‘Borat 2’ irritou de sobrevivente do Holocausto a Trump; veja polêmicas | Tela Plana

‘Borat 2’ irritou de sobrevivente do Holocausto a Trump; veja polêmicas

28/10/2020 18:38:00

‘Borat 2’ irritou de sobrevivente do Holocausto a Trump; veja polêmicas

Longa do Prime Video, da Amazon, arrebanha controvérsias por seu humor satírico, que ironiza negacionistas, pedófilos e políticos pelo mundo

-Atualizado em 28 out 2020, 11h42 - Publicado em 28 out 2020, 11h23Humorista Sacha Baran Cohen em cena em Fita de Cinema Seguinte de Borat Amazon Prime Video/ReproduçãoPublicidadeEm 2006, quando chegou aos cinemas e se tornou um fenômeno inesperado,

Após 22 dias de apagão no Amapá, distribuidora e governo dizem que rodízio terminou e que energia foi retomada em 100% Covas tem 55% e Boulos 45% no 2º turno, aponta pesquisa - Política - Estadão Morre Francisco Camargo, pai dos sertanejos Zezé e Luciano

Boratincomodou muita gente com seu humor satírico nada leve. Era esperado que sua sequência, lançada em pleno 2020, o ano em que uma pandemia acentuou ainda mais o radicalismo e a polarização, arrebanhasse para si uma boa cota de polêmicas. Estrelado pelo comediante

Sacha Baron Cohen, o filme que chegou à plataforma de streaming Prime Video, da Amazon, na sexta-feira, acompanha o atrapalhado jornalista cazaquistanês em uma missão nos Estados Unidos. Para criar um laço entre o governo do Cazaquistão e Donald Trump, Borat deve levar um presente ao presidente americano, via Mike Pence, seu vice. Inicialmente, o mimo era um macaco estrela de filmes pornôs, mas acaba sendo substituído de última hora pela filha adolescente do jornalista — já que os poderosos americanos demonstraram diversas vezes um gosto por “novinhas”. Trump logo respondeu ao filme, assim como o governo do Cazaquistão e até um sobrevivente do Holocausto, que não gostou de uma piada de Cohen (que é judeu) sobre o genocídio.

Confira abaixo as principais polêmicas provocadas pelo esdrúxulo repórter cazaquistanês (contémspoilersNegação do holocausto e processo judicialCena com Judith Dim Evans, em ‘Borat 2’ //ReproduçãoEm um dos momentos mais delicados do filme, Borat entra em uma sinagoga americana decidido a “aguardar o próximo tiroteio em massa”, trajando uma fantasia caricata da cultura judaica e crente de que “o Holocausto nunca havia acontecido”, graças a uma postagem no Facebook. É então que ele vai ao encontro de Judith Dim Evans, que lhe diz: “Eu estive no Holocausto, eu vi com meus olhos.” A cena é uma crítica aos negacionistas, mas, aos olhos dos familiares de Judith, é símbolo de uma “comédia destinada a zombar do Holocausto e da cultura judaica”. O resultado foi um processo judicial, lançado antes mesmo de o filme ir ao ar, que exigia que a participação de Judith, falecida este ano, fosse cortada do falso documentário e que a família fosse indenizada com 75.000 dólares. Na última segunda-feira, 26, o processo foi indeferido pelo Tribunal Superior da Georgia, uma vez que Judith estava ciente do teor do filme. Segundo reportagem do site Deadline, foi a primeira vez que Baron Cohen revelou a um personagem de seus filmes o que estava sendo pretendido: “Por respeito, alguém disse a Evans e à amiga com quem ela compartilha a cena que o próprio Baron Cohen é judeu e interpretaria um personagem ignorante, que serviria como um meio de educação sobre o Holocausto.” Em comunicado, os advogados de defesa da Amazon disseram que “a compaixão e coragem de Judith Dim Evans como sobrevivente do Holocausto tocou o coração de milhões de pessoas que viram o filme” e a vida dela é “uma repreensão poderosa àqueles que negam o Holocausto”.

