semáforos numa das esquinas da Avenida Roberto Marinho. O jovem residia com a mãe, o padrasto, dois irmãos gêmeos de 12 anos e o avô materno no bairro do Jabaquara, também na Zona Sul.

"Era um menino bom, carinhoso. Como a polícia entra numa comunidade atirando e matando? Eu não quero que esse crime fique impune. Tirou a vida de um ser humano, um menino de 19 anos que tinha muita coisa para viver. Estou chorando a morte do meu filho hoje, amanhã e depois..."

Segundo a aposentada Ana Lúcia Custódio da Silva, de 56 anos, irmã de Fabiana e tia de Gabriel, o sobrinho chegou a praticar jiu-jitsu e muay thay no Jabaquara. "Era um menino cheio de vida. Não vejo razão para ele ter sido morto pela polícia", disse ela, que espera enterrá-lo somente no sábado (23). "Arrecadamos dinheiro para ajudar nas despesas do velório e sepultamento, mas não tem vaga nos cemitérios que procuramos. Então ainda não sabemos onde será direito o enterro." headtopics.com

Thales Bretas, marido de Paulo Gustavo, joga cinzas do humorista em parque em Nova York Júri da Kiss: 'fui caindo e me despedindo da minha família', diz sobrevivente sobre tentativa de sair da boate A turbulenta história da vacinação obrigatória no Brasil e no mundo

Moradores protestam após morte de jovem na Favela do Piolho, na Zona Sul de SPO que dizem os policiaisO caso foi registrado como "homicídio simples", sendo "morte decorrente de intervenção policial", e tráfico de "entorpecentes" no 96º DP e no Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). O DHPP investiga o caso porque ele envolve policiais na ação que deixou um suspeito morto.

De acordo com o registro policial do DHPP, Gabriel estava com uma arma de brinquedo e um bala de arma de fogo. Também foi apreendido o relógio que ele usava, segundo o boletim de ocorrência (BO).O documento do 96º DP informa que ele tinha passagens policiais anteriores por infrações cometidas quando era adolescente: roubo e tráfico de drogas. E menciona que foram apreendidos com Gabriel: 58 invólucros, 4 tubos e 209 supositórios de cocaína; 81 papelotes e um invólucro de maconha; e 146 papelotes de crack. Além disso, também encontraram com ele uma bolsa, dois porta-moedas e R$ 128,25, segundo o registro.

Segundo o BO do 96º DP, o jovem foi baleado depois que os policiais viram Gabriel vendendo drogas. "Os policiais tentaram abordá-lo, ocasião em que esse reagiu, exibindo uma pistola preta, sendo efetuado disparos pelos policiais, bem como sendo ouvidos outros disparos oriundos da comunidade", informa trecho do documento, no qual constam as versões dos agentes.

O histórico da ocorrência do DHPP, no entanto, informa que o caso é, "em tese", de "resistência" e "morte decorrente de intervenção policial ocorrida às 14h29, especificamente na Rua Cristóvão Pereira", no bairro do "Campo Belo". headtopics.com

Ainda segundo o documento do DHPP, o corpo de Gabriel foi encontrado "coberto por manta metálica, trajando calça jeans azul, bermuda azul sob a calça, camiseta branca e blusa de moletom", com "três lesões" de tiros: na coxa e nádega esquerda e outro na região da cabeça (no lado esquerdo da mandíbula).

Grafite mostra nome de time de futebol do Morro do Piolho, na Zona Sul de São Paulo — Foto: Arquivo pessoal/Aldieres Batista'Não teve troca de tiros'Inicialmente a Polícia Militar (PM) chegou a informar a TV Globo que teve a informação de que policiais civis tinham sido recebidos a tiros por "criminosos" e atiraram para se defender, atingindo um suspeito.

Governo Bolsonaro: Verba para socorrer o Turismo banca resort e até museu do Flamengo Brasil tem média móvel de 194 mortes diárias por Covid, a menor desde abril de 2020 A incrível história de Maximiliano, primo de Dom Pedro 2º e último imperador do México - BBC News Brasil

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou, por meio de nota divulgada por sua assessoria de imprensa, que "as primeiras informações apontam que, durante uma operação de combate ao tráfico de drogas na região, criminosos resistiram a ação dos policiais civis, que intervieram. Uma pessoa foi presa e outra atingida, não resistindo aos ferimentos. A perícia foi acionada ao local e as armas envolvidas na ação foram apreendidas", informa a nota da comunicação da pasta.

