Bebê que desenvolveu síndromes raras após Covid completa 1 ano e continua tratamentos: 'Superação', diz mãe

O menino ficou 25 dias internado e desenvolveu as síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e de Kawasaki #g1

21/01/2022 21:00:00

O menino ficou 25 dias internado e desenvolveu as síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e de Kawasaki g1

Luís Miguel Fraga, de Salto (SP), chegou a ficar 25 dias internado para tratamento da Covid-19 quando tinha apenas 51 dias de vida. Ele desenvolveu as síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e de Kawasaki.

Em entrevista ao g1, a mãe do bebê, Mical Fernanda Nascimento Fraga, de 31 anos, contou que ele continua fazendo acompanhamento com um cardiologista para tratar as sequelas que sofreu no coração.Segundo Mical, uma de suas maiores preocupações antes era se a parte motora do corpo do bebê seria afetada pela doença, mas ela ficou surpresa com a boa recuperação que Luís Miguel está apresentando.

'Medo continua'Bebê Luís Miguel com a família — Foto: Arquivo pessoal"A minha filha retornou para a escola no mês de agosto de 2021. Da parte dela, ela toma todos os cuidados, porque ela mesma sabe o que aconteceu com o irmãozinho. Ela chegava na escola, levava máscara de reserva e o álcool em gel."

Consulte Mais informação: g1 »

Cinco pessoas são feitas reféns em casa na capital paulista

Pelo menos cinco pessoas foram feitas reféns dentro de casa, hoje, na Zona Sul de São Paulo. Dos dois criminosos, um se entregou depois de mais de duas horas de negociação, segundo a polícia. O outro suspeito tentou fugir dos policiais, se machucou e foi levado a um hospital. Entre os reféns, ninguém ficou ferido. Consulte Mais informação >>

DamaresAlves mqueiroga2 façam a de vocês divulgando os prejuízos da covid para crianças DamaresAlves e a visitinha, já ta programada?

Djokovic é dono de empresa que tenta desenvolver tratamento para covid-19Segundo o CEO Ivan Loncarevi, a QuantBioRes tem 11 cientistas trabalhando em três países diferentes tentando desenvolver um peptídeo que impeça o coronavírus de infectar a célula humana Sentiu a raiva de um ser humano Foda! Viva a liberdade!

Brasil registra 6 vezes mais casos diários de covid-19 que em dezembroBoletim do Observatório Covid-19 Fiocruz divulgado hoje (19) pela Fundação Oswaldo Cruz revela aumento significativo do número de casos da doença no Brasil, com média de 49 mil registros por dia, seis vezes mais do que o observado no início de dezembro

Espanha planeja tratar a covid como doença endêmica e abre debateO governo de esquerda espanhol tem sido o mais enfático em falar abertamente sobre tomar medidas para começar a considerar o coronavírus como uma doença a se conviver normalmente ' é criar falsas Ilusões '. Apesar que em muitos países vêm fazendo isso desde o começo da Pandemia Ter cuidados e proteção e seguir a vida .....pq infelizmente isso vai demorar ainda. Faz sentido... pq na prática já é.

Ao menos 3 estados têm cerca de 80% dos leitos de UTI para Covid ocupados; confiraEm Pernambuco, a taxa de ocupação está em 86%. No Espírito Santo, o índice chega a 79,17%; e, no Ceará, atingiu 78,72%. Aqui no ES o governador Casagrande_ES e seu Secretário que é uma bosta dr_nesio acabaram com os 1.500 leitos que o Governo Federal pagou e agora estão só com 390 leitos VACINADOS sao a grande maioria das internacoes Qdo tiveram mtos leitos de UTI sobrando no Brasil?

Transmissão da Covid no Brasil: Maior taxa desde julhoA taxa de transmissão da Covid voltou a subir no Brasil, de acordo com o Imperial College de Londres, ficou em 1,35. Na prática, isso quer dizer que 100 pessoas infectadas transmitem o vírus para outras 135. Quando a chamada Taxa R fica acima de 1, significa que o ritmo de contágio está acelerado. Cadê os jornalistas bunda moles que estavam incentivando vacinação em crianças ? Vão ficar caladinhos no caso de Lençóis Paulista COVARDES !!!!!!!!! E a maioria da população está vacinada/imunizada... algo de errado não está certo. Falta quanto nesse índice para a anvisa_oficial proibir o Carnaval da Sapucaí?