A imagem cazaquistanesaCena de ‘Borat 2’, com Sacha Baron Cohen //ReproduçãoÀ época da estreia do primeiro filme de Baron Cohen na pele do atrapalhado jornalista, sua recepção não foi lá das mais calorosas por parte do governo Cazaquistão. Muito pelo contrário: Borat chegou a ser banido no país, que é retratado, de maneira fictícia, como um mundo selvagem e de forma em nada lisonjeira. Agora, no entanto, em uma manobra inesperada, o país decidiu surfar na onda do filme e usá-lo ao seu favor, adotando o bordão “Very Nice” (Muito Legal, em português) de Borat como slogan de suas campanhas oficiais de turismo (veja abaixo). A mensagem é aliada a uma série de vídeos curtos que apresentam as belezas naturais e culturais do Cazaquistão, e ao que Baron Cohen defendeu em comunicado enviado ao

The New York Times. “Escolhi o Cazaquistão porque era um lugar que quase ninguém nos Estados Unidos conhecia, o que nos permitiu criar um mundo selvagem, cômico e falso. O Cazaquistão real é um belo país com uma sociedade orgulhosa e moderna – o oposto da versão de Borat”, escreveu.

O tom jocoso, entretanto, não foi o acolhido por todos os cazaquistaneses. Uma campanha organizada pela Kazakh American Association exige, por meio de uma carta-aberta endereçada a executivos da Amazon, que o filme seja retirado do catálogo da plataforma. A associação alega que o filme “pode causar danos irreparáveis à imagem nacional e à população do Cazaquistão, já que sua natureza cômica pode justificar assédio com base na etnia” e que “incita violência contra um grupo étnico minoritário altamente vulnerável e sub-representado”. Um abaixo-assinado pelo cancelamento do filme, lançado no começo deste mês, já conta com mais de 110.000 assinaturas.

'Não posso dizer que estive sóbria', desabafa Miley Cyrus durante pandemia de covid-19 - Emais - Estadão Partido idealizado por Bolsonaro não obtém 10% de apoio - Política - Estadão Pesquisa Datafolha para 2º turno em São Paulo: Bruno Covas, 48%; Guilherme Boulos, 40%

Política e governantes americanosO polêmico vídeo com o ex-prefeito de Nova York e atual advogado de Donald Trump, Rudy Giuliani //ReproduçãoCasamento infantil, pedofilia e a cultura das “novinhas”, em bom português, é tema central do filme, quando Borat decide presentear a própria filha Tutar, de 15 anos, interpretada por Maria Bakalova, de 24, ao presidente americano. No processo, em que ele até chega a comprar uma jaula para colocar a filha durante a viagem – uma referência às crianças mexicanas durante a deportação –, Tutar foge para se tornar jornalista e, a partir daí, protagoniza um dos momentos mais polêmicos do filme. Sob o pretexto de trabalhar para um canal conservador, Tutar entrevista Rudy Giuliani, ex-prefeito de Nova York e atual conselheiro e advogado de Donald Trump. Em seguida, Giuliani é visto aparentemente abrindo sua calça em um quarto de hotel, em presença da jovem, ao que Borat interrompe e grita: “Ela tem 15 anos! É muito velha para você!”.

Continua após a publicidadeEm sua conta oficial do Twitter, Rudy Giuliani se defende: “O vídeo de Borat é completamente falso. Eu estava colocando minha camisa para dentro depois de tirar o equipamento de gravação. Em momento algum, antes, durante ou depois da entrevista, fui inapropriado. Se Sacha Baron Cohen disser o contrário, então ele será um mentiroso.”

(1) The Borat video is a complete fabrication. I was tucking in my shirt after taking off the recording equipment.At no time before, during, or after the interview was I ever inappropriate. If Sacha Baron Cohen implies otherwise he is a stone-cold liar.