Moradora aponta para o local onde foi morto a tiros Gabriel Augusto Hoytil Araújo, de 19 anos, dentro do Morro do Piolho, no Brooklyn, Zona Sul de São Paulo — Foto: Fábio Tito/G1"Não teve troca de tiros", disse o ativista de direitos humanos Juneo Videira, da ONG Mochileiros de Cristo e articulador da Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio, que estava no Morro do Piolho no momento que a Polícia Civil entrou na comunidade na tarde de quarta. "Ouvi dois tiros".

Mas num comunicado divulgado posteriormente, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não confirmou se os supostos criminosos atiraram e se os policiais revidaram atirando.Segundo Juneo, ele viu o momento que um dos disparos foi dado para o alto por um policial civil, que depois deteve uma mulher por suspeita de tráfico de drogas. Em seguida, contou ter ouvido um outro tiro e correu até o local para ver, onde encontrou Gabriel ferido e caído numa viela da comunidade.

"Um menino morreu. A situação é que ele estava com uma marmita na mão", diz Juneo num vídeo que gravou e colocou no Instagram da ONG Mochileiros de Cristo.Moradores do Morro do Piolho, na Zona Sul de São Paulo, fizeram protesto e penduraram faixas na Avenida Roberto Marinho após a morte de um jovem durante operação policial — Foto: Fábio Tito/G1

"Os policiais entraram, o menino estava de costas, com uma marmita na mão. Mandaram parar e deram dois tiros. Não foi tiro de distância, foi tiro de pertinho. Foi muito triste. Eles não deixaram socorrer, impediram de moradores passarem, bateram em moradores", falou uma mulher da comunidade, que pediu para não ser identificada pela reportagem.

Uma outra testemunha que não quis dar o nome falou que viu Gabriel baleado. "Sem nenhuma arma próxima, só uma marmita cheia de sangue no chão do lado dele. Mas sei que não houve troca de tiros, que ele não estava armado, não tinha arma, só a marmita cheia de sangue. Ouvi eles [policiais] dizerem 'olha, ninguém atirou. Vamos dizer que ele tentou tirar a sua arma'".

"O polícia aqui ajoelhado em cima do outro rapaz [Gabriel], e o outro polícia, o que atirou, estava ali resmungando, e o outro polícia discutindo com ele, falando pra ele 'não era pra você ter atirado, não era pra você ter atirado'", afirmou morador da comunidade. "Não, ele [Gabriel] não estava traficando. Ele estava com uma marmitex de isopor, não é marmitex cromada, é marmitex de isopor".

"O moleque virou de frente, foi na hora que ele foi e deu o tiro na testa do moleque. Aí, eu estava do lado do moleque, eu fiquei desnorteada, o sangue do moleque até voou em mim. Eu fiquei desnorteada, saí com o ouvido fazendo um barulho do tiro", disse uma mulher apontando o lugar onde Gabriel foi baleado pelos policiais, já dentro da viela.

Gabriel Araújo foi encontrado morto com 3 perfurações no Morro do Piolho, Zona Sul de São Paulo — Foto: Divulgação/Arquivo pessoalMoradores do Morro do Piolho chegaram a filmar o momento que os policiais civis cercaram o corpo do jovem e impediam a passagem de outras pessoas que queriam socorrê-lo. Eles ainda fizeram protestos na tarde de quarta pedindo justiça e a punição dos policiais civis que mataram Gabriel.

De acordo com o boletim de ocorrência, dois policiais atiraram. As armas deles, duas pistolas calibre .40, foram apreendidas para análise da perícia da Polícia Técnico-Científica.A Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio acompanha o caso defendendo os interesses dos familiares do jovem. O Ouvidor da Polícia, Elizeu Soares Lopes, informou ao g1 que irá pedir para a Corregedoria da Polícia Civil apurar a conduta dos agentes na ocorrência que resultou na morte de Gabriel.

Vídeos: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana Consulte Mais informação: G1 »

O Assunto #583: Amazônia – a marcha batida da destruição

Balanço anual do Inpe revela o maior desmatamento em 15 anos na região, com mais de 13 mil km² devastados. É o terceiro ano seguido que a floresta perde mais de 10 mil km² – período que coincide com o protagonismo dos militares no comando estratégico – e orçamentário – do combate ao desmate.

Muita força para a mãe, amigos e demais familiares. Revoltante constatar que a vida de um jovem não vale nada para alguns policiais. Um prato de comida alimenta e garante a sobrevivência. Um revólver mata e acaba com sonhos. Não confunde, senhora. Só inventou a desculpa nojenta. Outro caso isolado? História mal contada, sei não em.

Poderia ser um ursinho de pelúcia. De novo isso? Covardes Se você é negro não pode nem andar com guarda chuva que confundem com um fuzil Porque todas as reportagens de vcs são colocadas as etnias das pessoas, tanto faz a cor o importante é dizer que uma pessoa morreu ou foi assassinada,sei lá. Jura que ele tava só com uma marmita numa troca de tiros de frente com a polícia? Se bem que ele tem uma cara de neurocirurgião. Não acredito que seja vagabundo mesmo.

Cotidiano brasileiro.

'Como fiz a polícia prender assassino de minha melhor amiga 25 anos após o crime' - BBC News BrasilSheila Wysocki viu seu mundo desabar quando uma colega de universidade foi estuprada e morta. 20 anos depois, ela se tornou investigadora particular e acabou fazendo policiais reabrirem o caso. ArquivoBBC

Mataram o cara e depois encheram ele de drogas, além de tirarem a vida tentam tbm tirar a dignidade. Até quando isso meu Deus Ponto de vista da polícia Pra confundir o atirador tava surtado por doença ou droga. Os PM tavam muito doidão vendo alucinações Todos os dias um ato de racismo explícito mas manchetes

'Um dia farão um rio com o sangue negro que escorre pelo Brasil.' Meus sentimentos aos familiares. Se ele fosse branco não teria sido confundido, não é o objeto, mas sim a cor da pele. Caso isolado numero 982365832 'Carne preta é a mais barata do mercado ', que a justiça seja feita, e eternas condolências a familia.

'Uncharted' ganha primeiro trailer e mostra Tom Holland como Nathan Drake; ASSISTASony Pictures divulgou nesta quinta-feira (21) o primeiro vídeo do filme baseado no sucesso homônimo dos games. leadrinne

Nessa hora são todos 'inocentes' cadê a ft do assassino? Mais um caso isolado num país sem racismo ne? Como que se confunde uma marmita com uma arma essa é polícia preparada que temos Não é confusão. É projeto de EXTERMÍNIO e de TORTURA Que tristeza, que tristeza! Pq é preto, pode andar com um disco de algodão pra limpar a pele que a polícia vai enxergar uma arma

MIMIMI DA PORRA mais um caso isolado da policia Essa é nossa policia bem treinada. Que aceita qualquer sem dar um treinamento de como trabalhar nas ruas.

Após dois anos como comentarista, Edílson deixa a Band - ISTOÉ IndependenteO ex-jogador estava no 'Jogo Aberto' e costumava participar do programa 'Terceiro Tempo, além de ter feito parte do time de comentaristas do 'Os Donos da Bola'

Vai dizer que isso aqui não é igualzinho uma .40 ? Racismo estrutural; pra eles, todos os negros são suspeitos. O engraçado é que muitos policiais também são negros, mas talvez não se vejam como tais, assim como o tal presidente da fundação Palmares. Coisa que não entendo. Essas viaturas na favela e crime acontecendo fora dela. Qual a lógica disso? Aí quando te roubam celular, seu carro ou seu comércio você se lembra que tem viaturas em favela. Pra que

P q eu vou sair do morro p trabalhar si a polícia vai me matar de todo jeito? Parece que são mandado,toda vez a msm história,polícia genocida. 😢😢😢

Verstappen é votado como piloto preferido dos fãs em pesquisa da F1F1 divulgou resultados de extensa pesquisa e indicou Max Verstappen como piloto preferido dos fãs, à frente de Norris e Hamilton

Globo consegue autorização para Rafa Kalimann atuar como atriz, diz colunista - ISTOÉ IndependenteRafa Kalimann é mesmo a queridinha da TV Globo. Segundo informações da colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia, a emissora pediu autorização ao Sindicato dos Artistas para a ex-BBB poder atuar como atriz na série ‘Rensga Hits!’, da GloboPlay, já que Rafa não tem DRT e sem registro não poderia atuar O sindicato atendeu […] Tá faltando atriz profissional? Pq olha, sem desmerecer a força de vontade da pessoa, Rafa não é atriz, precisa estudar muito pra isso. Já não é boa como apresentadora. Ela é bonita mas não tem graça.

Carros 0-km têm descontos de até 30% nas vendas para CNPJ; veja comoMontadoras oferecem algumas vantagens nas vendas diretas para empresas e microempresários; veja como funciona o desconto para CNPJ