Wall Street afunda com receio da Evergrande. E Fed à espreita

As bolsas do outro lado do Atlântico encerraram em forte baixa, com os investidores de olhos postos na gigante chinesa do imobilário Evergrande, que corre o risco de falência

Wall Street, S&P 500

20/09/2021 23:29:00

As bolsas do outro lado do Atlântico encerraram em forte baixa, com os investidores de olhos postos na gigante chinesa do imobilário Evergrande, que corre o risco de falência

As bolsas do outro lado do Atlântico encerraram em forte baixa, com os investidores de olhos postos na gigante chinesa do imobilário Evergrande, que corre o risco de falência.

 Já o o índice Russell 2000 (que integra as cotadas de menor capitalização bolsista) mergulhou 2,4% (chegou a estar a cair quase 4%), naquela que foi a descida mais acentuada desde maio. "Há quem receie que um colapso da Evergrande tenha riscos sistémicos, a par com o impacto que a queda do Lehman teve no mercado acionista norte-americano", sublinhou na passada quinta-feira, numa nota de análise, o presidente da Yardeni Research, Ed Yardeni, citado pela CNN Business.

Consulte Mais informação: Jornal de Negócios »

Wall Street recua antes da reunião decisiva da FEDA grande surpresa disruptiva pode muito bem advir do denominado 'dot plot'.

Preocupações sobre ritmo da recuperação económica afetam Wall StreetNo arranque da sessão as ações de entidades bancárias como o Morgan Stanley estão a cair 2,88%, enquanto o JP Morgan desce 2,36%. Já o Bank of America deprecia 3,04%.

Ministra francesa da Defesa cancela encontro com homólogo britânico após crise diplomáticaMinistra da Defesa francesa cancela encontro com homólogo britânico, devido à crise diplomática entre os dois países

Fantasma do Lehman está a ensombrar a ChinaA braços com uma crise de liquidez e uma dívida superior ao PIB de Portugal, o Evergrande arrisca entrar em incumprimento e colapsar. Analistas alertam para impacto da queda do gigante chinês do imobiliário, mas afastam cenário de novo Lehman.

As emoções não podem ficar à porta da escola ou escondidas atrás da máscaraPercorro os planos curriculares e os planos de formação dos professores e continua a ser escassa ou inexistente a presença de conteúdos promotores de inteligência emocional, atenção plena e saúde psicológica.

Parte das medidas anti-covid-19 aliviadas em Madrid a partir desta 2.ª feiraO objetivo da redução das restrições é 'conseguir uma maior reativação da atividade económica e social, sempre sujeita à evolução da situação epidemiológica', segundo o despacho.

1€/1 mês ... O índice industrial Dow Jones fechou a ceder 1,78%, para 33.970,47 pontos e o Standard & Poor’s 500 recuou 1,70%, para 4.357,73 pontos – a maior queda desde maio.   Por seu lado, o tecnológico Nasdaq Composite derrapou 2,19% para se fixar nos 14.713,90 pontos.   Já o o índice Russell 2000 (que integra as cotadas de menor capitalização bolsista) mergulhou 2,4% (chegou a estar a cair quase 4%), naquela que foi a descida mais acentuada desde maio.   Os investidores de todo o mundo têm estado a prestar cada vez mais atenção à gigante chinesa do imobilário Evergrande, que corre o risco de falência. Isso levou a que na sessão de hoje não só as bolsas dos EUA mas também os mercados acionistas asiáticos e europeus registassem perdas.   No final da semana passada, a CNN Business dizia que a China estava perante um potencial"momento Lehman" mas que Wall Street se mostrava, por enquanto, imperturbável. E o"por enquanto" tinha razão de ser, pois as bolsas de todo o mundo, não apenas dos EUA, negociaram em terreno negativo durante todo o dia à conta dos receios em torno desta potencial implosão da Evergrande, tal como aconteceu há 13 anos com o banco norte-americano Lehman Brothers – episódio que mostrou como o desmoronamento de uma única entidade pode emitir ondas de choque para todo o mundo.   "Há quem receie que um colapso da Evergrande tenha riscos sistémicos, a par com o impacto que a queda do Lehman teve no mercado acionista norte-americano", sublinhou na passada quinta-feira, numa nota de análise, o presidente da Yardeni Research, Ed Yardeni, citado pela CNN Business.   Tal como o banco norte-americano, a Evergrande é enorme: tem 200.000 funcionários, encaixou mais de 110 mil milhões de dólares em vendas no ano passado e tem mais de 1.200 projetos em mãos, frisa a Reuters.   A Evergrande afundou hoje 10% na Bolsa de Hong Kong e já perdeu 84% este ano. Os bancos, seguradoras e outras empresas do ramo imobiliário da China também foram penalizados.   Cresce assim o receio de que a crise na Evergrande – que detém cerca de 6,5% da dívida total detida pelo setor imobiliário chinês – acabe por atingir todo o sistema financeiro. Nas últimas semanas, a empresa tem alertado os investidores para os seus problemas de cash flow, dizendo que poderá entrar em incumprimento se não conseguir angariar dinheiro rapidamente.   A Evergrande deveria ter reembolsado juros sobre alguns empréstimos bancários nesta segunda-feira, sublinha a Bloomberg – acrescentando que as autoridades chinesas disseram recentemente aos maiores bancos do país que não iriam receber esses pagamentos.   O efeito Fed   Os investidores estão também em"modo espera" relativamente à Reserva Federal norte-americana, que amanhã inicia a sua reunião de dois dias dedicada à política monetária.   Muitos antecipavam que a Fed pudesse anunciar o início do"tapering", que passam pela compra de dívida], mas com o relatório desanimador do mercado laboral em agosto isso poderá ser agora menos provável, salienta a CNN.   Além disso, na semana passada foram divulgados dados de que a subida da inflação nos EUA começa a dar mostras de abrandamento, o que diminuiu os receios de que a Fed anuncie este mês o início do ‘tapering’. Mas a retirada gradual dos estímulos (nomeadamente através da compra de dívida) acabará por acontecer e a incerteza quanto ao timing tem convidado à prudência dos investidores.