— Rudy W. Giuliani (@RudyGiuliani)October 21, 2020O próprio presidente Donald Trump chegou a trocar farpas com Baron Cohen, quando questionado sobre uma cena do filme em que Borat invade um evento do Partido Republicano para oferecer sua filha ao vice-presidente Mike Pence. Segundo o jornalista Steve Herman, Trump disse: “Não sei o que aconteceu. Mas anos atrás, Sacha Baron Cohen tentou me pregar uma peça e fui o único que disse ‘sem chance’. É um cara falso e não acho ele engraçado.” O ator, em sua conta pessoal, respondeu agradecendo a “publicidade gratuita para

Borat” e dizendo que também não acha o presidente engraçado.“Eu admito, também não te acho engraçado. Mas ainda assim o mundo inteiro ri de você. Estou sempre procurando pessoas para interpretar bufões racistas, e você vai precisar de um novo emprego depois de 20 de janeiro. Vamos conversar!”, escreveu. Além de Trump,

Boratao incluí-lo na lista de “líderes mundiais durões” ao lado de ditadores como o norte-coreano Kim Jong-Un e o russo Vladimir Putin. Consulte Mais informação: VEJA »

Dezenas de golfinhos são flagrados 'escoltando' barcos no litoral de SP; assista

Mamíferos foram flagrados pelo biólogo Douglas Rey dos Santos, de 37 anos, a caminho do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos.

Os preconceito no país fictício de Borat são levados tão ao extremo que é preciso ter uma alto estima muito baixa para se sentir ofendido, sobre Trump e os conservadores, eles foram feitos de palhaço, e ninguém gosta disso. O filme foi feito pra incomodar, se incomodou é porque acertou o alvo. Quando vc vê que desagrada todo mundo, está fazendo o certo. Rasgou a cortina do politicamente correto.

Esse está parecendo os comediantes de esquerda..amigos do Lula e que perderam dinheiro público... já não tinham graça..e agora são ácidos....hehehe Exelentw filme. se irritou, fez certo. Irritou os bolsonaristas aqui do Brasil também, afinal, eles se sentem representados pelos caras que o filme zoa. Aliás, esse era o pessoal que era contra o mimimi e o politicamente correto.

👏👏👏👏👏 desde quem sofreu graças à nazistas, até nazistas. gostei da correlação, veja.

Casaquistão agora assume piada de Borat - Internacional - EstadãoEstadaoInter Casaquistão agora assume piada de Borat; Americano que mora no país convence governo que filme pode ajudar a divulgar o turismo local Inter Tenho uma amiga cazaque que já morou aqui no Brasil e ela dá risada com Borat. Ela contou muitas situações 'estranhas' no Cazaquistão mas disse que o povo lá é bem humorado. Inter Marketing gratuito e bem humorado enorme. Se reagir a piada, é pior. Inter Very nice

AO VIVO! Assista ao que rola antes de Mönchengladbach x Real Madrid pela Liga dos CampeõesAO VIVO! Assista ao que rola na Alemanha antes de Borussia Mönchengladbach x Real Madrid pela Liga dos Campeões

Chile aprova plebiscito histórico: por que é tão polêmica a Constituição que 78% dos chilenos decidiram trocarCarta chilena remonta a 1980 e, embora modificada várias vezes, é criticada por ser herança do regime militar de Augusto Pinochet e por consolidar papel residual ao Estado na prestação de serviços básicos. E lá se foi o último país próspero da América do Sul Para quem não entendeu o que isso significa, um resumo.

Streaming em novembro de 2020: O que chega na Netflix, Mubi e outros - Cultura - EstadãoStreaming em novembro: veja o que chega na Netflix, Mubi e outros; Disney+ estreia na segunda quinzena -via EstadaoCultura

NYT liga Bolsonaro a agravamento da pandemia na América Latina - CartaCapitalNew York Times acusa brasileiro de implementar com Trump uma 'campanha ideológica' que debilitou a capacidade dos sistemas de saúde Errado n tá Bolsonaro podia ir para o EUA não ia fazer falta kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

O dramático julgamento de Friné, a cortesã da Grécia Antiga que ficou nua para salvar a própria vida - BBC News BrasilEpisódio inspirou escritores e artistas de seu tempo e continuou a ser celebrado em telas, esculturas e escritos ao longo de séculos.