Visão | Caso Selminho: 'Não me vão ver a rasgar as vestes da Justiça', reagiu Rui Moreira à absolvição

#CasoSelminho: “Não me vão ver a rasgar as vestes da Justiça”, reagiu Rui Moreira à absolvição

Casoselminho, C\U00e2mara Do Porto

21/01/2022 21:00:00

CasoSelminho: “Não me vão ver a rasgar as vestes da Justiça”, reagiu Rui Moreira à absolvição

Presidente da Câmara do Porto valeu-se da ironia para comentar a decisão e celebrou com familiares ainda dentro do tribunal

21.01.2022 às 17h48“Nunca tive dúvidas, mas não me vão ver a rasgar as vestes da Justiça”. Foi desta forma, à saída do Tribunal de São João Novo, que Rui Moreira comentou o desfecho do caso Selminho. O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, foi absolvido da acusação de um crime de prevaricação por alegadamente favorecer a imobiliária da família, de que era sócio, em detrimento do município portuense. “Gostaria que tivesse sido decidido mais cedo”, admitiu o autarca, conformado, ainda assim, com o facto de o Ministério Público ter anunciado que vai recorrer da decisão. “O dinheiro não é deles, é dos contribuintes”, ouviu-se, entre o grupo de familiares e amigos que fizeram questão de marcar presença e não disfarçaram a emoção.

Consulte Mais informação: VISÃO »

Visão | Rui Moreira absolvido no caso SelminhoTribunal ilibou o autarca do crime de prevaricação por alegadamente ter beneficiado a empresa da família em detrimento do município. Ministério Público vai recorrer da decisão Isto é lamentável, uma vergonha, a justiça está nas mãos dos facistas.

Caso Selminho: 'Hoje fez-se justiça', diz Rui Moreira - SIC NotíciasAs declarações do presidente da Câmara do Porto e a reação ao recurso do Ministério Público.

Rui Moreira conhece hoje sentença do caso SelminhoPresidente da Câmara do Porto está em julgamento desde novembro de 2021, acusado pelo MP de prevaricação por suspeita de favorecimento de uma imobiliária da família na compra de uns terrenos municipais

Rui Moreira chega ao tribunal para leitura do Acórdão do caso SelminhoMP pediu a condenação do presidente da Câmara do Porto a uma pena suspensa e à perda deste mandato.

Rui Moreira absolvido no caso Selminho por falta de provaA presidente do coletivo de juízes disse que não ficou provado que o autarca tenha dado instruções ou agido com o propósito de beneficiar a Selminho . MP vai recorrer

Rui Moreira absolvido no caso Selminho e mantém presidência da Câmara do PortoSortudo. A duvida persiste. Vamos ver o q decide Tribunal da Relacao do Porto

Política 21.01.2022 às 17h48 “Nunca tive dúvidas, mas não me vão ver a rasgar as vestes da Justiça”. Foi desta forma, à saída do Tribunal de São João Novo, que Rui Moreira comentou o desfecho do caso Selminho. O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, foi absolvido da acusação de um crime de prevaricação por alegadamente favorecer a imobiliária da família, de que era sócio, em detrimento do município portuense. “Gostaria que tivesse sido decidido mais cedo”, admitiu o autarca, conformado, ainda assim, com o facto de o Ministério Público ter anunciado que vai recorrer da decisão. “O dinheiro não é deles, é dos contribuintes”, ouviu-se, entre o grupo de familiares e amigos que fizeram questão de marcar presença e não disfarçaram a emoção. Na leitura do acórdão, Ângela Reguengo, presidente do coletivo de juízes, afirmou que, em julgamento, não ficou provado que o autarca tenha dado instruções ou agido com o propósito de beneficiar a Selminho. Todos os depoimentos e documentos, alegou, sustentam a tese contrária à do MP, que pedira a condenação do autarca a uma pena suspensa e à perda deste mandato. Rui Moreira foi julgado pelo crime de prevaricação, acusado de favorecer a imobiliária da família (Selminho), da qual era sócio, em prejuízo do município do Porto, no litígio judicial que opunha a autarquia à imobiliária, que pretendia construir um edifício de apartamentos num terreno na Calçada da Arrábida. “Não se logrou provar qualquer actuação, conduta concreta ou ato, praticado pelo arguido, que se traduzisse numa intenção direcionada para obter uma posição de privilégio ou de vantagem (patrimonial ou outra), para si ou para outrem, pressupondo uma intenção dolosa dirigida a um fim específico”, lê-se no acórdão. À saída do tribunal, alguns cidadãos anónimos esperavam Moreira para celebrar efusivamente a absolvição, cumprimentando-o e abraçando-o. Viram-se lágrimas, ouviram-se elogios à “seriedade” do autarca e incentivos para que não desista. “Estive sempre tranquilo, nunca tive dúvidas”, garantiu Moreira que remeteu mais declarações para uma conferência de Imprensa no edifício da Câmara do Porto. Palavras-chave: