A gente quer comida, diversão e cannabis

Estrondoso aumento na demanda por medicamentos à base da erva pede urgência à Câmara e ao Senado na sua regulamentação

05/12/2021 22:21:00

Opinião | 'Estrondoso aumento na demanda por medicamentos à base da erva pede urgência à Câmara e ao Senado na sua regulamentação', por Anita Krepp do CannabisHoje

Estrondoso aumento na demanda por medicamentos à base da erva pede urgência à Câmara e ao Senado na sua regulamentação

era, para muitos, apenas uma erva que deixava seus amigos ainda mais engraçados e ligeiramente famintos. Mas, naquele ano, quase 900 pessoas já importavam medicamentos à base de cannabis para o controle de crises epiléticas em crianças que sofriam com convulsões frequentes. Hoje, seis anos depois, o Brasil ultrapassou os 41.000 usuários de

Garrafa jogada no mar por menino dos EUA viaja meio mundo e é encontrada três anos depois na Irlanda do Norte

cannabis medicinal, uma explosão de crescimento num curto período. São pessoas que sofrem de glaucoma, endometriose, fibromialgia, esclerose múltipla, ou que, assim como eu, encontraram na cannabis um alívio para crises de pânico e ansiedade.

Algumas delas, diferentemente de mim, mantinham distância da cannabis —termo esse que, aliás, tem por missão limpar oestigma da maconha. Acreditavam, que, dali não poderia sair coisa boa. Sabe aquela velha história que um dia te contaram sobre a maconha ser a porta de entrada para todas as drogas, etc e tal? Pois é, muita gente entrou nessa, e teve que se despir dos preconceitos para aproveitar o indiscutível e mais do que comprovado potencial terapêutico da planta. E como o que foi visto não pode ser desvisto, o boca a boca somado às crescentes publicações do tema na imprensa abriram caminho para novos pacientes. headtopics.com

Segundo um levantamento da BRCann —Associação Brasileira das Indústrias de Canabinoides—, só no último ano, 26.000 pessoas foram autorizadas pela Anvisa aimportar produtos de cannabis. Pode parecer pouco, mas com um crescimento médio de 400% a cada ano, dá para calcular os possíveis ganhos da indústria, que se fosse regulamentada no Brasil, de acordo cm dados da empresa de dados Kaya Mind, teria o potencial de movimentar 26 bilhões de reais no quarto ano de regulação, além de gerar uma arrecadação de cerca de 8 bilhões de reais em impostos.

Naiara Azevedo pode desistir de lançamento se família de Marília Mendonça quiser, diz equipe

Mais informaçõesMaconha no dia a dia. Dez histórias de consumo habitual na América do SulQual governo no mundo ainda dispensa uma oferta assim? Pelo visto, o Brasil e uns gatos pingados na Ásia e no Oriente Médio. Basta googlear “países onde a cannabis é legalizada” para saber o que já não é tendência, mas realidade. Vários países têm apostado na liberação da substância, mesmo que a contragosto de seus mandatários, para recuperar-se economicamente. Até os EUA, país que inventou a proibição, tratou de desinventar para aproveitar-se dos lucros da indústria,

que, por sinal, só faz crescer.O gigantesco salto nesses quase dois anos, no entanto, pode ser explicado por duas causas principais: primeiro, a crise generalizada de saúde mentalagravada pela pandemia, que elevou a procura por tratamentos contra ansiedade e depressão. A cannabis apresenta ótimos resultados para essas condições. Segundo, pelo aumento do número de médicos prescritores. Enquanto, em 2015, apenas 321 médicos receitavam cannabis, atualmente, são quase 2.500.

Um deles é Wilson Lessa Jr., psiquiatra e um dos dois únicos médicos prescritores de cannabis de Roraima, Estado brasileiro que mais cresceu em número de pacientes em 2021. Nesse microcosmo, a nova permissão para teleconsultas, que facilitou o acesso a profissionais de outras regiões, e uma cultura acostumada a tratamentos com plantas medicinais, foram a chave para o fenômeno. Dr. Lessa Jr. se diverte contando que muitos de seus pacientes conhecem a planta como headtopics.com

Ciro Nogueira diz que volta do PT ao poder seria 'guinada à Venezuela'

diamba, e, na maioria das vezes, não a associam à maconha.Desde outubro passado, qualquer pessoa que queira experimentar a cannabis medicinal, tenha na mão uma receita e opte pela importação, passará por um processo regido pelas novas diretrizes da Anvisa, publicadas na

RDC 570/2021. A mais importante delas, versa sobre a agilização do processo de novas autorizações, dadas instantaneamente. Até então, o processo poderia se arrastar por até um mês.A tendência para os próximos anos, no entanto, deve ser o crescimento das compras diretas nas farmácias, fazendo com que diminuam as importações. Atualmente, quem desejar comprar diretamente por aqui, tem dois medicamentos à disposição em sua drogaria de preferência. Oito estão liberados pela Anvisa para ser comercializados como produtos feitos de matéria-prima importada e envasada no Brasil. Outros 20 aguardam o aval da agência sanitária e, sem dúvida, novas opções deverão surgir com o tempo.

