Vela, Secretaria De Estado Do Desporto, Cascais

Vela, Secretaria De Estado Do Desporto

Vasco Serpa: Não basta fazer “um trabalho avulso para um evento”

Vela: Vasco Serpa: Não basta fazer “um trabalho avulso para um evento”

13/05/2021 12:16:00

Vela : Vasco Serpa: Não basta fazer “um trabalho avulso para um evento”

Sétimo classificado nos Jogos Olímpicos de Atlanta na classe laser, na vela, o responsável pelo projecto Sail Cascais considera que falta “um pouco mais de estratégia para o desporto português”.

o brasileiro Robert Scheidt, o argentino Santiago Lange ou o italiano Francesco Bruni, mas, apesar de um 7.º lugar nos Jogos Olímpicos de Atlanta na classe laser, em 1996, e um 4.º lugar no Mundial realizado no ano seguinte, Vasco Serpa seguiu um rumo diferente desses velejadores de “uma geração bastante boa”, optando por escolher a via do “mundo financeiro” em detrimento de uma profissionalização na vela.

Um quarto da população portuguesa já completou a vacinação Bolsonaro gere crise pandémica com ajuda de um ministério-sombra Activista da Greenpeace cai no relvado antes do França-Alemanha

Embora tenha sido uma opção pessoal numa altura em “tudo estava a começar” e era ainda “mais difícil” apostar na profissionalização como velejador do que na actualidade – “A vela não é o futebol e é preciso perceber o contexto onde estamos” -, Vasco Serpa reconhece que “talvez falte um pouco mais de estratégia para o desporto português”.

A dois meses dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o velejador lamenta que “as pessoas só acordem para o desporto na altura” destes grandes eventos, o que “faz com que, nos anos intermédios, não haja os apoios que poderiam haver”: “Agora vamos todos para Tóquio, fazemos muitas fotografias, muitas publicidades e programas de televisão com toda a gente, mas, provavelmente, depois de Tóquio, se não há medalhas - há sempre uma necessidade de medalhas -, surge a conversa de repensar o desporto e que isto não é maneira de participar.” headtopics.com

Segundo o atleta olímpico português, talvez falte “sermos um pouquinho mais realistas e pensarmos a médio e longo prazo, fazendo um trabalho de fundo, e não um trabalho avulso para um evento que há de quatro em quatro anos. Tem que ser um trabalho contínuo, da base para cima que nunca pode parar. Quem pára fica para trás.”.

Sobre as possibilidades da vela portuguesa em Tóquio, Vasco Serpa lembra que “temos os irmãos [Diogo e Pedro] Costa, que fizeram um excelente trabalho e foram vice-campeões do mundo. Quem viu a última regata, viu que podiam ser campeões. Se tiverem condições, são candidatos a medalhas.”

Após vários anos ligados ao mundo financeiro, Vasco Serpa regressou a Portugal há cerca de três anos, retomando uma ligação mais directa à vela com a SailCascais, um projecto que, conta em conversa com o PÚBLICO, nasceu quando estava no Clube Naval de Cascais e pensou “que a única coisa que a baía [de Cascais] precisava era de barcos”. “Temos vento, sol, temos tudo. É um local privilegiado para andar a vela. Cascais está para o mundo da vela como North Shore, no Havai, está para o surf.”

Assim, o que a SailCascais fez foi comprar “uma série de barcos iguais” da classe SP20 e constituir “uma empresa que na sua génese dá aulas a adultos”, sendo que os mesmos “barcos que são usados nas aulas podem ser alugados para regatas, o que fortaleceu a frota local, e para eventos headtopics.com

Israel quebra cessar-fogo e lança ataques aéreos em Gaza Simão Sabrosa é o novo diretor para as relações internacionais do Benfica 33 passes. O tiki-taka que deu origem ao terceiro golo de Portugal

corporateeteam building”. “Como temos oito barcos iguais, também podemos fazer os nossos eventos. A faceta da economia de partilha permite que se democratize o desporto”, explica Vasco Serpa.O velejador português, que juntamente com o Clube Naval de Cascais vai estar no final de Agosto na organização do Campeonato do Mundo de SB20, explica que esta classe de barco, projectados pelo engenheiro naval português Tony Castro, já estava implementada em Portugal, mas “para as condições que há em Cascais, é muito interessante”: “É rápido, estável e divertido. Permite que seja velejado por diferentes idades e níveis, ideal para formação. Democratiza bastante o nível. Com vento, proporciona um prazer enorme em velejar.”

Sobre o que será possível assistir na baía de Cascais, Vasco Serpa diz que vão estar presentes alguns dos melhores velejadores portugueses, como a Carolina João, “o Gustavo Lima, que foi campeão do mundo de laser, Nuno Barreto, Diogo Cayolla, Hugo Rocha”, e que, com cerca de 80 barcos em prova, “vai ser um Mundial muito competitivo” e “interessante de se seguir em Cascais”.

Ouça a entrevista completaaqui Consulte Mais informação: Público »

O poder da Língua Portuguesa e as diásporasHá muito trabalho para fazer e muita inércia para ultrapassar para que as potencialidades da língua e das culturas possam manifestar toda a sua riqueza e diversidade como instrumento de afirmação coletiva.

O confessionárioQuem tem uma pequena dívida para com as instituições financeiras tem um grave problema, quem tem uma enorme dívida para com estas faz com que as mesmas tenham um grave problema.

Covid-19. Produtores de Odemira congratulam-se com fim da cerca sanitáriaFoi assinado hoje um memorando que visa criar condições de habitação para os agricultores.

Tolentino faz um hino à esperança: “Estes meses foram difíceis mas não foram vãos”Pela primeira vez e como cardeal, D. José Tolentino Mendonça presidiu às cerimónias de Fátima. No final da procissão das velas falou sobre as várias crises que a pandemia causou e alertou para o perigo maior da “crise que vivemos se tornar numa crise da esperança”. E foi precisamente um hino à esperança que veio deixar ao santuário

Em 2020, dragão deu exemplo que leão não seguiu: como festejar um título em pandemiaO título conquistado pelo Sporting na terça-feira foi a segunda celebração de um campeão nacional de futebol em tempo de pandemia. Duas festas que se revelaram bem diferentes. Deu? A serio? A diferença entre as gentes do Norte, respeitadoras, humildes, trabalhadoras e conscientes da realidade, e os parolos lá da capital, protegidos pela policia que ainda se junta à festa 😂😂

Elétrica declara 216 milhões de euros por transação considerada “sem ganho” pela EDPEDP indica que não pagou imposto de selo por se tratar da venda de uma empresa e não de um trespasse de concessões. Se a filha da putisse 1 dia pagar imposto estes pseudo corruptos, gestores e advogados vão ficar todos 'tatuados' de carimbos Nojo de escumalha