100 mil: Brasil bate novo recorde na média diária de casos de covid-19De acordo com dados do Ministério da Saúde, o país tem 621.855 óbitos e 23.416.748 casos confirmados da doença É sempre bom relembrar que a pandemia não acabou Este vírus Ching Ling não mata mais, só números de contaminados, o quê aconteceu

Bebê que desenvolveu síndromes raras após testar positivo para Covid completa um ano — Foto: Arquivo pessoal Os primeiros passos do bebê Luís Miguel Fraga foram como uma vitória para a família depois de toda a luta que o pequeno enfrentou ao desenvolver síndromes raras quando teve Covid-19. Nesta sexta-feira (21), ele completa um ano de vida e o que não faltam são motivos para comemorar. Em março do ano passado, Luís Miguel chegou a ficar 25 dias internado em um hospital particular de Indaiatuba (SP) e desenvolveu as síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e a de Kawasaki. Ambas são consideradas raras e associadas ao coronavírus. Em entrevista ao g1, a mãe do bebê, Mical Fernanda Nascimento Fraga, de 31 anos, contou que ele continua fazendo acompanhamento com um cardiologista para tratar as sequelas que sofreu no coração. "No último exame que fez, em novembro, ele não estava mais com o derrame e com as artérias obstruídas. A única coisa, agora, é a miocardite. De modo geral, ele está bem. No começo, ele tinha muito taquicardia e a gente tinha que medir os batimentos cardíacos diariamente. Hoje ele já não tem." Bebê recebeu alta após 25 dias internado com Covid-19 Segundo Mical, uma de suas maiores preocupações antes era se a parte motora do corpo do bebê seria afetada pela doença, mas ela ficou surpresa com a boa recuperação que Luís Miguel está apresentando. "De dez para 11 meses ele já estava andando. Agora, já vai para todo lado, está grande, gordinho e fala algumas coisas. Hoje, eu olhando para ele, vejo que ele realmente é um milagre mesmo. Foi uma superação, ele está completando um ano de vida, mais um ano de vitória." Bebê de Salto deu os primeiros passos com dez meses de vida — Foto: Arquivo pessoal 'Medo continua' Mical relata que a família busca tomar todos os cuidados em casa para que não ocorra uma reinfeção do coronavírus e também evita sair muito de casa com o bebê. "O medo continua até hoje, tanto que a gente não sai muito com ele, mesmo que algumas atividades já tenham voltado. A gente preserva ele, porque tem medo de isso acontecer de novo, principalmente com as novas variantes." Bebê Luís Miguel com a família — Foto: Arquivo pessoal Na época em que Luís Miguel testou positivo para o coronavírus, Mical também teve a doença. Ela e o marido devem tomar a dose de reforço da vacina entre fevereiro e março deste ano. Já a filha mais velha de Mical, Lídia Alice, completou cinco anos este mês e também deve ser vacinada assim que for disponibilizada a imunização para crianças da idade dela em Salto. "A minha filha retornou para a escola no mês de agosto de 2021. Da parte dela, ela toma todos os cuidados, porque ela mesma sabe o que aconteceu com o irmãozinho. Ela chegava na escola, levava máscara de reserva e o álcool em gel." Casos no estado de SP Dados da Secretaria do Estado da Saúde de São Paulo apontam que, do começo da pandemia até a segunda semana deste mês, 345 casos e 24 óbitos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) foram registrados. Os dados são de casos temporalmente associados à Covid-19, ou seja, situações em que este quadro foi identificado. Do total, 190 casos e 13 óbitos foram registrados no ano passado e dois casos em 2022, que estão em aberto. A Prefeitura de Salto informou, em nota, que o bebê Luís Miguel foi a única criança que desenvolveu as síndromes raras e que foi comunicado à Vigilância Epidemiológica. Síndromes raras A Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) pode se desenvolver em pessoas de zero a 19 anos que tiveram Covid-19 previamente e que, inclusive, já estão curadas da doença. O primeiro critério para avaliação dessa síndrome é que o paciente tenha tido Covid-19 previamente. Entre os sintomas, estão: febre, conjuntivite, manchas vermelhas no corpo, problemas gastrointestinais, dor abdominal, vômitos, inchaço nas articulações, tosse e falta de ar. Já a Síndrome de Kawasaki é considerada uma condição rara que afeta principalmente crianças menores de cinco anos. Os sintomas típicos são erupção cutânea, glândulas inchadas no pescoço e lábios secos e rachados. VÍDEOS: assista às reportagens da TV TEM 200 vídeos Veja mais notícias da região no g1 Sorocaba e Jundiaí