O acesso legal aos medicamentos à base de cannabis deixou de ser impeditivo em 2015, quando as importações foram liberadas por aqui. Para que chegassem às prateleiras, foi preciso mais quatro anos. Somente em 2019 o primeiro medicamento de cannabis comercializado no Brasil com aval da Anvisa debutou no mercado. Desde então, o acesso a tratamentos com a erva tem sido privilégio de uma minoria que pode bancar os mais de 2.000 reais por caixinha do medicamento. É evidente que mais opções de compra nas farmácias e maior facilidade no processo de importação representam soluções à crescente demanda, mas o custo elevado de ambos segue impedindo milhares de famílias ao direito fundamental à saúde.

É preciso fazer mais. É preciso inserir a cannabis nas políticas de saúde pública e priorizar, na Câmara e no Senado, as votações do Projeto de Lei 399/2015, que prevê a regulamentação de seus usos medicinal e industrial, além do plantio em solo brasileiro, o que diminuiria expressivamente os gastos de produção e, consequentemente, de venda ao consumidor final. O autocultivo, que, de fato, democratizaria o acesso à medicina canábica de baixo custo no Brasil, não foi contemplado no PL, já que, se ali estivesse, jamais sairia do papel. headtopics.com

Por sua vez, a falta de recursos financeiros tem levado pacientes a infringir a lei, assumindo o risco de serem presos por cultivar uma planta medicinal para a melhora de sua condição de saúde e qualidade de vida. Entre os “fora da lei”, há diversas mães que preferem se arriscar a permanecer de braços cruzados observando o sofrimento dos filhos pequenos. Até 2015, as crianças representavam mais da metade da demanda por cannabis medicinal no Brasil, em sua maioria para o tratamento de epilepsias refratárias.

Consulte Mais informação: EL PAÍS Brasil »

Butantan começa a produzir vacina eficaz contra o atual surto de gripe

Jornal Nacional acompanhou, com exclusividade, o início da produção do ingrediente farmacêutico ativo, o IFA, da vacina contra o H3N2.

CannabisHoje Governo desgraçado de filhos da putas negacionista, poderíamos ter avançado na RE 635659, dae o genocida foi eleito e o STF engavetou CannabisHoje PAO E CIRCO

Para Lira, a Câmara não votará mais nada relevante neste ano | Radar'Só vamos tapar buracos', disse o presidente da Casa numa conversa com prefeitos de São Paulo radaronline Falou o irrelevante and bolsonarista. radaronline Não precisa! O Brasil não tem problemas. Pode entrar de férias aí camaradeputados SenadoFederal ArthurLira_ radaronline Sério? Agora lascou

Câmara prorroga isenção do IPI para PCD até 2026 com teto de R$ 200 milSeguindo para o Senado Federal, projeto de lei deve ser aprovado até dia 31 de dezembro; teto máximo sobe para R$200 mil para o público PCD

Câmara de Santo André aprova projeto que proíbe banheiros 'multigênero' na cidadeCâmara de Santo André, em São Paulo, aprova projeto que proíbe banheiros 'multigênero' e agora texto segue para sanção ou veto de prefeito g1 Vão separar os banheiros nós aviões e ônibus🤔 Isso é o que acontece quando o povo elege privilegiados da vida, que nao possuem noção dos verdadeiros problemas da cidade. O mínimo de bom senso né

'Rachadinha': ex-funcionário de Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio afirma ao MPRJ que nunca teve crachá e nem sabe o nome dos colegas da épocaGilmar Marques trabalhou no gabinete de Carlos por sete anos. Mesmo assim, afirmou a promotores que não se lembra dos nomes de colegas e disse que trabalhava em Juiz de Fora, Minas Gerais. Maracutaia bolsonarista? Mas quem diria... Pau no Carluxo Acabou a mamata

Mega da Virada: sorteio deve pagar o maior prêmio da história - Educação Financeira - Estadão E-Investidor - As principais notícias do mercado financeiroA Caixa estima que o concurso de 2021 vai pagar o maior prêmio da história: R$ 350 milhões EInvestidor 'MALDITO SEJA QUEM VOTOU NO BOLSONARO' TUDO FDP! BOLSONARO ESTÁ MATANDO ÍNDIOS E MATANDO AS FLORESTAS DO BRASIL. A AMAZÔNIA E AS FLORESTAS DO BRASIL ESTÃO SENDO DESTRUÍDAS! ISSO VAI CAUSAR CRISES CLIMÁTICAS,SECAS,INUNDAÇÕES, FALTA DE ÁGUA,POLUIÇÃO E MORTES NO BRASIL. 'OXOSSI ' EInvestidor Investimento existe a possibilidade de retorno hehehe EInvestidor 😴

Quer praticar ioga? Conheça os principais estilos - Saúde - EstadãoSão 7 opções diferentes que trazem benefícios como alívio de dores, fortalecimento muscular, concentração, além de auxiliar em casos de ansiedade e depressão BOLSONARO ESTÁ MATANDO ÍNDIOS E QUEIMANDO FLORESTAS NO BRASIL.SALVEM OS ANIMAIS! SEM NATUREZA NÃO HÁ VIDA VOCÊ PODE ME ENTENDER?A AMAZÔNIA E AS FLORESTAS DO BRASIL ESTÃO SENDO DESTRUÍDAS! ISSO VAI CAUSAR CRISES CLIMÁTICAS,SECAS,INUNDAÇÕES, FALTA DE ÁGUA,POLUIÇÃO E MORTES OXOSSI